RSS

Israel tem que sair de Masada

21 set

HRP

Israel tem que sair de Masada
CLÓVIS ROSSI
FOLHA DE SP – 20/09/11

País revive complexo cujo nome deriva de resistência de judeus a ataque dos romanos, há dois milênios

ISRAEL REVIVE o complexo de Masada, a fortaleza em que 960 judeus resistiram até a morte às hordas romanas, vitoriosas no ano 73.
Complexo de Masada é um tema frequente no léxico político-diplomático de Israel, por designar a sensação de que o mundo inteiro está contra os judeus.
Nos últimos anos, a expressão caíra em desuso mas reapareceu ontem na mídia, explicitamente, e no Parlamento, indiretamente.
Carlo Strenger, chefe do Departamento de Psicologia da Universidade de Tel Aviv, escreveu no jornal “Haaretz” que o governo israelense “continua a ser guiado pelo mito de Masada, em vez de [adotar] uma avaliação realista da realidade internacional”.
No Parlamento, a líder oposicionista Tzipi Livni afirmou que o governo está contando a história do momento como se “todos fossem contra nós”, como se “todo o mundo fosse antissemita”.
A líder oposicionista acrescentou que Israel não tem apenas inimigos, mas também um grande amigo, os Estados Unidos, que, no entanto, estão sendo colocados contra as cordas pelo que chama de “estupidez diplomática” do governo: “Eles [os EUA] não entendem a teimosia sobre os assentamentos, eles não acreditam no primeiro-ministro de Israel quando ele diz ‘dois Estados’ mas não faz nada para isso”.
Essa sensação de isolamento -uma característica relativamente permanente da psique coletiva de Israel- tem até motivos objetivos para ressurgir. Escreve, por exemplo, Bradley Burston, colunista do “Haaretz”: “É a primeira vez desde a fundação de Israel, em 1948, que o Estado não tem como aliada nenhuma das três potências regionais, Egito, Turquia e Irã”.
Para fechar o cerco, vem o pedido da Autoridade Palestina de reconhecimento do Estado palestino, o que, qualquer que seja a fórmula afinal aprovada, colocará o que boa parte dos israelenses veem como inimigo em pleno território que esses mesmos israelenses consideram seu (a Cisjordânia e Jerusalém Oriental, para não falar da faixa de Gaza), mas que a legalidade internacional atribui aos palestinos faz 64 anos.
Refugiar-se de novo nessa Masada muito ampliada que é o território hoje ocupado por Israel e colonos não vai resolver o problema.
Nem os palestinos conseguirão jogar os judeus ao mar, como muitos de fato gostariam, nem Israel vai conseguir empurrar os palestinos para a Jordânia, uma limpeza étnica que aparece e desaparece em segmentos radicais da sociedade israelense.
Resta, pois, negociar a solução dos dois Estados, para o que Netanyahu terá que ceder territórios, já que a Autoridade Palestina calcula que seu pedido de Estado cobre apenas 22% do território originalmente destinado a ele pela ONU.
É penoso, mas, como escreve o ex-chanceler israelense Shlomo Ben Ami, “enquanto não terminar a ocupação [dos territórios palestinos], enquanto Israel não viver em fronteiras internacionalmente reconhecidas e os palestinos não recuperarem sua dignidade como nação, a existência do Estado judeu não estará assegurada”.
Masada, pois, continuará assombrando Israel.
POSTADO POR MURILO ÀS 08:02 0 COMENTÁRIOS

O texto do Clóvis trás a necessidade da reflexão
Pelo Murilo….

 
70 Comentários

Publicado por em setembro 21, 2011 em Uncategorized

 

70 Respostas para “Israel tem que sair de Masada

  1. Jesus era Comunista

    setembro 22, 2011 at 6:15 am

    Mr X

    Ora, ora, tive o prazer de desbloquear seu primeiro comentário nesta gaiola de doidos. Você se encaixa muito bem aqui.

    Jesus era comunista sim. Você continua desinformado mesmo. Tá escrito lá na Bíblia, não sou eu que falo não. Eu soube lendo lá. Nenhum passarinho me contou. Agora, ler é fácil, o difícil é entender o que está lendo.

    Marx era um estudante que colava, mal, dos outros. Não vou chegar a tanto dizendo que era bu(n)dista. Era inteligente sim, mas cabulava as aulas e de vez em quando tinha que colar para se safar, aí ficava com uma lacuna de conhecimento.

    Quanto a “Minha opinião é mais ou menos a de sempre, essa briga não tem solução, ambos têm objetivos contraditórios, melhor deixar dessa besteira de “processo de paz” e deixar que eles que são semitas que se entendam. ” :

    Os objetivos são iguais mas contrários, um quer expulsar o outro, mas os Palestinos arregaram, e já aceitam os dois estados, o que Israel não quer.

    Como já foi lembrado, não precisam se amar, a PAZ para começar é o mínimo que se espera para evoluirmos de chimpanzé para humanos.

     
    • surfando na jaca

      setembro 22, 2011 at 2:55 pm

      É o tal negócio. Esse Carlos Marx fez mal para essa reaçada. Ou confundiram-no com outra pessoa.

       
    • Colafina

      setembro 23, 2011 at 2:05 am

      Eu ainda era criança quando ouvi que Jesus era anarquista. O maior de todos.

       
  2. Mr X

    setembro 22, 2011 at 1:08 am

    Olá a todos!

    Valeu Proftel pela idéia bacana de reunir o pessoal do ex-blog do Pedro Doria, ou ao menos assim parece. Está faltando o Chesterton e alguns outros aí.

    Sobre a questão Israel x palestinos, lembro que sempre discutia sobre isso mas hoje faz muito tempo que não escrevo mais sobre isso. Minha opinião é mais ou menos a de sempre, essa briga não tem solução, ambos têm objetivos contraditórios, melhor deixar dessa besteira de “processo de paz” e deixar que eles que são semitas que se entendam. Gastaria-se muito menos dinheiro, tempo, e principalmente palavras jogadas fora em blogs.

    Outra solução seria a seguinte, mandar todos os judeus de esquerda que estão nos EUA para Israel, e todos os imigrantes muçulmanos que estão na Europa para a Palestina. E eles que se entendam por lá, dois povos, dois estados!

    No mais, se Jesus era comunista, então Karl Marx era bu(n)dista…

     
    • Proftel

      setembro 22, 2011 at 10:01 am

      Mr X!:

      Que bom vê-lo por aqui!

      Sinta-se em casa!

      Bração!

      🙂

       
    • surfando na jaca

      setembro 22, 2011 at 10:55 am

      Podiam enviar o Mr X para a fronteira da Palestina e deixar ele por lá. Quem sabe não resolveria o problema?

       
  3. Proftel

    setembro 22, 2011 at 12:15 am

    Surf:

    E-mail pessoal.

    :-/

     
    • Proftel

      setembro 22, 2011 at 12:20 am

      Surf: procure lá no “tropeiro” por favor, confiança.

      🙂

       
    • surfando na jaca

      setembro 22, 2011 at 12:58 am

      Respondido. Acordei com seu email tocando a campainha. Vou voltar a dormir, acho que era pesadelo..

       
  4. Proftel

    setembro 21, 2011 at 10:53 pm

    Outro cara que considero assim como ao Chest é o Mr. X, dêem uma olhada, é Confrade de longa data:

    http://blogdomrx.blogspot.com/

    🙂

     
    • Surfando na jaca

      setembro 21, 2011 at 11:08 pm

      Caraco, melhor vc. comer um X-tudo. Deve ser fome.

       
      • Proftel

        setembro 21, 2011 at 11:31 pm

        Que nada Surf!:

        Eu, a patroa e a Duda tivemos uma pizza “em família” a saber:

        Desligamos a TV, botamos a pizza na mesa, conversamos assuntos sérios como: “não gritar” (moramos num sobrado (e coisa que notei ultimamente que a Duda vinha fazendo com certa irritância – sempre que a mãe a leva, ela volta assim, cheia de “moral” prá cima da gente), “fazer as tarefas”, “como atender telefone – e anotar os recados”, como a Duda falar com o pai, como ela se comportou na escola segunda e terça, o que há pra frente (ela traz o “caderninho” da professora com os avisos que assinamos e coisa e tal para dar ciência).

        Bom, é isso um “jantar em família” toda santa quarta-feira.

        É uma forma de “botarmos os pingos nos “is” aqui em casa (e deixar bem claro quem manda).

        Se ela quizer, é assim.

        Bração aí.

        🙂

         
        • Proftel

          setembro 21, 2011 at 11:35 pm

          Criar FILHA “dos outros” como se fosse pai dá um trabalho lascado, vão por mim.

          🙂

           
          • Jose Mario HRP

            setembro 22, 2011 at 7:36 am

            Dá porra nenhuma!
            Deus te deu esse presentinho e vai te dar tudo de bom que é dar e receber amor!
            Fica com Deus bom Alex!

             
        • Tia (@tiadalva)

          setembro 22, 2011 at 12:34 am

          Esses pingos nos “is” doem, mas são necessários. E não digo isso só porque estou a fim de ter uma noite muito agradável com o marido, mas por que é assim. Criar filhos dos outros é muito difícil mesmo, mas é muito recompensador, pois não o fazemos por obrigação, mas pelo puro amor. Amor conquistado dia a dia.

           
    • Proftel

      setembro 21, 2011 at 11:42 pm

      Surf:

      Também estou com saudade da Val, parente da patroa, foi uma que se assustou contigo.

      Será que só a Memento te guenta?

      🙂

       
  5. Proftel

    setembro 21, 2011 at 10:36 pm

    Bom,

    Convidei pelo Messenger dois ex-alunos a virem pra cá.

    Dois caras excepcionais (no bom sentido), um já morou em Israel, outro é oriundo da FEI.

    Tomara que gostem do pedaço.

    🙂

     
  6. só quero vê no que vai dá!

    setembro 21, 2011 at 9:33 pm

    Amanhâ respondo à todos… agora, uma matilha de gente muito boa chegou por aqui…. Por enquanto, abração aos amigos… 😛

     
    • Surfando na jaca

      setembro 21, 2011 at 11:07 pm

      Aí, cachorrada! Amanhã a cachorrona aparece.

       
  7. Surfando na jaca

    setembro 21, 2011 at 9:27 pm

    Carecão de Meu Deuszinho de Gantois, vamos parar com esse coitadismo populista. Quando uma direitoba lombrosiana fala besteira tem que levar jaca como qualquer um independente de idade e sexo. Digo mais, nunca briguei com minha priminha Nat. Ela é meio imprevisível em política, mas quando descaía e balouçava para a direta, dava-lhe uma bordunada elegante e tudo voltava ao normal e ela seguia pela esquerda, que é a direção que o futuro caminha . A elegância no trato é o que sempre me distinguiu na vida. Jamais falo ou escrevo coisas grosseiras para una donna, mesmo sendo uma desclassificada. Dá a impressão que estou visitando o Mangue, coisa que nunca fiz. Sou homem jovem que se aproxima dos 50 anos, o que me faz um cara próximo à terceira idade. Quando me aborreço, abro o blog do Guigui Charrão Firula Do Pilotis Puc da Silva e vejo se tem um direitoba para levar uma jaca no meio da testa. Isso me livra de xingar um subalterno ou meus patrões analfabetos liberais. E a vida segue e meu salário também. Por isso, acredito que o blog do Firula seja relaxante e um serviço útil ao cidadão educado.
    Uma boa noite caramujada e olha, que lá vem jaca!

     
    • Proftel

      setembro 21, 2011 at 10:39 pm

      Surf:

      Você sem “espaços” parece a Memento na fase alada.

      🙂

      Bração aí.

      🙂

       
      • Surfando na jaca

        setembro 21, 2011 at 10:54 pm

        A Memento anarquisava com vcs. e no entanto, não esquecem da Memento. Eu também. Por isso vivemos juntos tantas obturações de dente, chope derramado na mesa, dias de enchentes, chuva no quengo e sempre o guarda-chuvinha dividido pelos dois e ambos ficando molhados. A vida é assim. Boa noite, caramujo Proftel.

         
        • Surfando na jaca

          setembro 21, 2011 at 11:01 pm

          anarquizava. Comecei com o problema do sem nick.

           
    • Jose Mario HRP

      setembro 22, 2011 at 7:37 am

      KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK…………

       
  8. Proftel

    setembro 21, 2011 at 9:26 pm

    Surf:

    Escrevi isso prô Patriarca da Paciência lá embaixo, creio que te afeta:

    “Patriarca da Paciência:

    Sim, até concordo que o Pax tentou “… algo realmente muito difícil e que ele, talvez, jamais consiga. …”

    E paro por aí!

    Não precisava “abraçar o mundo” com algo dispendioso tentando gerenciar uma (quase) empresa justo na época posterior à explosão da “NASDAQ”, foi falta de humildade.

    O cara não esperou a coisa esfriar, se esqueceu ou não se informou sobre o Orkut, não sacou as “antas” recém incorporadas à Rede fez, aconteceu, criou e perdeu amigos, tudo por uma falsa “pseudo qualidade” inerente só à concepção dele.

    Não é por aí.

    Ele se esqueceu das formigas…. . As Saúvas quase acabaram com o Rio Grande do Sul na época do Getúlio…. .”

    hehe.

     
    • Surfando na jaca

      setembro 21, 2011 at 9:40 pm

      OOOOps, aloproftel geral. Eu preocupado com o sucesso ou fracasso do bagual? Ele tem mais é que fracassar para tomar vergonha na cara e criar uma iniciativa aglutinadora e de esquerda. Essa baboseira de ser isento, meio-termo, encimadomurismo, nada mais é do que direitobismo em alto grau encruado, simulado e enrustido. Eu diria para o Pax: tomou, papudo! KKKKKKK! Olha a jaca!!!!

       
  9. El Torero

    setembro 21, 2011 at 9:10 pm

    De uma feita ouvi, ou li, o escritor Amoz Oz falando sobre a questão do estado Judeu-Palestino, ou Palestino-Judeu…pois que um só será legítimo com a existencia do outro.
    Ele discorria sobre a necessidade da Paz. Dizia que era ilusão que saissem todos contentes com esta paz, mas que o contrario de guerra não é amor, é paz…que acabe esta tragédia como um conto de Tchekhov, dizia ele, todos tristes, pessimistas, amargos, magoados mas vivos.

     
    • Surfando na jaca

      setembro 21, 2011 at 9:32 pm

      Gostei disso. Tem pureza e simplicidade de passos de formiga frente a um assunto elefante. Está muito hai-kai, Torero. Mui é elegante.

       
      • Proftel

        setembro 21, 2011 at 9:41 pm

        El Torero:

        Ouvi isso no “original” e, semana passada quando a Cultura reprisou os melhores momentos, foi realmente sublime essa afirmação.

        🙂

         
        • Proftel

          setembro 21, 2011 at 9:42 pm

          melhores momentos = melhores momentos do Roda Viva

          🙂

           
      • Proftel

        setembro 21, 2011 at 10:01 pm

        Surf:

        Esse é seu lado direitoba kkk.

        :-))))))))))))))))))))) kkkkkkkkkkkkkkkk rsrsrsrsrsrsrsrsrs

        Sacou?

        🙂

        O Torero é gente boa.

        🙂

         
        • Surfando na jaca

          setembro 21, 2011 at 10:45 pm

          Ué, achei legal o escrito curto do Torero. Direitoba???? EU??? Caspa, eu???

           
    • Proftel

      setembro 21, 2011 at 9:49 pm

      Surf:

      Putz!

      Cê é esculachado mesmo!

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Eu aqui com toda pompa apresentando os sintomas e coisa e talx e você solta na porrada um truco…. .

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkk rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs :-)))))))))))))))))))))))))))))))))

       
  10. Jesus era Comunista

    setembro 21, 2011 at 8:23 pm

    Com certeza Proftel.

    O que se espera das pessoas, seja no blog ou em qualquer lugar, é que a elegância no trato seja alcançada.

    Como eu tenho 67 anos, sou do tempo que os homens tinham a obrigação de ceder seu lugar sentado numa condução, para idosos e mulheres. Me lembro que minha mãe sempre me obrigava a isto nos coletivos, mesmo sendo criança.

    Pessoalmente gosto muito do Surf e não consigo entender a agressividade dele com as mulheres. Se for a Memento mais inexplicável fica, já que é mulher.

    Nenhum fato justifica a violência, seja física seja verbal. Não se pode discriminar ninguém, nem por cor nem por credo nem por opção política, econômica, sexual ou outra qualquer.

    Resolvi não me omitir mais por que, calar é aceitar, é ser co-responsável.

    Eu gostaria que ambas as partes refletissem. O passo atrás é sempre maravilhoso. E o entendimento e a fraternidade é o melhor que o homem pode dar e ter.

     
    • Proftel

      setembro 21, 2011 at 8:56 pm

      Fred:

      Grato.

      Só contando com “48” a completar “49” em novembro (justo perto do Surf que completa não sei quantos dois dias depois), creio que temos a OBRIGAÇÃO de tratar bem as senhôras que aqui chegam (são poucas, mui poucas – e não são “loiras”).

      Sobre esse assunto de “dar e ter”, melhor só prometer “um jatinho” prá elas. Mais que isso é “pensão alimentícia” certa e corrobada por Lei.

      kkkkkkkkkkkkkkkk rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs 🙂 🙂 🙂 :-))))))))))))))))))))))))))))))

       
      • Proftel

        setembro 21, 2011 at 9:17 pm

        Sei que foi um comentário “podre” e muito “machista”, se me desculpem kkkkk.

        :-))))))))))))

         
  11. Proftel

    setembro 21, 2011 at 7:34 pm

    Só Quero Vê no Que Vai Dá!:

    Olha, brigadão pela parte que nos toca, o Fred e eu creio, sempre apresentamos mais ou menos a mesma linha de pensamento (só que ele muito mais incisivo, tanto que o expulsaram d’uns cantos aí), é um cara muito gente boa e há uma afinidade intelectual – tomara que me desculpe pela indiscrição.

    Quanto ao Surf, se não fosse o estilo inconfundível, até diria que é a Memento a desancar algumas comentaristas (como foi o caso da Confetti – se bem que nalgumas ocasiões não deu pra sacar quem bateu primeiro); Com a Nat também houveram alguns entreveros até que ele descobriu que ela é meio aparentada a ele.

    Todos aqui tem temperamento forte e a meu ver boa índole, de vez em quando até um um bom papo de buteco ou conversa em família “esquenta”.

    Aqui no pedaço (e até agora desde que se me fiz “Nick”) sempre procurei contemporizar – claro que não deu quando o gaúcho me bloqueou e depois desancou minha patroa, aí já foi demais – por ela até já levei tiro.

    Outra coisa, nosso espaço nem de perto se compara com o Fiuza visto que, a maioria dos comentaristas de lá querem mais é aparecer num blog da “Grobo” com as mesmas características intelectuais de quem assiste novela reincidentemente (claro que aquela “Que Rei Sou Eu” até eu assisti, assim como “O Casarão”).

    Daquela turma toda só sinto falta de vez em quando do Chest (por mais que o Surf seja refratário à presença dele aqui creio, um direitoba esclarecido é contraponto, não precisaríamos ler o que o Reinaldo Azevedo escreve, o cara “filtra” e bota o link, “a gente” “descasca” – assim com lemos o que o Delfim Neto escreve – só que dá mais trabalho “ler” prá depois “descascar” kkkk), faz parte da ” “Demo”-cracia” “. (hehe).

    Um dia chegaremos lá.

    Os espaços “livres” na Rede estão se extinguindo, a maioria das páginas de opinião apresentam bloqueios e são corporativistas outras recentes e não tão recentes primam na ignorância e falta de intelecto, algumas poucas com excesso de intelectualidade ficam com dois, no máximo três comentaristas muito chatos daqueles que procuram destrinchar a “filosofia” da página a cada comentário e meio soltando nas entrelinhas (ninguém guenta isso).

    Outras ainda são adeptas do “denuncismo “havaiano” (de chinelos havaianas no pé) universitário” – que é o caso do nosso amigo “japa” e a corja de puxa-sacos (geralmente formados por alunos de graduação).

    Juro prôce “Só Quero Vê no Que Vai Dá!”:

    Não gostaria que esse espaço tivesse relevância tal que fôsse-mos chamados no “JÔ” por exemplo, a intenção não é essa, aqui não há comércio ou pretenções do tipo.

    No máximo gostaria de ver muitas outras pessoas comuns como nós se expressando (detesto a expressão “postando”) suas impressões regionais, estaduais quiçá de outros países sendo contraditas, concordantes ou cooptadas noutras correntes de pensamento que não as pré-concebidas quando aqui chegaram.

    Na minha humilde e tacanha concepção de “Liberdade na Rede”, é isso que buscamos, não sei se o Fred tem a mesma concepção, ele com a palavra agora.

    Bom, comecei com uma pequena resposta à “Só Quero Ver no Que Vai Dá” e fiz um pequeno “pedaço de tijolo baiano” (que para os que não conhecem, tem entre seis e oito furos).

    Foi “numa penada só”, peço que relevem os erros de concordância/acentuação/pontuação/etc. .

    🙂

     
  12. Surfando na jaca

    setembro 21, 2011 at 2:48 pm

    Carecão de Jesus, eu que fui insultado vilmente por essa desclassificada e pedinte virtual. Eu que mereço retratação! Se pudesse, bem que doava uma jaca na cabeça dessa socó do brejo pampeiro. Machismo…Falar mal da Dilminha é machismo? Vc. também está merecendo uma jaca na careca! Sou pelo choque do realismo mágico e da jaqueira justiceira. Prefiro ficar numa jaula com uma parente do macaco Tião do que com essa sonsa.

     
    • Jesus era Comunista

      setembro 21, 2011 at 5:35 pm

      Jacão do Surf

      Você é muito machista ou tá no armário. (Danou-se)

      Só vejo você desancar as mulheres nos blogs.

      Eu hein?

      Trate-as com inteligência companheiro, que tens de sobra.

       
      • Surfando na jaca

        setembro 21, 2011 at 7:14 pm

        Nada disso! É que em blog político só aparece barangona de direita! Todas as outras eu trato com carinho. Olha, a jaca na careca!

         
        • só quero vê no que vai dá!

          setembro 21, 2011 at 7:23 pm

          Jesus, o cara é tão doidão que só o fato de não ser de esquerda já vira ¨- barangona -… Uma flôr de pessoa, ele não??? Mas o fato é que ele , gostando ou não, me faz mais rir do que me irritar… E não adianta augumentar com este tipo, é como dar murro em ponta de faca, literalmente…
          Jesus, vc lembra como é um cavalo com antolhos??? Bem, os cavalos não tem opção, pois lhe é colocado, outros…
          Mas, enfim, não precisa comprar esta briga por mim. Agradeço de coração, mas tbém não quero provocar rupturas em amizades antigas. Abração aí!!! 😛

           
          • Jose Mario HRP

            setembro 22, 2011 at 7:39 am

            Blearghhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh…………………..
            Misoginia a parte……cruz credo!

             
    • Proftel

      setembro 21, 2011 at 8:57 pm

      Surf:

      Gostei do “vilmente”, fazia tempo que não ouvia isso kkkkkk.

      :-)))))))))))))) rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

       
  13. só quero vê no que vai dá!

    setembro 21, 2011 at 2:17 pm

    Jesus… prá vc ver… só pelo seu comentário de solidariedade já estou recebendo manifestações de “extrema elegância” no blog do Fiuza… Pode?? É “dificír!!!”

     
    • Proftel

      setembro 21, 2011 at 7:42 pm

      Só Quero Vê no Que Vai Dá!:

      Pelo jeito o pessoal do Fiúza anda beirando por aqui…..

      🙂

       
    • Proftel

      setembro 21, 2011 at 9:10 pm

      Só Quero Vê no Que Vai Dá!:

      Não é assim tão difícil ouvir galanteios, os “Sulistas” lá nos EUA, os galanteadores Paulistas no Império, os (muitos) serviçais das ditaduras sulamericanas, os atuais “donos do dinheiro” que atropelam e matam saindo impunes também são galanteadores.

      Pense nisso, Uniforme e grana são pressupostos de várias desgraças cometidas.

      Relembro meu Tio Max que falava assim:

      Se um cara chega aqui numa sexta a noite com uma mala preta num taxi e pergunta quanto é um barco, eu peço prá ele voltar amanhã.

      Se um cara chega aqui no meu estaleiro no sábado umas onze horas da manhã com os filhos, de chinelo, usando uma bermuda e me fala: “-Max, me faz um barco?” Esse tem cacife”.

      🙂

       
  14. Jose Mario HRP

    setembro 21, 2011 at 2:01 pm

    Olha só o que está pegando de realmente importante!
    http://www.msf.org.br/

     
  15. Jesus era Comunista

    setembro 21, 2011 at 11:51 am

    Uri Avnery: São os colonos judeus ocupantes, estúpido!

    “Os colonos e seus aliados dominam completamente a coalizão que hoje governa Israel. Opõem-se à devolução de qualquer palmo do território que Deus prometeu só aos judeus. (Até os colonos judeus que não acreditam em deus, acreditam que fazem jus à terra que deus prometeu só aos judeus.) Por isso, não há negociações de paz, não tem fim a construção de prédios e mais prédios em territórios ocupados, nem se vê qualquer movimento em direção a qualquer tipo de paz.”

    Cães de guerra: quando setembro vier

    Por: Uri Avnery, Gush Shalom [Bloco da Paz], Israel, Tradução: Coletivo Vila Vudu
    3/9/2011

    Não se ouvia falar de cães de guerra mais aterrorizantes, desde O Cão dos Baskervilles.

    Foram cevados por um antigo admirador do falecido ‘rabino’ Meir Kahane, que até a Suprema Corte de Israel definiu como fascista. A tarefa deles é proteger os colonos judeus e atacar os palestinos. São cães colonos judeus ou, melhor, colonos judeus cães.

    Todos os canais de televisão em Israel os mostraram demoradamente, louvando-lhes a eficácia e o ardor.

    Tudo isso, em preparação para “Setembro”.

    Setembro não é só nome de mês, o sétimo do antigo calendário romano. Setembro é símbolo de um terrível perigo, de uma inominável ameaça existencial.

    Em poucas semanas, os palestinos pedirão à ONU que reconheça o Estado da Palestina. Já têm ampla maioria na Assembleia Geral. Depois, segundo avaliação oficial pelo exército de Israel, abrir-se-ão as portas do inferno. Multidões de palestinos se levantarão, atacarão o muro ‘de separação’, atacarão as colônias exclusivas para judeus, desafiarão o exército, criarão o caos.

    “A Autoridade Palestina está planejando um banho de sangue”, disse Avigdor Lieberman, animadíssimo. E quando Lieberman prevê violência, não é prudente ignorá-lo.

    O exército de Israel prepara-se, há meses, para essa eventualidade. Essa semana, anunciou que está treinando os colonos, também, para que conheçam perfeitamente os casos em que estão autorizados a atirar para matar. Isso confirma o que todos já sabemos: não há qualquer diferença clara entre o exército e os colonos que vivem nas colônias exclusivas para judeus – muitos colonos são oficiais do exército, e muitos oficiais vivem nas colônias. A frase oficial é “o exército de Israel defende os israelenses onde estejam”.

    Um dos cenários para os quais o exército de Israel está preparado, como disseram, é o caso de os palestinos atirarem contra militares e colonos “de dentro das manifestações públicas”. É declaração terrível. Participei de centenas de manifestações e jamais vi ninguém atirar em ninguém “de dentro” de alguma manifestação. Esse atirador teria de ser louco, porque quem atira “de dentro” de uma manifestação de massa expõe todos os que estão à volta à retaliação. Mas foi o pretexto que Israel encontrou para atirar contra manifestantes em manifestações não-violentas.

    Soa tão assustador e horrendo, porque já aconteceu no passado. Depois da primeira intifada, uma história de sucesso dos palestinos (e levou ao acordo de Oslo), o exército israelense preparou-se diligentemente para a segunda. A arma escolhida foram ‘atiradores de elite’.

    A segunda (“al-Aqsa”) intifada começou depois do fim da conferência de Camp David em 2000 e da ‘visita’ de deliberada provocação, de Ariel Sharon, ao Templo do Monte. Os palestinos faziam manifestações de massa, não violentas. O exército de Israel respondeu com ‘assassinatos seletivos’. Duplas de um atirador ‘de elite’ e um oficial do exército tomavam posição em diferentes pontos do percurso por onde passariam os manifestantes; o oficial do exército selecionava os alvos – manifestantes que lhe parecessem “animadores”. Foram assassinados.

    A tática foi considerada altamente efetiva. Em pouco tempo, as manifestações não violentas acabaram, substituídas por ações muito violentas, ditas “terroristas”. E, assim, o exército de Israel voltou à brutalidade que conhece bem, terreno familiar.

    No total, na segunda intifada, foram assassinados 4.546 palestinos, 882 dos quais crianças; e 1.044 israelenses, 716 dos quais civis, 124 crianças.

    Temo que as preparações para a terceira intifada, prevista para começar no próximo mês, seguem as mesmas linhas. Mas as circunstâncias serão bem diferentes. Depois dos eventos no Egito e Síria, os manifestantes palestinos podem reagir de outro modo, e o “banho de sangue” pode ser muito maior. E também será maior a reação internacional e dos árabes. Imagino cartazes e faixas contra Binyamin al-Assad e Bashar Netanyahu.

    Mas a maioria dos israelenses não estão preocupados. Acreditam que todo o cenário é resultado de maquinações de Netanyahu, como truque para pôr fim aos enormes protestos sociais que agitam Israel. “Os jovens que protestam querem justiça social e estado de bem-estar, como crianças que querem sorvete, enquanto o desastre espreita na próxima esquina” – nas palavras de um dos coronéis (aposentado).

    Os colonos judeus e seus cães mal podem esperar.

    Até faz sentido, porque os colonos judeus desempenham papel central no conflito. São eles que impedem que se faça qualquer tipo de acordo de paz. Não admitem, sequer, qualquer tipo de negociações de paz significativas.

    É até bem simples: qualquer tipo de paz entre Israel e o povo palestino terá de basear-se em devolver a Cisjordânia, Jerusalém Leste e a Faixa de Gaza ao futuro Estado da Palestina. Já há, sobre isso, amplo consenso mundial. A única questão é saber exatamente por onde passarão as fronteiras, uma vez que também há consenso sobre algumas pequenas trocas de território.

    Isso implica que a paz, necessariamente, implicará remoção de grande número de colônias hoje ocupadas por judeus e a evacuação de todos os colonos das colônias exclusivas para judeus espalhadas por toda a Cisjordânia.

    Os colonos e seus aliados dominam completamente a coalizão que hoje governa Israel. Opõem-se à devolução de qualquer palmo do território que Deus prometeu só aos judeus. (Até os colonos judeus que não acreditam em deus, acreditam que fazem jus à terra que deus prometeu só aos judeus.) Por isso, não há negociações de paz, não tem fim a construção de prédios e mais prédios em territórios ocupados, nem se vê qualquer movimento em direção a qualquer tipo de paz.

    Os colonos judeus foram postos onde estão, na Cisjordânia, especificamente para essa finalidade: criar “fatos em campo” que destruíssem qualquer possibilidade de criar-se um Estado Palestino viável. Portanto, nem interessa discutir se são os colonos judeus ocupantes que impedem que os territórios ocupados sejam devolvidos em troca de paz, ou se o governo de Israel usa os colonos como força de ocupação, para o mesmo objetivo. Dá sempre na mesma: os colonos judeus ocupantes boicotam qualquer esforço de paz na região.

    Como diriam os norte-americanos: São os colonos judeus ocupantes, estúpido!

    Muitos bons judeus israelenses estão fazendo papel de idiotas, ou são idiotas.

    Anda ‘na moda’, em alguns círculos, “abraçar” a causa dos colonos judeus ocupantes, em nome da unidade nacional. Judeus não devem brigar entre eles, dizem, como ensinava a velha sabedoria dos guetos. Colonos judeus ocupantes e armados são como nós.

    Destaca-se entre os que dizem isso a deputada Shelly Yachimovitch, candidata, com outros cinco candidatos, à liderança do moribundo Partido Trabalhista (Labor). Durante anos, trabalhou na defesa da justiça social, falava de paz, ocupação, colônias, Palestina e temas afins. Agora, como parte da campanha pela liderança, aparece como defensora apaixonada dos colonos ocupantes. Como ela mesma disse, “É claro que não considero a empreitada dos colonos como pecado ou crime. No início, houve perfeito consenso. O Partido Trabalhista foi quem promoveu a colonização dos territórios [ocupados]. Esse é um fato histórico.”

    Há quem acredite que Yachimovitch apenas finge que pensa assim, para conquistar os votos de que precisa para chegar ao comando do partido, e que planeja atrair o que resta do Partido Kadima, para tentar deslocar Tzipi Livni e, talvez, chegar ao posto de primeiro-ministro.

    Pode ser. Pessoalmente, acho que ela realmente acredita no que diz – o que, sei, é raro em políticos, homens ou mulheres.

    Falando sério: não é possível abraçar, ao mesmo tempo, a causa dos colonos judeus armados e a luta por justiça social em Israel. Não é pensável, não há meio possível, ainda que alguns líderes do movimento de protesto social defendam essa via, como recurso tático.

    Não há nem pode haver estado de bem-estar em Israel, enquanto houver guerra. Os incidentes de fronteira, nas duas últimas semanas, mostram como é fácil distrair a opinião pública e silenciar os protestos: basta desfraldar a bandeira da segurança. E como é fácil, para o governo, alimentar e prolongar qualquer tipo de incidente.

    Semear o medo de “quando setembro chegar” é outro exemplo.

    Mas as razões pelas quais o governo não se interessa por separar justiça social e segurança são mais profundas. Reformas sociais sérias exigem dinheiro, muito dinheiro. Mesmo depois da reforma do sistema de impostos – impostos diretos mais “progressivos”, impostos indiretos menos “regressivos” – e ainda que tivéssemos posto fim aos cartéis dos ‘magnatas’, são necessários dezenas de bilhões de dólares para recuperar as escolas, os hospitais e os serviços sociais em Israel.

    Esses bilhões só podem vir do orçamento militar e das colônias. Investem-se somas astronômicas nas colônias – não só na moradia fortemente subsidiada para colonos judeus, salários pagos pelo Estado a muitos colonos (em porcentagem muito superior à que se vê na população em geral), mas, também, em infraestrutura (estradas, fornecimento de água e eletricidade, etc.) e no enorme contingente militar necessário para proteger as colônias. As preparações em curso para “quando setembro vier” mostram outra vez o quanto tudo isso custa.

    Mas essa ainda não é toda a história. Por trás de todos esses fatos jaz a principal razão para a deformação de tudo, em Israel: o próprio conflito entre israelenses e palestinos.

    Por causa do conflito, é preciso manter gigantesco establishment militar. Cada israelense paga, para manter as forças armadas, mais do que qualquer outro cidadão em qualquer outro país ocidental. Israel, com população de apenas 7,5 milhões de habitantes, mantém o 4º ou 5º maior establishment militar do mundo. A ajuda militar que os EUA paga a Israel cobre apenas pequena parte dos custos.

    Assim sendo, o fim da guerra é condição necessária para qualquer esforço que vise a converter Israel em estado de bem-estar com padrões “escandinavos”, com satisfatória justiça social. O conflito não é um fator a mais das dificuldades sociais em Israel: é o principal fator.

    Pode-se amar ou odiar os colonos judeus armados, fazer-lhes oposição ou abraçar aquela causa, como cada um entenda. Nada disso altera o fato de que as colônias exclusivas para judeus armados, nos territórios palestinos ocupados, são o principal obstáculo à paz e ao estabelecimento, em Israel, de algum estado de bem-estar. Não só pelo muito que custam em dinheiro; não só por causa dos pogroms que colonos judeus armados fazem, de tempos em tempos; não só pelo modo como hoje controlam o sistema político. Mas, sim, porque existem.

    Diferentes do cão dos Baskervilles, no romance de Sherlock Holmes, que era pista importante justamente porque não latiu na noite do crime, os cães das colônias exclusivas para judeus em Israel estão latindo muito alto. É latido de guerra.

    http://mariafro.com.br/wordpress/2011/09/07/uri-avnery-nao-ha-qualquer-diferenca-entre-o-exercito-de-israel-e-os-colonos-de-israel/

     
    • Surfando na jaca

      setembro 21, 2011 at 4:49 pm

      Ótima análise do papel expansionistas dos colonos israelenses.

       
      • Jesus era Comunista

        setembro 21, 2011 at 5:43 pm

        Uri Avnery já ganhou um prêmio internacional pela PAZ. Lutou contra os ingleses antes da formação do Estado de Israel.

        Mora em Israel. É um ativista, pela criação do Estado Palestino, já foi representante do povo de Israel no Likud, tem oitenta e poucos anos é uma lenda em Israel, grande cara, de uma mente brilhante e de um coração enorme, onde cabe toda a humanidade.

        Os de WALLSTREET não tem peito de mexer com ele.

         
    • Proftel

      setembro 21, 2011 at 7:49 pm

      Fred:

      Sabe o que eu acho interessante?

      Em nenhum lugar na Rede encontro um relatório tipo do “IBGE” de Israel com dados DE ONDE são (ou vem) os moradores das colônias israelenses…..

      :-/

       
      • Proftel

        setembro 21, 2011 at 7:53 pm

        Essas colônias cheiram mais à especulação imobiliária que produção agrícola…..

        :-/

         
        • Jesus era Comunista

          setembro 21, 2011 at 8:29 pm

          Proftel

          Infelizmente o ter leva a estas barbaridades feitas pelos governantes de Israel e interessados em lucro fácil.

           
  16. JOSE MARIO HRP!

    setembro 21, 2011 at 11:05 am

    BICHO PEGOU!
    Dilma exigiu a imediata inscrição da palestina no rol dos membros da ONU!
    A mulher bombou legal!

     
  17. Proftel

    setembro 21, 2011 at 10:58 am

    Pessoal:

    Se o Delfim Neto disse isso : http://www.valor.com.br/opiniao/1011436/nessun-dorma

    É porque a coisa está feia…

    Não sou fã do cara, muito pelo contrário mas, é interessante ler também o que a “oposição” anda pensando.

    :-/

     
    • Surfando na jaca

      setembro 21, 2011 at 3:09 pm

      Proftel, sempre leio o Delfim. É corrupto, direitoba, arrivista e vendido, mas inteligente e ótimo analista econômico. No caso, nada escreve de novidade. A pasmaceira econômica do momento chega a espantar. É possível que o Euro exploda ou se firme de vez. É um teste e tanto!

       
  18. Jesus era Comunista

    setembro 21, 2011 at 10:04 am

    O governo de Israel é contra o povo de Israel, como quando cruxifixaram Jesus.

     
    • Jose Mario HRP

      setembro 21, 2011 at 10:12 am

      Eu creio que o que permeia o espirito coletivo do povo de lá hoje é o ódio , como aconteceu com a maioria alemã nos anos 30/40 do séc. XX.
      Medo e ódio conjugados criam a intolerancia.
      Ninguém é de todo mau e algumdia vai se tornar bom, por que o criador ou a natureza( pra ficar de bem com os ateus) nós fez mutantes e inteligentes, cedo ou tarde os israelenses vão abrir os olhos e os radicais islamicos vão cair no ridiculo.

       
      • Jesus era Comunista

        setembro 21, 2011 at 10:19 am

        HRP

        O povo quer PAZ.

        Quer amizade com os Palestinos, querem o Estado Palestino.

        Mas isso vai contra o interesse de WALLSTREET e dos governantes de Israel, que são da mesma ORDEM.

        Acho que você está muito mal informado a respeito.

         
        • JOSE MARIO HRP!

          setembro 21, 2011 at 10:47 am

          Pode ser, e que assim seja
          Acho que generalizei…..

           
  19. Patriarca da Paciência

    setembro 21, 2011 at 9:56 am

    “É penoso, mas, como escreve o ex-chanceler israelense Shlomo Ben Ami, “enquanto não terminar a ocupação [dos territórios palestinos], enquanto Israel não viver em fronteiras internacionalmente reconhecidas e os palestinos não recuperarem sua dignidade como nação, a existência do Estado judeu não estará assegurada”.
    Masada, pois, continuará assombrando Israel.”

    Para mim a questão chave está aí. E vejam bem que a afirmação foi dita por um ex-chanceler israelense!
    Se os judeus são isso ou aquilo, se os palestinos são isso ou aquilo, se os árabes são isso ou aquilo, são questões de opinião, talvez até de conceitos filosóficos e que ainda vão ocupar as mentes de muitas pessoas por séculos.

    O que ninguém pode negar é que existe um FATO concreto – Israel ocupa terras palestinas!

    Diz que tem direito a terras palestinas e faz assentamentos!

    Israel se nega até a discutir a devolução de terras palestinas!

    Ninguém de bom senso pode aprovar tais atitudes de Israel!

    Para mim, toda a discussão deveria se focar nesses assuntos: ” Israel viver em fronteiras internacionalmente reconhecidas e os palestinos recuperarem sua dignidade como nação.”

    Se tanto israelenses quanto a palestinos se concentrassem nesse dois pontos, acho que seria possível encontrar uma solução.

    Total apoio ao ex-chanceler israelense, Shlomo Ben Ami.

     
  20. Jesus era Comunista

    setembro 21, 2011 at 9:55 am

    Ao caro colega de blog Brancaleone

    É muito fácil dizer que quem vai contra os seus conceitos sobre os acontecimentos na Palestina é fruto de NAZISTAS. Isto indica bem o grau dos seus conhecimentos sobre o assunto.

    Mas como disse no post anterior a este:

    “A realidade é trabalhosa, é conflitante na medida em que a verdade coloca uma grande parte das pessoas em posição que seu egoísmo, não aceita.”

    Então se me permite, não vou aceitar seus achaques e vou repassá-los para:

    Daphna Golan

    Professor de Direito, na Universidade Hebraica de Jerusalém.

    A Palestina está à venda em Jerusalém: “Excelente localização”

    *Daphna Golan, 5/4/2009, Haaretz, Telavive

    Esperemos que a Casa Branca seja assinante dos jornais de Jerusalém, e leia-os antes da chegada de Benjamin Netanyahu a Washington. Basta passar os olhos pelos anúncios gigantes de ‘novos empreendimentos imobiliários’, para que se economizem quantidades consideráveis de dinheiro, tempo e lamentações dos contribuintes norte-americanos e israelenses.

    Há anos Israel promete que não haverá novas construções nas colônias na Cisjordânia. O presidente Shimon Peres reiterou essa promessa recentemente ao primeiro-ministro tcheco, Mirek Topolanek, que atualmente ocupa a presidência da União Europeia. Topolanek, por sua vez, prometeu trabalhar para melhorar as relações entre Israel e a Europa. Netanyahu, em sua visita aos EUA, certamente repetirá as mesmas mentiras já mentidas por Peres.

    Essa semana, um jornal de Jerusalém noticiou que qualquer fábrica de propriedade de cidadão israelense que deseje transferir-se para a colônia de Ma’aleh Adumim terá vantagens de três tipos.

    Primeiro, a “excelente localização”, a dez minutos de Jerusalém. O mapa mostrado no anúncio só indica colônias israelenses como locais recomendados para instalações de fábricas – nenhuma comunidade palestina, sequer as localizadas ao lado, porta com porta, das colônias israelenses.

    A segunda vantagem anunciada é a acessibilidade. Caso os norte-americanos não entendam, aí está dito que Israel construiu estradas para uso exclusivo de israelenses, de modo que possam viver e trabalhar nos territórios ocupados sem jamais cruzarem com palestinos.

    A estrada 443 foi pavimentada, para dar mais ‘acessibilidade’ até Ma’aleh Adumim. O Estado afirmou, ante a Alta Corte de Justiça, que a estrada – construída em terra expropriada de palestinos – visava a beneficiar a “população local”. Estranhamente, comprovando exatamente o contrário disso, a estrada é vedada aos palestinos e só israelenses transitam ali.

    Terceiro, o anúncio promete as mesmas deduções de impostos que se oferecem para construções na chamada “Área A, de Prioridade Nacional”, e acrescenta: “a área industrial na colônia de Ma’aleh Adumim é a maior reserva de terra em toda a área de Jerusalém. Os lotes estão à venda por preços módicos.”

    É exatamente a mesma área na qual Israel prometeu que não haveria novas construções, para que, algum dia, os palestinos pudessem movimentar-se livremente entre o norte e o sul da Cisjordânia.

    Se alguém na Casa Branca ou nos EUA ainda pensa que as novas construções em Ma’aleh Adumim seriam exceção à regra, os enormes anúncios publicitários publicados nos jornais de Jerusalém comprovam que, sim, há projeto já em andamento para novas construções em todos os territórios ocupados à volta de Jerusalém.

    Há, por exemplo, anúncio de “oportunidade de ouro” em Har Homa, mas nenhuma informação sobre os palestinos em cujas terras as novas casas estão sendo construídas.

    O anúncio tampouco fala da vila de Nuaman que ali existia e cujas terras foram anexadas a Israel, mas cujos moradores têm documentos de identidade palestinos e, portanto, são classificados como residentes ilegais… dentro de suas próprias casas e em terrenos de sua propriedade.

    O muro da separação aprisiona os moradores de Nuaman e os separa, simultaneamente, tanto de Jerusalém – cidade à qual absolutamente não podem chegar – como, também, da Cisjordânia. Só podem entrar na Cisjordânia quando os pontos de fronteira estão abertos.

    Outro anúncio, de construção “nascida numa colher de prata”, exibe um prédio e apartamento modelos, mas sem dizer que estão localizados na área das cidades de Sur Baher, Umm Tuba, Abu Dis e Beit Sahour. São cidades e vilas palestinas, algumas delas incluídas na jurisdição municipal de Jerusalém, que foram varridas, não apenas do mapa exibido nos anúncios publicitários desses novos ‘empreendimentos imobiliários’, mas também da consciência do governo de Israel, o qual tampouco jamais ofereceu aos palestinos qualquer plano de zoneamento que lhes permitisse pensar em construir moradias, pavimentar estradas e construir escolas.

    Hoje, quando os contribuintes norte-americanos estão obrigados a sobreviver às dificuldades da crise econômica, Israel bem poderia poupar-lhes o dinheiro que investem na construção e na manutenção das colônias ilegais.

    Em vez de torrar tempo e recursos tentando entender por que Israel insiste em construir estradas, ‘projetos imobiliários’ e colônias exclusivas para israelenses, a Casa Branca bem poderia providenciar uma assinatura dos jornais de Jerusalém.

    Ali os norte-americanos seriam facilmente informados – e poderiam informar o primeiro-ministro de Israel e sua trupe – de que só seriam bem-vindos, para discutir o apoio dos EUA, se, e se somente se, os israelenses realmente pararem de construir ‘empreendimentos imobiliários’ ilegais nos territórios palestinos ocupados.

    *Professor de Direito, na Universidade Hebraica de Jerusalém.

    http://www.haaretz.com/print-edition/opinion/for-sale-great-location-1.275385

     
  21. Jose Mario HRP

    setembro 21, 2011 at 9:44 am

    Bom queiram ou não aquelas gente sofrida da palestina vai ter uma terra.
    Podem chorar os mesmos chorões insensiveis de sempre.

    Não me preocupo em odiar, mas em sonhar com o bem e a felicidade.
    O Mal dos dois lados um dia caba e como essa outra ralé chega ao fim virando do “bem”!
    Vem aí a “tomada da Rocinha”……..

    Um pouco de esculacho nessa turma de baixo, que os de cima também vão tremer.

     
  22. BRANCALEONE

    setembro 21, 2011 at 8:39 am

    A década de 30 ainda não acabou…
    Tropas nazistas ainda vagam pelo mundo à cata de judeus. Ainda se ouve e se lè que “os judeus são o mal do mundo” e que os crimes praticados por Israel são financiados por judeus milionários do undo, em especial de Wall Street.
    É cômodo se ter um único culpado. É pratico, simplifica o discurso e facilita a solução. Basta eliminar este único motivo e pronto, o mundo torna-se um lugar lindo, rico, perfumado e pacífico.
    A questão palestina vai muito alem de Israel. Todos os vizinhos da palestina querem mesmo ´ter todo aquele sofrido povo para sí e não é para propiciar-lhes bem estar. De fato todas as nações árabes consideram os palestinos “um saco”, uma massa de pessoas que vai precisar de casa, comida e trabalho e enquanto estas nações árabes puderem atribuir a Israel todas as culpas pelos males palestinos, melhor para eles e ruim, muito ruim para os palestinos.
    É claro que a instalação de um estado judeu na região complicou tudo e é sim a causa de certos sofrimentos aos palestinos mas não vamos exagerar.
    É claro que não se pode simplesmente “varrer os judeus de lá” já que ninguem aqui tem a menor idéia de onde colocá-los ( bom, sei que alguns aqui sugerem câmaras de gás…)
    Os judeus podem ter milhares de defeitos mas é inegável que são um povo raçudo, fiel a sí mesmos e unidos. Passaram milênios sendo escorraçados, caçados, mortos e culpados por todos os azares da humanidade, da peste negra a unhas encravadas e no entanto estão aí, fortes o suficiente para ainda continuarem provocando preconceitos raciais!!!

    Tirem os judeus da Palestina e guerra civil começa no dia seguinte. Sem Israel para “pagar o pato”, os palestinos vão culpar a sí mesmos pelo que acontece por lá.

     
    • Jesus era Comunista

      setembro 21, 2011 at 9:31 am

      Brancaleone

      O que eu escrevi é nos dito por JUDEUS como Noam Chomsky, Ury Avnery, Cecile Jurasky, os Natrei Karta e dezenas de outro que são judeus.

      O argumento de que “tropas nazistas ainda vagam pelo mundo à cata de judeus” é verdadeiro sim. Infelizmente existem mais loucos e dementes no mundo, do que gostaríamos.

      Mas este argumento, usado para responder que WALL STREET e lucro fácil, não tenha nada a ver com a invasão da palestina é muito pobre, repetitivo, irreal, mentiroso. E faltou um mais impactante que você esqueceu: O HOLOCAUSTO, mas talvez você não achasse necessário, basta esse, ou está sem tempo correndo atrás do ouro.

      Acho que no mínimo é insultante você dizer: “( bom, sei que alguns aqui sugerem câmaras de gás…)”, isso mostra o mínimo de sociabilidade que você possui e respeito ao próximo.

      Mas aos tolos eu dou meu entendimento.

      Mas mudando o rumo da conversa, põe o padre teu amigo para falar aqui com o Jesus era Comunista, ele ia poder talvez defender a Igreja Católica Apostólica Romana, seria muito legal..

      Ou ele não pode saber o lado negro da sua vida, de usuário do blog?

       
      • BRANCALEONE

        setembro 22, 2011 at 9:22 am

        Não tenho lado negro.
        Só tenho o lado cinza que mistura o branco e o negro.
        E a proposito de meus comentarios sobre judeus e palestinos, sabes muito bem que usei de hipérboles. Óbvio que ninguem aqui é nazista mas sinto que permanece um ranço racista.
        E a respeito do que diz a besta do Chomsky e outros, gostaria que ele vivessem uns tempos na fronteira Israel-Palestina. É fácil ser contra os judeus mas morando em NY.

         
  23. Jesus era Comunista

    setembro 21, 2011 at 8:02 am

    só quero

    Tenho me calado nas agressões que aqui fazem a você. Mas não concordo com elas e a partir de agora serei solidário a você sempre. Se eu por acaso ler alguma vou comentar também.

    Aqui a tribuna é livre, você tem todo direito de falar bem ou mal de quem quiser ou sobre qualquer coisa.

    Agora, que a turma tem uma educação machista, infelizmente tem.

    Releve, as palavras são armas fortes que podem se virar contra nós mesmos, então, seja mais você, que eu acho que é. Não dê mole nem desista, pau nestes machistas.

     
    • só quero vê no que vai dá!

      setembro 21, 2011 at 11:51 am

      Caro Jesus,
      resposta a vc no post anterior!! Abs. 😛

       
  24. Jesus era Comunista

    setembro 21, 2011 at 6:57 am

    A companheira Tzipi Livni está muito longe da verdade.

    “Eles [os EUA] não entendem a teimosia sobre os assentamentos, eles não acreditam no primeiro-ministro de Israel quando ele diz ‘dois Estados’ mas não faz nada para isso”.

    Quem é os Estados Unidos?

    A classe dominante dos Estados Unidos.

    E quem é aclasse dominante dos Estados Unidos, quem tem o poder nos Estados Unidos?

    WALL STREET

    Quem tem mais poder em WALL STREET?

    Os Judeus que colocam o dinheiro acima de tudo, inclusive do próprio povo de Israel.

    Usam o artifício do direito de dar a Terra Prometida para os os judeus assentados em terra Palestina, para eles servirem de bucha de canhão e poderem realizar lucros enormes em seus luxuosos empreendimentos imobiliários, nas terras adquiridas a peso do sangue Palestino, que é de graça ou quase de graça, o preço de uma bala de fuzil.

     

Obrigado pelo seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: