RSS

O fim ou tudo de novo MIRIAM LEITÃO

07 out
O GLOBO – 06/10/11

O fim do capitalismo foi previsto em estudos – e desejado em tantos textos ideológicos -, continua sem data para acontecer, mas o tamanho da encrenca em que ele entrou agora é de grandes proporções. Ontem, os ministros das Finanças da Europa admitiram que precisam recapitalizar os bancos com medidas fortes. Nas ruas, os protestos aumentam.

Para onde se olhe há fios desencapados na ordem econômica mundial. Os bancos com suas ações em queda livre e alvo de desconfiança de investidores e até deles mesmos representam um dos problemas. A ideia agora é: os governos europeus agirem de maneira mais decidida para provar que os bancos que compraram suas dívidas não vão quebrar por isso. O Dexia tem 15 bilhões de euros da dívida italiana que foi rebaixada esta semana. Tem outros 3,5 bilhões de euros de dívida grega. Operava intensamente no que eles chamam de mercado de dívida soberana e subsoberana – de outras entidades estatais e públicas – e pediu socorro. Está sendo resgatado. Ele está longe de ser o único. Há inúmeros bancos alemães, franceses, belgas com bilhões de dívida dos governos da periferia da Europa, ou de países centrais encrencados.

Mas o que os ministros das Finanças da Europa admitiram em reunião é que mais precisa ser feito e de forma mais convincente. É preciso agir de forma coordenada. Foi o que alguns disseram após um encontro em Luxemburgo. A Alemanha – sempre ela – pensa em pôr de novo em atividade o mecanismo de salvamento dos bancos que foi usado em 2008. O ministro George Osborne, da Inglaterra, tão mão fechada em todos os gastos, também disse que: “está claro agora que o sistema monetário europeu precisa ser fortalecido e necessita mais capital.”

O difícil é como contar isso para o contribuinte que sofreu inúmeros cortes em seus serviços e benefícios nos últimos anos de crise e está diante de economias que oferecem cada vez menos empregos. Os protestos de Wall Street têm se intensificado dando uma aparência de rebelião norte-africana ao país que mais apoiou com belas frases, votos na ONU e atos os rebeldes dos países árabes.

A grande encrenca é que uma quebra em dominó de bancos produzirá uma crise mundial de proporções inimagináveis. Veja o que a quebra do Lehman Brothers fez ao mundo, que desde então patina. Afinal, a crise de 2011 é apenas a recidiva da crise de 2008. É o W desenhando sua segunda queda.

Os bancos não podem ser salvos da mesma forma que foram, por vários motivos. Primeiro é que na queda precipitada pela quebra do Lehman o que se viu é que a falta de regulação e supervisão estava na origem das estranhas criaturas financeiras que os levaram ao precipício. Segundo, que os governos gastaram muito, endividaram-se demais para socorrê-los e o mundo entrou no círculo vicioso de dívida soberana e bancos frágeis do qual ainda não saiu. Hoje os governos têm menos capacidade de ampliar a munição de gastos para o resgate.

Terceiro, porque logo depois de socorridos com dinheiro público, benesses, expansão monetária, os bancos voltaram a pagar milionários bônus aos mesmos executivos e dividendos aos maiores acionistas. Para qualquer pessoa que vai para as ruas protestar – ou não – parece um acinte que quem escolheu estar no negócio bancário lucre na abundância e na crise, eternamente sem punição.

Ninguém ganha com uma crise bancária e ela atinge o cidadão que protesta nas ruas mais do que ele mesmo imagina. Mas não necessariamente isso significa salvar banqueiros e executivos e deixá-los serem regiamente pagos por administrar as instituições financeiras da mesma forma de sempre, expondo o mundo a riscos dos quais serão resgatados.

Depois de uma crise que se desdobra em ondas de aflições desde 2008 está na hora de as autoridades mundiais pensarem no fim do capitalismo como nós o conhecemos. Há muito a ser feito para melhorar a regulação, fiscalização para a prevenção de crises. Basta ver o resultado dos testes de estresse a que foram submetidos os bancos europeus. Eles passaram. O Dexia, também, e está com problemas três meses depois. No mínimo os testes têm de ser revistos. Isso sem falar nas agências com suas notas doidas e deplorável atuação. Não precisa estar em Wall Street protestando para saber que há algo de podre nas relações promíscuas entre agências, bancos, fiscalizadores e reguladores e que no final das contas todos serão salvos porque uma crise bancária mundial é um armagedon que todos vão querer evitar.

Todos disseram frases fortes ao fim da reunião de ministros das Finanças da Europa, em Luxemburgo. O comissário econômico da Europa, Olli Rehn, disse que há um senso de urgência entre os ministros e a convicção de que é preciso ir em frente. O ministro alemão Wolfgang Schauble disse que a maior preocupação que eles demonstraram na reunião é que a crise atual escale e se torne uma crise bancária disseminada. Diante do cenário de fim de mundo eles vão agir. Mas a dúvida é: o mundo ficará à espera da próxima crise em que a mesma ameaça terminal será usada para justificar qualquer medida ou desta vez será o resgate para acabar com todos os resgates? (Com Álvaro Gribel.)

Fonte:

http://arquivoetc.blogspot.com/2011/10/o-fim-ou-tudo-de-novo-miriam-leitao.html

 
9 Comentários

Publicado por em outubro 7, 2011 em Uncategorized

 

9 Respostas para “O fim ou tudo de novo MIRIAM LEITÃO

  1. Proftel

    outubro 7, 2011 at 6:26 pm

    “Com quantos páus se faz uma “Barbie” “:

    “Pressionada por Greenpeace, fabricante da Barbie anuncia ações contra destruição ambiental
    Companhia norte-americana Mattel, maior indústria de brinquedos do mundo, anunciou medidas para eliminar fornecedores envolvidos com casos de destruição do meio ambiente na floresta tropical da Indonésia. ONG diz que Disney e Lego estão envolvidas no problema. Produtos também são vendidos no Brasil.

    Marcel Gomes

    SÃO PAULO – Quatro meses após as denúncias do Greenpeace, a norte-americana Mattel, maior indústria de brinquedos do mundo, anunciou nesta semana medidas para eliminar fornecedores envolvidos com casos de destruição do meio ambiente. Em junho, um estudo do Greenpeace revelou que a companhia, fabricante das famosas bonecas Barbie, usava em seus produtos papel produzido pela Asia Pulp and Paper (APP), companhia acusada de destruir a floresta tropical e áreas onde vivem os ameaçados tigres da sumatra, na Indonésia.”

    Fonte:

    http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=18647

    hehe.

    Quase fiz um post com isso kkkkk.

    :-)))))

     
  2. Jesus era Comunista

    outubro 7, 2011 at 12:38 pm

    O problema não é o capitalismo. O problema é o HOMEM.

    O capitalismo apenas permite que se tenha a posse de bens. Esta é a essência do capitalismo.

    Acontece que vieram junto com o capitalismo as teorias de fulano, sicrano, etc.

    Veio a exploração do trabalho. A última coisa que os empresários querem é remunerar bem os trabalhadores, afinal salário é custo na visão obtusa e mesquinha do HOMEM. Só que salário é o MERCADO.

    Tudo se faz em função e para o HOMEM. Corte o salário que estarás cortando, amputando o mercado.

    Os USA inventaram o AMWAY, ou melhor, o ter desenfreado a qualquer custo.

    Esta crise não é do CAPITALISMO, é de uma desvirtualização do AMWAY, feita pelo HOMEM.
    O AMWAY é o uso do CAPITALISMO na obsessão do ter. TRABALHE – COMPRE – MUIIIIIIITTTTTTO.

    A teoria do AMWAY é simples – Ganhe dinheiro, trabalhe que não se acabe – e gaste, gaste muito, tenha, tenha muito – assim fazendo o outro que faz o mesmo vai acabar te dando dinheiro ao comprar o que você produz e você ao gastar vai acabar dando dinheiro para ele. E quanto mais você gastar e o outro também, mais ricos ficarão os dois.

    Só que a matemática, o 1+1 = 2 não é respeitada.

    Algo só tem valor se ele existe.

    A crise imobiliária dos USA, ou melhor o trambique imobiliário dos USA, vulgarmente chamada de bolha imobiliária, foi trambique mesmo. Venderam para quem não podia comprar. E olha, venderam muito mesmo, foi um trambicaço, vulgarmente chamado de bolha.

    Quem ficou com o prejuízo, quem fez o trambique? O Obama tentou dizer que os caras que fizeram a “bolha” não poderiam receber os dividendos e participações nas vendas que fizeram irregularmente, pergunta se eles receberam?

    Pois é, este blá blá blá todo da imprensa nada mais é do que o ruído das galinhas ao saberem que tem uma raposa no galinheiro.

    Não vi ninguém perguntar onde foi parar o dinheiro que a Grécia usou mal ou jogou fora ou foi parar nos bancos da Suíça. Apenas ficam querendo passar mertiolate no câncer, arranjando um meio de resolver o problema ou melhor dizendo, achar um meio de socializar o prejuízo.

    E isso não é um problema do Capitalismo – é do HOMEM.

    Porque o HOMEM é que faz estes desatinos, vulgarmente chamados de bolhas, de capital mal empregado, de déficit público e outras coisas que vemos aí nos artigos.

     
  3. Patriarca da Paciência

    outubro 7, 2011 at 11:41 am

    Pois é, mais uma vez o Lula está certo – a solução para a crise está na política.

    Não faz uma semana que o Lula falou isto e a Europa já está seguindo o conselho.

    Os direitobas do Brasil, incluso a Miriam Leitão, vão enlouquecer ou dar o braço a torcer!

     
    • Jose Mario HRP

      outubro 7, 2011 at 12:11 pm

      Na verdade os braços dessa turma já foi tão torcido que já estão na tipóia faz tempo.
      Grandes negociações finanço/militares na Turquia.
      Caças, aviões de carga e outros itens são objeto de conversações entre Dilma e Edorgan.

       
    • Proftel

      outubro 7, 2011 at 6:20 pm

      Patriarca da Paciência:

      Você já deve ter reparado que ora insiro um post de esquerda outra ora de direita, por vezes até coisas sem muito nexo, faz parte.

      Leio muitos artigos na Rede, não gosto da autora do texto desse post mas achei interessante e mandei ver.

      Não vou muito por quem escreve, se o conteudo se me parecer interessante para compartilhar aqui na Confraria eu mando ver.

      Bração aí.

      🙂

       
      • Jesus era Comunista

        outubro 7, 2011 at 6:27 pm

        Proftel

        Grande post amigo.

        Bração

         
      • Patriarca da Paciência

        outubro 7, 2011 at 8:57 pm

        Eu também achei um bom post, Proftel.

         
        • Proftel

          outubro 8, 2011 at 1:54 am

          Patriarca & Fred:

          Brigadão !

          🙂

           
  4. Proftel

    outubro 7, 2011 at 9:26 am

    Até o Obama numa entrevista andou falando sobre esse movimento….

    🙂

     

Obrigado pelo seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: