RSS

Israel não atacará o Irã, não mesmo:

20 nov

Por Uri Avnery* | Tradução: Vila Vudu

Todos conhecem a cena dos tempos de escola: o menino baixinho briga com o menino muito maior e grita para os companheiros: “Me segurem! Me segurem… Ou eu quebro a cara dele!”

O governo de Israel está fazendo exatamente isso. Todos os dias, em todos os canais de televisão, algum figurão do governo israelense grita que, agora sim, agora sim, Israel vai quebrar a cara do Irã. O Irã está próximo de produzir a bomba nuclear. Israel não pode permitir. Então… Israel vai detonar o Irã, reduzir o Irã a cacos.

O primeiro-ministro Binyamin Netanyahu repete isso em todos os seus incontáveis discursos, inclusive no discurso de abertura da sessão de inverno do Parlamento israelense. Ehud Barak, ministro da Defesa, também. Todos os comentaristas falam do assunto. E a imprensa amplifica o som e a fúria. Mas o jornal Haaretz publicou na primeira página uma grande foto dos sete ministros mais importantes de Israel — o “septeto da segurança”: três a favor do ataque, quatro contra.

Há um ditado alemão que diz: “Revolução muito alardeada não quer acontecer”. Vale também para guerras. Artefatos nucleares vivem sob estrito controle militar. Muito, muito estrito. Recentemente, o controlador militar das bombas atômicas israelenses apareceu sorrindo, deixando a coisa andar. Os meninos — o primeiro-ministro e o ministro da Defesa de Israel, exatamente os dois patrões do controlador militar das bombas israelenses — estão só brincando de atacar o Irã.

O respeitado ex-chefe, por muitos anos, do Mossad, Meir Dagan, falou publicamente contra qualquer ideia de Israel atacar o Irã. “Nunca ouvi ideia mais estúpida em toda a minha vida”, disse. Explicou que entende como seu dever alertar Israel contra a ideia de atacar o Irã… desde que ouviu falar dos planos de Netanyahu e Barak.

Na quarta-feira, Israel enfrentou um tsunami de “notícias vazadas”: Israel testara um míssil capaz de transportar uma bomba atômica e “entregá-la” a mais de 5 mil km de distância, adiante, até, daquele país… vocês sabem qual. E a Força Aérea de Israel acabara de encerrar manobras na Sardenha, distância de voo maior, até, da que nos separa daquele país… aquele, vocês sabem qual. E na quinta-feira, o Comando Doméstico fez exercícios por toda a cidade e arredores, na Grande Telavive, com sirenes berrando por todos os lados.

São movimentos que sugerem fortemente que tudo não passa de encenação. Talvez para assustar os iranianos. Talvez para empurrar os EUA a tomar ações mais extremas. Talvez, sim, toda a encenação tenha sido previamente combinada com os EUA. (Vazamentos britânicos também diziam que a Marinha Real britânica está em treinamento, preparando-se para apoiar um ataque dos EUA ao Irã.)

Vez ou outra, Israel usa a tática de agir como se os israelenses fôssemos doidos de hospício (“O dono da banca enlouqueceu” — como se ouve pelos mercados e feiras, sobre preços baixos demais). Israel cansou de ouvir conselhos dos EUA. O que temos de fazer é bombardear, bombardear, bombardear, bombardear.

Calma. Falemos sério, por favor. Israel não atacará o Irã. É isso. Ponto final.

Muitos dirão que me arrisco demais. Não seria melhor acrescentar “provavelmente”, ou “quase com certeza”? Não. Não acrescento coisa alguma. Repito e repito: Israel não atacará o Irã.

Depois da aventura de 1956 em Suez — que acabou por ordem do presidente Dwight D. Eisenhower — Israel nunca mais se envolveu em nenhum tipo de operação militar importante, sem a expressa autorização dos EUA. Os EUA são hoje o mais confiável apoiador com que Israel ainda conta (além das ilhas Fiji, da Micronesia, das ilhas Marshall e de Palau). Destruir essas relações será como cortar a mangueira de ar do escafandro. Para chegar a esse ponto, é preciso ser mais do que meio maluco: é preciso ser doido furioso.

Além do mais, Israel não pode entrar em guerras sem o apoio dos EUA, porque todas as bombas e todos os aviões de Israel vêm dos EUA. Em guerra, é preciso receber suprimentos, peças de reposição, todos os tipos de materiais. Durante a guerra do Yom Kippur, Henry Kissinger manteve uma linha de suprimentos, por avião, que operava 24 horas por dia. E a guerra do Yom Kippur foi piquenique comparada com o que seria uma guerra contra o Irã.

Examinemos o mapa — providência que se recomenda sempre, antes de guerras.

A primeira coisa que chama a atenção é o muito estreito Estreito de Ormuz, por onde passa 1/3 de todo o suprimento de petróleo transportado por petroleiros, para todo o mundo. Passa por aquela garganta praticamente todo o petróleo produzido na Arábia Saudita, Estados do Golfo, Iraque e Irã.

De ponta a ponta, o estreito mede cerca de 35 km. É a mesma distância de Gaza a Beer Sheva que, semana passada, os rojões de fabricação caseira da Jihad Islâmica cruzaram sem problema algum. No instante em que o primeiro avião israelense entrar no espaço aéreo do Irã, o estreito será fechado. A Marinha do Irã tem mísseis em navios, no mar. Mas nem serão necessários. Para fechar Ormuz, bastam os mísseis em terra.

O mundo já está balançando à beira do abismo. A pequena Grécia oscila, ameaçando cair e levar com ela grossas fatias da economia mundial. Ormuz fechado, e cortado o suprimento de quase 1/5 de todo o petróleo que as nações industriais do planeta consomem, é catástrofe difícil de imaginar.

Para reabrir o estreito à força, seria necessária grande operação militar (com muitos coturnos no solo, inclusive), maior que todas as dificuldades que os EUA enfrentam hoje no Iraque e no Afeganistão. Os EUA têm dinheiro para tudo isso? Ou a OTAN? Israel não compete nessa liga “de cima”. Mas, mesmo assim, estará terrivelmente envolvido na ação, no mínimo, na condição de alvo.

Em manifestação de unidade que só se vê muito raramente, todos os chefes dos serviços secretos israelenses, inclusive os principais diretores do Mossad e do Shin Bet, já se manifestaram publicamente, todos contrários à ideia de atacar o Irã. É fácil entender por quê.

Não sei, sequer, se a operação seria possível. O Irã é país de grande território, quase do tamanho do Alasca; as instalações nucleares estão dispersas por todo o território e, muitas delas, são subterrâneas. Ainda que se usassem bombas de penetração profunda, que explodem sob o chão, fornecidas pelos EUA, toda essa gigantesca operação só conseguiria conter os esforços iranianos por alguns poucos meses. Israel pagaria preço altíssimo, por resultados magros.

Claro também que, se a guerra começar por ação de Israel, imediatamente choverão mísseis sobre Israel — não só do Irã, mas também do Hezbollah e, talvez, também do Hamás. As cidades israelenses não são adequadamente defendidas contra ataques dessa magnitude. Morreriam muitos israelenses. As mortes e a destruição em solo israelense tornam totalmente proibitivo qualquer movimento de guerra contra o Irã.

Repentinamente, a mídia israelense só fala dos três submarinos israelenses, que logo serão cinco, talvez seis, se os alemães forem compreensivos e generosos. Os jornais dizem, abertamente, que esses submarinos garantem a Israel a possibilidade de “um segundo ataque nuclear” (?!), caso o Irã use ogivas nucleares (que o Irã não tem!) contra Israel. Mas o Irã pode usar armas químicas, claro, dentre outras armas de destruição em massa.

E há também o preço político. O mundo islâmico fervilha. O Irã não é exatamente muito popular em parte do mundo islâmico. Mas, se Israel atacar o Irã, o ataque contra um dos principais países do mundo muçulmano unirá instantaneamente sunitas e xiitas, do Egito e Turquia ao Paquistão e mais. Israel estaria correndo o risco de converter-se em mansão de luxo, numa selva em fogo.

O fato é que toda essa conversa sobre guerra ao Irã, em Israel, serve a vários objetivos políticos, da política interna de Israel. Sábado passado, os movimentos sociais de protesto voltaram às ruas. Depois de pausa de dois meses, grande número de manifestantes reuniram-se em Telavive, na Praça Rabin. Foi caso excepcional porque, no mesmo dia, vários rojões do Hamás estavam sendo disparados contra cidades próximas da Faixa de Gaza. Até agora, em situação semelhante, as manifestações sempre foram canceladas. Os problemas de segurança sempre foram vistos como maiores que quaisquer outros. Dessa vez, não. E as ruas encheram-se de manifestantes e protestos.

Havia também quem acreditasse que a euforia do festival Gilad Shalit teria apagado da opinião pública israelense a ideia de protestar contra o governo de Netanyahu. Não apagou. Outro fenômeno curiosíssimo: a mídia, depois de vários meses aliada aos manifestantes que enchiam as ruas, acaba de mudar de lado. Repentinamente, todos os jornais, inclusive oHaaretz, opõem-se às manifestações populares. Como que obedecendo a uma só voz, todos os jornais de Israel escreveram, na manhã seguinte aos protestos, que lá se reuniram “mais de 20 mil” pessoas. Bem. Estive lá e tenho alguma experiência com essas coisas. Havia naquela praça, no mínimo, 100 mil pessoas, a maioria, jovens. Mal se conseguia andar.

Os protestos tampouco acabaram, como dizem os jornais. Longe disso. Mas… que ideia melhor, para fazer calar os que clamam por justiça social, do que pôr-se a falar sobre a “ameaça existencial”?

Além do mais, para fazer as reformas que a sociedade exige, é preciso dinheiro. Ante a crise das finanças mundiais, o governo luta para reduzir o déficit do orçamento, temeroso de pôr em risco a posição de Israel no ranking dos países confiáveis para investimento externo. Assim sendo… de onde sairia o dinheiro para as tais reformas? Só há três fontes plausíveis: das colônias exclusivas para judeus nos territórios palestinos ocupados (mas… que Estado judeu atrever-se-ia a pedir dinheiro aos colonos?); os judeus israelenses ortodoxos (idem); e o gigantesco orçamento militar.

Criada a possibilidade de guerra contra o Irã, a guerra mais crucial da história de Israel, quem sugeriria que se tocasse no sacrossanto orçamento militar? O país precisa de cada shekel para comprar mais aviões, mais bombas, mais submarinos. Escolas e hospitais, é claro, que esperem.

Por isso, do ponto de vista de Netanyahu, Mahmoud Ahmadinejad é a salvação. Onde estaria Netanyahu, hoje, se não houvesse Ahmadinejad?

(*) Uri Avnery, escritor e jornalista, é fundador do movimento pacifista israelense Gush Shalom (Coalizão da Paz)

Fonte:

http://www.outraspalavras.net/2011/11/04/israel-nao-atacara-o-ira/

 
29 Comentários

Publicado por em novembro 20, 2011 em Uncategorized

 

29 Respostas para “Israel não atacará o Irã, não mesmo:

  1. surfando na jaca

    novembro 22, 2011 at 5:02 pm

    Vejam como funciona o blog do Firula. Escrevi três comentários que foram censurados. Mas o Firula, como é burro por natureza, deu a rata de me responder num clone qualquer. Só ele sabia que eu havia escrito. Ou seja, o próprio Firula participa do blog clonando nicks e inventando outros. Caboclo vendido e ridículo.

     
    • Proftel

      novembro 23, 2011 at 6:40 pm

      Surf:

      O estilo dos que “clonam” é muito próprio até nos cacoetes.

      Sempre digo e repito: “As teclas são como os olhos, janelas d’alma”.

      Por mais que o cara tente disfarçar, é como tentar falsificar uma assinatura, algum traço do autor sempre fica, nunca uma falsificação é perfeita assim como não há dois “dna” ou impressões digitais exatamente iguais (alguns poderão contestar mas, já respondo: nem todos os gêmeos tem as mesmas doenças muito menos sofrem os mesmos acidentes).

      Muito escroto isso que rola lá naquele pedaço, faz tempo que também desconfio desses procedimentos.

      🙂

       
  2. surfando na jaca

    novembro 22, 2011 at 10:52 am

    Prezados, creio que essa ação não é uma coisa impossível, pois já foi planejada no final do governo Bush. A questão é que ela precisa da aprovação dos EUA já que desatará o maior conflito já visto no Oriente Médio. Não é à toa que o governo iraniano avança na defesa nuclear de seu país. Nós sabemos que Israel também conta com esses artefatos. Um Irã nuclear é uma ameaça ao expansionismo israelita nesse contexto geopolítico. Só que Israel, dessa vez, terá que tolerar uma vizinhança com poder de destruição semelhante. Será o fim da hegemonia ianque incontestável no Oriente Médio através de seu braço armado, Israel.

     
  3. Patriarca da Paciência

    novembro 22, 2011 at 9:07 am

    Eu concordo totalmente com o Uri Avnery – o governo de Israel é fascista, é aloprado, mas não é louco.

    Está só jogando verde para colher maduro.

    A surra que o governo maluco do Iraque, apoiado pelo governo norte-americano, tomou do Irã, ainda está bem viva na memória israelense e norte-americana.

    Eles não vão se arriscar mesmo!

     
    • HRP LOVE AND MUSIC

      novembro 22, 2011 at 9:52 am

      A guerra quimica perpetrada pelo Iraque naquele conflito até hoje marca com cicatrizes várias pessoas.
      U milhão de almas se foram naquela sandice.
      E aposto que tanto a China como Russia vão fazer de tudo antes de qualquer ação militar na região.
      Mas o Brasil se amiuda no caso agora e votou a favor de novas sanções!
      Para mim Dilma pisou, mas……

       
    • Proftel

      novembro 23, 2011 at 6:41 pm

      Patriarca da Paciência:

      O pior é que prá botar a coisa pra funcionar precisa de grana e influência política de quem tem.

      No Post acima algo pode esclarecer, dê uma olhada.

      🙂

       
  4. HRP LOVE AND MUSIC

    novembro 22, 2011 at 7:19 am

     
  5. Brancaleone, Broncão para os chegados...

    novembro 21, 2011 at 11:21 pm

    E uma coisinha preocupante…
    Os EUA estão numa pindaiba danada…
    Em caso de guerra de Israel contra quem quer que seja, eles vão comprar todo o tipo de bugigangas que servem para matar nossos semelhantes e vão comprar de quem??? de quem???
    Do Tio Sam!!!

    Pois é. Agora preocupei…

     
  6. Brancaleone, Broncão para os chegados...

    novembro 21, 2011 at 11:05 pm

    Uma boa causa justifica uma guerra mas uma boa guerra justifica qualquer causa…

    Não se preocupem. Se Israel REALMENTE sentir-se ameaçado, vai dar o primeiro tapa – e os tapas deles costumam fazer estragos com já demonstraram vária vêzes.

    E não me venham com aquele papinho de que Israel é o mal e todos os seus vizinhos são bonzinhos (quem bem sabe disso é o povo sírio…) Naqueles lados não tem gente “boazinha” nem “malvada” mas sim povos tentando manterem-se vivos.

    Se bem que eu ainda mantenho a idéia de vender a Amazônia pros israelenses. No máximo iriam se incomodar com o Cháves ( o palhaço venezuelano, não o do SBT). Acho que os judeus fariam um uso bem melhor daquele matagal todo e quem sabe se o indios começarem a ser abatidos como palestinos a gente se importe mais com eles.

     
  7. surfando na jaca

    novembro 21, 2011 at 3:54 pm

    KKKKKK. Esse FDA é insistente.

     
  8. Robertão

    novembro 21, 2011 at 3:14 pm

    acho que o único pensador que deveria ser utopicamente citado neste pedaço seria o Thomas Moore.

     
  9. Robertão

    novembro 21, 2011 at 11:36 am

    longe de mim ser homofóbico, mas acho que o FDA aboiolou de vez…

     
  10. Patriarca da Paciência

    novembro 21, 2011 at 10:04 am

    “Uri Avnery, em hebraico: אורי אבנרי, também translit. Uri Avneri (Beckum, Alemanha, 10 de setembro de 1923), nascido Helmut Ostermann, é um jornalista israelense de esquerda [1] pacifista e antigo membro da Knesset(1965-1974 e 1979-1981), que, durante a juventude foi membro do movimento de direita denominado sionismo revisionista e da organização paramilitar Irgun.”

    Interessantíssimo esse aspecto da vida de Uri Avnery, qual seja, um militante de direita que tornou-se um militante de esquerda.

    Uma evolução e tanto.

    Um homem realmente respeitável.

     
  11. HRP LOVE AND MUSIC

    novembro 21, 2011 at 9:48 am

    Quer saber?
    Eu estou cansado com essa coisa de guerra.
    É tão enfadonho, despropositado que me vem uma vontade de rir quando ouço falar de americanos e seus funerais militares patéticos e as histórias do que passam jovens israelitas servindo as forças armadas!
    São tão ridiculos nos seus cultos a guerra que CANSA!

    O gentinha atrasada!

     
  12. Patriarca da Paciência

    novembro 21, 2011 at 9:08 am

    Proftel,

    Uri Avnery, segundo o Fred, é judeu.

    Um judeu que honra Spinoza, Marx. Einstein, Freud e tantos outros grandes judeus.

    É claro que ele não está no mesmo nível que esses grandes gênios.

    Mas tem um pensamento lúcido, democrático, equilibrado e bem humarodo – todas as boas qualidades dos bons escritores.

    Excelente texto.

     
    • HRP LOVE AND MUSIC

      novembro 21, 2011 at 9:42 am

      É um ser humano iluminado, que procura a união dos homens e povos, para o espiritismo antes da inteligencia precisamos cultivar moralidade , amor e solidariedade em nosso interior.
      Nisso talvez essa pessoa supere a bilhões hoje vivo como nós.
      A vcelha frase “só o amor constrói” é o lance que nunca vai sair de moda!
      Bom dia aos cavalheiros!

       
      • Proftel

        novembro 23, 2011 at 6:45 pm

        HRP & Patriarca da Paciência:

        Grato!

        Ultimamente, sozinho, tenho procurado assuntos que nos dêem uma visão geral do que está acontecendo.

        Juro prôceis que não é fácil.

        Guerra é uma coisa horrível (ainda mais pra quem tem entes impúberes sob tutela).

        🙂

         
  13. Patriarca da Paciência

    novembro 21, 2011 at 9:02 am

    E mais uma coisinha FDA,

    você subiu um pouco no meu conceito por não ser tão fujão quanto ao Fred Fujão.

     
  14. Patriarca da Paciência

    novembro 21, 2011 at 8:53 am

    FDA,

    você esquerceu a minha melhor:

    “O FDA me parece aqueles caras gordos, de cara balofa, com glicemia e colesterol lá nas alturas e que, ainda assim, fica a se empanturrar de gorduras e doces e depois,… dá-lhes remédios para “queimar” glicose e baixar colesterol.

    Surf,

    acho que nem o Pai Angola dá jeito no FDA.”

    E, me irrritar contigo é algo que nunca vai acontecer.

    Tua arrogância apenas me diverte.

     
  15. FDA

    novembro 21, 2011 at 4:30 am

    Qua qua ra quaquaka, quem ri !

    « Homo homini lupus » diz Plauto na sua “Comedia dos burros”. Hobbes no “De Cive” retoma a mesma formulação e sem nenhum espirito critico reafirma que “o homem é um lobo para o homem”!

    Não, decididamente o dramaturgo e o filosofo não foram nada gentil com o lobo…

    Digo isso por que “Hic propter malorum pravitatem”, de fato, os lobos não conhecer nem “perversidade”, muito menos “maldade”, pior ainda “enganação”..

    So a cachorrada “Homen” conhece osso podre (comentário), ai sim, a matilha se agita como cachorros pugentos:

    Uns latem que o FDA é de um “Amargor sem par”, qua qua ra quaqua…

    A questão é então de saber por que o “Patriarca perde seu tempo” com o FDA..Visto que o cachorro não tem o dom da linguagem, o vira lata Patriarca vai continuar latindo e o FDA passa…

    Vai continua a se “irritar” com “tipos vazios e arrogantes, tipo FDA”, com “Brasileiros que dizem detestar o Brasil”, qua qua ra quaquaquaaaaaaaaaaaaaaaa

    Um conselho: para cachorro irritado melhor coisa é usar talco contra pugas…

    Um tal de Robertão late querendo que “pai angola baixasse na frança!!!”

    kakakakakka ora pois, esse cachorro não entendeu nada… se um filho do pai angola cai em transe na França a gente chama a carrocinha dos “Pompier”, “Police Secours” ou SAMU…

    Como digo sempre: não ha nada pior que cachorrinho vira lata sem conteudo..

    Um outro late: o “FDA é um metido, um provocador nato”…

    “E para onde vai sempre com tanta vontade????

    Ora, ora, seu vira latinha vou tomar “champanhe” comer “trufas e caviar”..

    Coisas que essa cachorrada toda não tem acesso..

    quaquararaquar

     
    • HRP LOVE AND MUSIC

      novembro 21, 2011 at 8:03 am

      PÔ FDA, rasgou a fantasia, jogou as “havaianas” pro alto e soltou a franga?
      Tá voce escreve bem, é “letrado”, mas “menas” na arrogancia cara!
      Ninguém te odeia aqui, e brincadeira é para não levar em consideração!
      Voce leva tudo a ferro e fogo!
      Vai ver essa pressão arterial!

       
  16. Proftel

    novembro 20, 2011 at 7:31 pm

    De qualquer forma, meu sexto sentido diz que a coisa está feia pacas, infelizmente.

    :=/

     
  17. Proftel

    novembro 20, 2011 at 2:42 pm

    Interessante, principalmente pelo “3D”:

    🙂

     
  18. Proftel

    novembro 20, 2011 at 1:37 pm

    Tomara que o cara esteja certo, foi o único artigo que li até agora falando sobre uma não agressão.

    Creio que todos aqui conhecem o Uri Avnery, um cara de bom senso, minha dúvida é se há esse bom senso na cabeça do Netanyahu.

    🙂

     

Obrigado pelo seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: