RSS

Open do FDA:

02 dez

Tudo começou no blog do Firula no Nominimo, antes de migrarmos para o Doriana derretida.

O HRP usava o nick Jose Mario e o Firula de sacanagem (naquela época ele respondia na caixa de comentários) criou o bolivariano Joseph (gozação com Joseph Stálin) Mario.

E o Romeu criou o HRP.

Depois, o Joseph Mario se tornou um personagem que o Firula usava para curtir com o Pedroca Doriana.

Já o FDA está cada vez mais gagá.

Queria que o Pedroca se tornasse figura capaz de carregar a tradição doriana dos aborígines nordestinos que comeram o bispo Sardinha e criaram uma linhagem de grande importância na história mundial.

O coitado do Pedroca se esforçou para responder a esses anseios do trufento e champanheiro FDA.
Aconteceu que fracassou e só conseguiu descolar um vaga de foca no Estadão, para cobrir (fazer propaganda) das últimas tralhas da informática.

Senti vergonha por ele, mas o FDA foi implacável, nem sequer deu força para a coluna do Pedroca.
O Pedroca foi poluir os pulmões em Sampa e o FDA ficou curtindo sua aposentadoria em Petrópolis ou na piscina de Ramos, esbravejando e reclamando de tudo e de todos.

Eu, particularmente, sempre tive o FDA em grande estima, pois conheço até as bobagens ginecológicas que publicou sobre os ramos ilustres dos tupinambás pernambucanos.
Uma portentosa obra de mui acuro intelectual e perda de tempo.

Grande cara, o FDA!

Na realidade seu Francisco Antonio Doria (FAD).

🙂

 

Fonte:

https://vo1cefa2la.wordpress.com/2011/11/25/open-do-hrp/

 
76 Comentários

Publicado por em dezembro 2, 2011 em Uncategorized

 

76 Respostas para “Open do FDA:

  1. Proftel

    dezembro 3, 2011 at 10:36 pm

    Setenta e cinco e, fui.

    🙂

     
  2. Proftel

    dezembro 3, 2011 at 9:50 pm

    Aulas de dona Irene, tenho sogra bahiana da gema, juro prôceis que adoro o sotaque e as tiradas que ela apresenta (claro que minha sogra não é tão inculta), confiram:

    :- )

     
  3. Proftel

    dezembro 3, 2011 at 9:05 pm

    Já que há clima, um vídeo postado no Facebook pela Ana e a patroa mostrou, achei muito massa:

    hehe, que se lasque se ficar “par” nos comentários kkkkkkkk.

     
  4. Proftel

    dezembro 3, 2011 at 8:56 pm

    “Setenta” comentários pra mim também dá azar (como os 14 aí em cima), não gosto de números pares, coisa minha se sisma mesmo kkkkkk.

    Setenta se me faz lembrar a Copa de 70 quando ainda éramos “Setenta milhões em ação, pra frente Brasil, salve a Seleção… kkkkk”

    Aprendi a dirigir num Dodge Charger R/T 1971 aos 11 anos de idade, moto dirigi a primeira com 13 anos em Ponta Grossa-PR, servi Exército em 81, creio que depois de tantos números ímpares na minha vida (a começar data de nascimento que é “sete”) creio, melhor não bobear com números pares kkkkkkk.

    Vou nessa que a patroa precisa d’um trato daqui a pouco, hoje é dia três de dezembro kkkkkkkk.

    Nem tanto com a superstição, prá “dar uma” qualquer dia serve kkkkkkkk.

    hehe.

     
  5. Proftel

    dezembro 3, 2011 at 5:57 pm

    Pronto!

    Duda saiu com a mãe e o namorado da mãe, dessa vez levou o celular (semana passada tinha esquecido e fiquei “p” da vida com isso).

    Dessa vez como a bateria do dito cujo já estava só com dois “riscos” ela levou o carregador (a menina sabe lidar com celular melhor que eu).

    O interessante desse aparelho que está com a Duda é que ficou dois anos comigo, dois anos com a patroa, a bateria do bichim dura ainda uma semana depois de carregado e ela jogando/conversando (sim, coloco créditos no celular dela).

    Fico mais tranquilo porque a “Bizz” (a motoneta) da mãe da Duda está aqui na garagem, saíram de carro por conta da chuvarada que rola por aqui (por incrível que pareça há setores alagados nessa terra situada a 1.100 metros de altitude).

    Patroa se arrumando pra ir à reunião da Igreja dela e, eu aqui “prozeando” com vocês, tudo normal se não abrir a página do “Haaretz” kkkkkkkkk.

    hehe.

     
    • Proftel

      dezembro 3, 2011 at 6:56 pm

      Fico aqui imaginando o dia que escreverei aqui: “Duda saiu com o namorado, deixou a motoca na garagem, saíram de carro… penso nisso e meus olhos enchem de lágrima…. “.

      🙂

       
      • surfando na jaca

        dezembro 3, 2011 at 10:25 pm

        De vontade de bater no namorado dela? Ou de felicidade porque era um Toyota 4×4? KKKKK. Brincadeirinha. Mas dá uma nostalgia dos tempos em que eram crianças.

         
        • Proftel

          dezembro 4, 2011 at 11:10 am

          Surf:

          Ciúme de pai é coisa séria kkkkkk.

          Do jeito que a moça é linda não sai daqui se não for numa Mercedes ou Audi kkkkkkk (mesmo assim com celular com GPS prá que eu acompanhe na Internet onde ela vai) kkkkkkkkkkkkkkkkk.

          hehe.

           
  6. surfando na jaca

    dezembro 3, 2011 at 5:40 pm

    Proftel, a vida já é amarga, com muitos problemas, então tento manter me astral de carioca convicto quando acordo e até o final do dia. Assim vou tocando a boiada dessa vida, entre problemas e soluções temporárias, pois tudo tem um tempo de existência. Se me lamentasse e ficasse emburrado como o Fred e o FDA por pequenas coisas, já teria descido os sete palmos do chão. Nunca reparto meus problemas, é meu jeito de não chatear a existência alheia. Mas não fico chateado quando os outros fazem isso. Cada um com seu estilo e seu jeito de ser.
    O FDA merce mesmo um post, ele é um sucesso na buzina do Surf. Tenho respeito ao FDa, mesmo sendo o alvo predileto de suas implicâncias. Mas comigo não tem dessa de subserviência, respondo na mesma altura, pois também tenho meus títulos e meus méritos.

     
    • Proftel

      dezembro 3, 2011 at 6:05 pm

      Surf:

      Raciociono de modo pouco diverso do seu a saber:

      Se há problemas, semeio problemas e colho soluções, sempre fiz isso na Rede e nunca me dei mal adotando a sugestão que melhor se me pareceu.

      Quanto ao FDA, também já falei que dou um baita desconto porque ele deve tá cascudo de tanto levar porrada por aí como nós, chegou nesse clima, viu que a coisa é diferente e tá se adaptando como todos nós nesse pequeno espaço democrático sem eira nem beira onde cabem todos os egos.

      🙂

       
  7. Proftel

    dezembro 3, 2011 at 4:58 pm

    Surf:

    Minha opinião sobre você expressei aí embaixo, se você não leu vou repetir:

    “Proftel
    dezembro 3, 2011 at 10:10 am
    FDA:

    Qualquer comentarista sempre tem uma opinião. Por mais doida que seja considero, vale a pena refletir, empatia faz bem.

    O Surf é um tremendo sarrista, sério nos comentários da área onde atua mas no geral tem aquele senso de humor carioca (por vezes pega meio pesado), é um Confrade de boa índole.

    Você é um cara legal e sensato, por vezes nem sei como começar uma resposta a algum questionamento/comentário seu as vezes por não dominar o assunto outras por falta de tempo mesmo.

    Creio que articulado e versado como é outros comentaristas como o HRP, o Patriarca da Paciência dentre outros nunca deixaram de trocar boas idéias como tenho percebido.

    De minha parte, fazer um “Open do FDA” é sim uma homenagem pelo apreço e consideração que lhe tenho. Pretendo fazer outros Opens dedicados aos demais Confrades sempre nos fins de semana.”

    🙂

     
  8. surfando na jaca

    dezembro 3, 2011 at 4:29 pm

    Nunca levo a sério nem meus comentários. A gente dá uns “toques” para quem quiser tomar rumo. Agora, brigar dessa forma como o Fred fez é uma vergonha. Só brigo com direitobas empedernidos. Não dou pancadas virtuais e palavrais em ninguém, mas levo tudo na malemolência carioca, quase baiana. Se fizesse beicinho por cada xingamento que recebo, estava com uma beiçola maior do que a daqueles índios kayapós e do cacique Raoni.

     
    • Proftel

      dezembro 3, 2011 at 5:13 pm

      Surf:

      Te juro, até hoje não entendo porque o Fred escafedeu.

      Foi ele quem criou o pedaço, eu só dei a idéia (não sei como nem quero saber como se cria um blog), ele me passou por e-mail como criar uma conta, me acrescentou como administrador da bagaça, todo mérito da criação é dele – só dei a idéia).

      Fico triste pacas d’ele não continuar por aqui, cê não sabe como é tocar a bagaça sozinho, é foda.

      :-/

       
      • surfando na jaca

        dezembro 3, 2011 at 5:34 pm

        Aliás, quem trouxe o assunto da boiolice animal foi ele. Triste a atitude do Fred. Mas acho que ele estava passando por momentos ruins quando escreveu aquilo. A falta de paciência muitas vezes revela o que está no pano de fundo, que é a vida real. Penso assim, que a falta de fair play do Carecão se deveu a uma situação pessoal ruim.

         
        • Proftel

          dezembro 3, 2011 at 6:08 pm

          Surf:

          Sim, “situação pessoal ruim”, concordo de pleno!

           
  9. Proftel

    dezembro 3, 2011 at 4:06 pm

    Surf:

    O FDA é um cara maneiro, visto que o Open dele já está prá lá de 57 comentários nessa bagaça desconhecida de pedaço perdido na Rede.

    O cara pode até ser ranzinza mas dou um baita desconto porque não é fácil comentar por aí, na maioria das vezes só se leva porrada de anônimos sem nenhum conteúdo includente no que tange à intelectualidade do interlocutor.

    Uma página como essa criada pelo Fred (que aliás ando com saudade, o cara não aparece nem no Messenger mais – e eu sem créditos pra ligar pra ele) é um Oasis na Rede.

    No fundo o que pressinto é o seguinte: o cara chega aqui dando porrada, leva umas, vê que TODOS os comentários são liberados, cria amizade e, fica.

    Tá certo que a postagem também ajuda mas, “eu sozinho” tô passando um “perreio” lascado, só tenho tempo sábados, domingos e nas quartas-feiras à noite, é de lascar gerenciar meu tempo permeado por dois empregos tocando a página (todo santo dia entrar só prá liberar comentários bloqueados) sem tempo pra ler direito o que tá rolando de papo.

    Bom, é isso que rola, se alguém quiser ajudar que fale, eu mando e-mail com loguin e senha bem como o link da página, sou democrático pacas e esse espaço não custa nada, só tutano.

    🙂

     
  10. Proftel

    dezembro 3, 2011 at 3:13 pm

    Confrades e Confreiras:

    Gostaria que vocês dissessem se tiro o Post acima sobre a nova droga no mercado russo ou se deixo como está.

    Juro prôceis, estou com a consciência pesada de ter postado coisa tão “pesada”, nunca fiz isso, gostaria da opinião de vocês, se disserem “tire esse troço” eu arranco na hora, de boa.

     
  11. surfando na jaca

    dezembro 3, 2011 at 2:40 pm

    O HRP anda sumido no momento, né?

     
    • surfando na jaca

      dezembro 3, 2011 at 2:42 pm

      Ele quer avacalhar os flanelinhas paulistas da Letícia Eva Braun. Ô, lôco, meu!!!! Aqui lá é um bando de muquirebas, muquiranas direitobas.

       
    • Proftel

      dezembro 3, 2011 at 2:45 pm

      Surf:

      Deve ser “transmimento de pensação”, tava aqui me questionando sobre isso agora pouco.

      O HRP nunca mais falou da fábrica onde ele trabalhava entre Mogi e Bertioga, nunca mais falou da chácara, nunca mais falou do filho dele, nunca mais falou daquele problema da moça que o procurou muito menos falou do problema de saúde que ele teve aliás, disso só deu dicas, nunca chegou e disse o que foi nem por e-mail pelo menos pra mim.

      Gosto pacas do HRP mas ele anda muito obscuro ultimamente, nem o Open dele na semana passada ele tocou pra frente como o FDA tá fazendo hoje.

      :-/

       
      • surfando na jaca

        dezembro 3, 2011 at 2:56 pm

        Pois é, Proftel. O HRP é um fiel companheiro de lutas virtuais, mas será que está passando por alguma provação? A vida tem disso. Tem momentos que tudo parece que virá abaixo, que tamos “fu”, mas no dia seguinte o que foi terrível começa a se tornar esquecimento.

         
        • Proftel

          dezembro 3, 2011 at 3:05 pm

          Surf, cê viu que uns posts atrás disse a hora e o dia que iria prá Sampa e voltaria, falei que se ele estivesse por lá eu catava um carro e ia “quebrar umas Antártica” com ele em Santos e o cara nem “Tchuns” pra responder.

          :-/

           
          • surfando na jaca

            dezembro 3, 2011 at 3:09 pm

            O mundo é assim, Proftel. Já estivestes pessoalmente com esse gajo HRP? Pois bem, o mundo virtual não é semelhante ao real.

             
            • Proftel

              dezembro 3, 2011 at 3:26 pm

              Surf:

              No ano passado quase conseguimos nos encontrar mas deu bode e ele não conseguiu descer a Serra.

              A única que conheço pessoalmente nessa vida virtual é a finada Alba.

              Há um problema comigo quando vou à Sampa, dificilmente saio da casa da minha mãe/pai, gosto de curtir meus velhos e meus filhos fora que, não consigo mais andar sem olhar prôs lados desconfiado que sou desde o tiro que levei na barriga, creio que quem precisa d’um psicólogo antes de viajar pra Sampa sou eu kkkkkkkkkkkk.

              Colegas só vejo no máximo a três ou quatro quadras d’onde mora minha mãe, não arrisco mais catar um carro ou moto pra andar por lá. Se você imagina um cara traumatizado, está falando com ele.

              Há mais, a cada ano aumenta o número de conhecidos que foram prô saco, por vezes choro copiosamente ao saber, gente que serviu Exército comigo, companheiros de viagem e muitas aventuras, vizinhos pais de amigos etc. .

              Não é fácil voltar uma vez por ano no lugar onde nascemos e crescemos, se me dá depressão mas, tenho que ir, são meus pais e meus filhos e irmã e irmão que estão lá, é preciso vê-los pessoalmente, não tem jeito, sem sentir o “cheiro” não é mesma coisa.

              🙂

               
  12. surfando na jaca

    dezembro 3, 2011 at 2:08 pm

    Certamente, em especial para os geógrafos, Lacoste, Milton Santos e Pierre George foram grandes nomes e colocaram o espaço como uma variável fundamental para a análise social. Lembro que o trabalho de Foucault teve uma importância nisso também, revelando que o jogo de poder se estende ao espaço. Li, certa vez, um geógrafo ianque que recupera essa tradição, o Edward Soja com sua geografia do capitalismo, em que o espaço é revelador das tensões e conflitos sociais. Acho que o David Harvey segue essa trilha com muito sucesso.

     
    • Proftel

      dezembro 3, 2011 at 2:20 pm

      Siimmmmmm Surf!

      Bem lembrados nomes!

      Se bobear todo blogueiro deveria ser formado em Geografia, uma área que abrange vários aspectos, se não se conhecer o físico e sua interação com o homem não se concebe a Rede, um bloguista formado em jornalismo ficará lá nas notícias até morrer, idem pr’um economista, um historiador só falará do passado, um advogado só de leis, um sociólogo, psicólogo antropólogo bitolados nunca fariam um Post como o acima ou abaixo (s) elencando assuntos de “fio a pavio”.

      Só um Geógrafo mesmo pra ter abrangência, se colocar longe e olhar a Terra com todas suas implicações etno-geográficas de ocupação.

      Bicho, olha, essas vistas cansadas já leram de tudo e ainda falta muito pra meu carma atingir o nirvana mas, se me dou por satisfeito nessa vida creio, “subi” uns pontos pra na outra encarnação ser melhor ainda.

      O HRP talvez lhe explique melhor esse conceito de vida, é especialidade dele.

      🙂

       
      • surfando na jaca

        dezembro 3, 2011 at 2:37 pm

        Acabo de comprar o livro novo do David Harvey, sobre o capitalismo e suas crises, pela Boitempo. Não sei se um geógrafo poderá dar conta de coisa tão complexa e tão aprofundada na análise econômica, mas lerei. Está na cabeceira. O livro é o maior diálogo que uma pessoa pode ter, mas só no cotidiano, como aqui, poderemos repassar o que lemos e saber se entendemos corretamente. O homem é um ser social (o FDA acha isso uma evidência idiota, mas não é, Durkheim não teve vergonha de afirmar essa constatação básica) e só através de seu próximo pode aprender. Isso é Sartre, um dos meus mestres.

         
        • Proftel

          dezembro 3, 2011 at 3:00 pm

          Surf, um Geógrafo lê tudo que se cai na mão, digere com outros olhos.

          Só isso.

          Creio que a maioria dos caras e das moças que se formaram comigo (uma classe que no primeiro ano haviam 53 estudantes e acabou com 12) teria condições de ler e compreender David Harvey, tivemos algumas aulas de Geografia Econômica com um Dr. que não lembro o nome agora – maldita velhice tolhendo neurônios -, dava aulas de economia excelentes na década de 80/90 – tive o prazer de o assistir na faculdade de direito e na de Geografia – (se não me engano trabalhou com o Maluf mas era fã da Maria da Conceição Tavares – se não me engano foi aluno dela).

          🙂

           
  13. surfando na jaca

    dezembro 3, 2011 at 1:54 pm

    Proftel, desculpe minha ignorância,mas não sei porque vc. elenca tal nome de historiador. Deve ter seus motivos. Bom, acho que já dei a resposta ao FDA no que era necessário e para que se torne mais humilde com seus libelos acusatórios contra todos que aqui estejam. Ele vai se acalmando aos poucos. Até que poderemos conversar civilizadamente com o FDA. Vai demorar muito, mas esse dia chegará.

     
    • surfando na jaca

      dezembro 3, 2011 at 1:58 pm

      Vai ler Foucault, FDA! Ao invés de listar abobrinhas sobre o que ele fez politicamente. Eu li bastante aquele filósofo careca e desmunhecado. Tenho respeito por algumas coisas que ele formulou. Merece minha atenção e de todos.

       
    • Proftel

      dezembro 3, 2011 at 2:11 pm

      Surf:

      O cara foi sistemático, registrou passagens, datas e locais que hoje são confirmados pela arqueologia diferentemente do que rola com Atlântida por exemplo, só isso.

      🙂

       
  14. Proftel

    dezembro 3, 2011 at 12:29 pm

    Putz!

    Juro prôceis, nunca vi um Open tão “cabeça”!

    hehe.

     
  15. Proftel

    dezembro 3, 2011 at 12:26 pm

    Aqui um “presentinho” prôs Confrades:

    http://serqueira.com.br/mapas/

    🙂

     
    • Proftel

      dezembro 3, 2011 at 12:28 pm

      Ah, esse link está na pasta “favoritos – mapas” a anos!

      Sempre vou lá dar uma “bizolhada”.

      🙂

       
  16. surfando na jaca

    dezembro 3, 2011 at 11:32 am

    Essa biografia do FDA sobre o Michel Foucault (vítima da Aids em 1984) é bem questionável. Vejam que os dados biográficos mais simples estão melhor expostos na Wikipédia. Rotular Foucault de esquerda é algo a se pensar. Tomou parte ativa em 68, quando parecia estar envolvido com a nova esquerda. Mas foi um crítico impiedoso do marxismo. Era um estruturalista e depois um pensador libertário, talvez. É difícil estabelecer um rótulo para Foucault, embora acho que ele constrói a base do relativismo pós-moderno. Para a esquerda marxista, se tornara um conservador e seu envolvimento com as campanhas sociais e políticas foi pífio depois de 68. Jamais Foucault poderá ser visto como um ativista político, coisa que Sartre foi até o final da vida. Jamais fez bandeira de luta de seu homossexualismo. Como marxista, acho que teve uma contribuição bem interessante na questão do circularidade do poder. Já a sua história compartimentada por temas, que exclui a análise dinâmica das lutas de classe e do processo histórico e suas bases materiais, é simplesmente conservadora.

     
    • Proftel

      dezembro 3, 2011 at 12:14 pm

      Pelo jeito Mechel “Fuckalt” né Surf?*

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs :- )))))))))))))))

      *Li algo sobre o cara mas nunca fiquei muito entusiasmado… . Yves Lacoste e Milton Santos mais familiares são na minha área (apesar de não serem considerados “filósofos” na acepção dão um caldo).

      hehe.

       
  17. Proftel

    dezembro 3, 2011 at 10:58 am

    Já que o papo é História, poucos aqui sabem que já ganhei uma graninha legal transcrevendo documentos antigos de 1700/1800 como perito judicial.

    Pena que desses só guardei um que foi o mais “pesado”, um inventário de 70 páginas de 1898 de Ilhabela, levei três meses pra transcrever ainda na máquina de escrever Olivetti Linea 88 em 1994 (tinha computador mas não tinha impressora na época e, alguns juízes não aceitavam aqueles papeis fininhos das impressoras de então).

    O interessante desse inventário é como o falecido deixou em testamento os bens, inclusive aos escravos.

    Se alguém se interessar posso escanear e enviar por e-mail um .pdf a partir de segunda-feira a noite.

    🙂

     
  18. FDA

    dezembro 3, 2011 at 10:39 am

    Caro Profitel,

    Não sou “historiador”. Sou acadêmico, pesquisador em Ciências Humanas e Sociais. Gostaria muito de responder algo sobre essa curiosidade ocorrida em 1543.

    Infelizmente, não tenho a competência para tal explicação!

    Désolé, mas vou ler atentivamente essa informação..

    Abs

     
    • Proftel

      dezembro 3, 2011 at 10:45 am

      FDA:

      Grato.

      Quem sabe num desses livros antigos que provavelmente você faz pesquisa haja citação do evento, não creio que suas fontes sejam daqui, como pesquisador sério deve ter contato com originais de Portugal. Pressupondo isso é que lhe indaguei.

      🙂

       
    • surfando na jaca

      dezembro 3, 2011 at 11:39 am

      Foio que meus amigos de História me disseram: Esse cara não é historiador profissional.

       
      • Proftel

        dezembro 3, 2011 at 12:36 pm

        Surf, pode parecer estranho mas, tenho comigo que o primeiro historiador sério (além dos caras que escreveram a Bíblia) é Flávio Josepho.

        É opinião estritamente de cunho pessoal que não abro mão, até tive um entrevero com um PHD em História na graduação que fiz em Geografia, só faltou o cara me chamar de “fedelho” por essa afirmação.

        hehe,

         
      • surfando na jaca

        dezembro 3, 2011 at 3:54 pm

        Um deles me disse na lata: FAD? Nunca ouvi falar. Não leve esse cara a sério. Quase sempre sigo os conselhos dos catedráticos.

         
        • Proftel

          dezembro 3, 2011 at 4:51 pm

          Surf:

          Catedráticos geralmente são pedantes, vêem só o que os olhos lhes mostram, as especificidades.

          A maioria está de olho só nas estagiárias (por isso sempre digo que as mulheres dominarão o mundo, elas olham o intelecto e não o físico – na maioria das vezes).

          Um cara que tem por “hobby” (que não acho ser o caso) buscar a árvore genealógica da família (como também fiz, sou do Clã Gozdawa e está aqui:

          http://pl.wikipedia.org/wiki/Gozdawa_(herb_szlachecki)

          Deve ser levado a sério sim, é como dar continuidade ao Livro de Numeros da Bíblia. Eu mesmo faço parte d’um clã, uma família que remonta aos Teleżyński, achei na Rede e conversando com meu pai e parentes lá de Ponta Grossa-PR, tudo que é passado verbalmente foi confirmado até por uma tia que virou Mormon e fez pesquisa nos EUA.

          Surf:

          Daí dizer ou menosprezar as pesquisas do FDA é “pular o corguinho”, toda pesquisa envolve tempo quiçá dinheiro. Não faça isso.

          Respeite o trabalho do cara.

          De boa.

          🙂

           
          • surfando na jaca

            dezembro 3, 2011 at 5:46 pm

            Já elogiei o trabalho dele, que tenho na estante. É trabalho de amador, mas bem feito, sério. Só reproduzi o que meus amigos da área comentaram. Isso é lá com eles, nada tenho com isso. Talvez estejam errados. Não é minha área. Acho que um trabalho que descreve as fontes das informações e não distorce os resultados de pesquisa é um trabalho sério. Qualquer dia coloco uns trechos aqui no blog. Que tal?

             
  19. FDA

    dezembro 3, 2011 at 10:33 am

    Patriarca,

    E por que vc não tem o “menor problema em dizer que não entendo nada de Michel Foucault” te dar o direito de afirmar que:

    O autor“nunca teve qualquer experiência direta sobre” os temas que tratava! Te dar o direito de denegrir o autor e sua obra.. Que “uns admiram” e “outros não acham grande coisa”, isso é um direito de cada um! é do direito de incomprenção que te dar o direito de afirmar coisas que vc ignora? O que vc conhece da obra e do militantismo do autor?

    Vc sabia que Faucault foi um dos primeiros intelectuais français a atitar a atirar a atenção da opinião publica sobre as condições de vida dentro de uma prisão e dos prisoneiros na França, no Iram e en outros países do mundo?

    Vc sabia que ele foi um dos primeiros intelectuais de Esquerda a defender o direito da esquerda proletária? Vc sabia que o autor foi um dos primeiros a criar o “Comité d’action des prisonniers (CAP)”?

    Vc sabia que o autor foi um dos primeiros intelectuais a sensibilizar a opinião publica sobre a doença SIDA, AIDS? Que foi graça a polemica causada pela sua morte que foi crianda a primeira associação de luta contra “sida, Aides » ?

    Não sou de Esquerda mais respeito a obra e o trabalho do autor de esquerda quando ela é benfeitora para a humanidade…

    Patriarca, quando na tua vida vc tiver feito o tanto que fez esse intelectual do seculo XX para o Bem da Humanidade, ai vc pode pretender a algo na tua existência medíocre de comentarista atras de uma tela de computador!

    Senão, cale-se para não passar por um medíocre idiota, violador da memoria de um outro!

    O que vc não tem capacidade de construir, vc não tem o direto de destruir..

    Capito!

     
    • Patriarca da Paciência

      dezembro 3, 2011 at 11:21 am

      FDA,

      como eu poderia “denegrir” o Michel Foucault?

      Ainda mais sabendo que o “home” morreu ainda no século passado.

      Meu caro,

      você fica aí com esse seu egocentrismo todo, prisioneiro do seu casulo mental e não tem a mínima idéia de como as pessoas realmente são.

      Eu não sou nenhum especialista em Michel Foucault, mas tenho uma boa noção de quem foi o cara. O Surf sempre faz referências a ele. Eu apenas acho que não tenho o menor motivo para ficar fazendo genefluxões a esse ou àquele “grande” vulto histórico.

      As pessoas tendem a criar ilusões de grandeza, coisa que realmente só leva a decepções.

      Meu pensador ideal é Spinoza. Sou fã do equilíbrio, do realismo e da ponderação do grande filósofo.

      Gosto muito também de Voltaire. Do bom humor. Da atitude positiva diante da vida.

      Eu tenho grande tranquilidade quanto ao meu papel no mundo. Faço sempre o melhor que posso e procuro não prejudicar ninguém.

      Faz alguns anos que propus a criação da “Associação dos Não Corruptos Anônimos”.

      E tenho agido sempre com coerência dentro daquilo que me prupus.

      Cumpro minhas obrigações e meu trabalho o melhor que posso.

      Como dizia Sócrates: “Obedeço a Deus e a minha consciência”.

       
  20. Proftel

    dezembro 3, 2011 at 10:16 am

    FDA:

    Já que você é historiador de mão cheia, sempre tive curiosidade sobre uma passagem ocorrida em 1543:

    http://www.saovicentealternativa.kit.net/barrasul.htm

    Meu pai levantou a hipótese d’um maremoto, eu sempre achei que foi uma chuva como a que houve em Caraguatatuba-1967 ou em Nova Friburgo recentemente.

    Conversei algum tempo atrás com um peão de obra que trabalhou na construção da cabeceira da ponte da Imigrantes do lado de São Vicente, ele disse que durante a obra acharam restos de casas a cinco/seis metros de profundidade.

    Como nasci em São Vicente, o assunto sempre me interessou.

    Gostaria de saber sua opinião.

    🙂

     
  21. HRP LOVE AND MUSIC

    dezembro 3, 2011 at 10:13 am

    Quando um BANDO de ESCROTOS se juntam a falar asneiras?
    O “cousa” muito mais séria que isso!
    Olha só o teor dos comentários!

    http://flanelapaulistana.com/2011/12/resposta-da-pm-ao-achincalhe-diario/

     
    • Proftel

      dezembro 3, 2011 at 10:42 am

      HRP:

      Que baita sacanagem desse comentarista, por mim deveria ser mandado embora por justa causa.

      Conheci vários ex integrantes da ROTA, quando trabalhei no Meio Ambiente, vários deles lá por conta de excesso de confrontos (aliás, a ROTA é a única tropa da PM que bandido não se mete a besta de encarar, sabe que se fizerem já era – alguns ultimamente andaram tentando conferir, estão a “sete palmos” vendo grama nascer pela raiz).

      Tenho muito apreço pela Polícia Militar do Estado de São Paulo, todas as vezes que fui abordado sempre fui tratado com cortesia e respeito até mesmo numa passagem curiosa:

      Estava voltando d’um Parque Estadual com um revolver 38 na mochila (arma do Estado), tinha descido no Tiete, peguei o metrô até a Sé e estava descendo a ladeira pra chegar no Largo do Anhangabaú pra pegar outro buzum na Praça da Bandeira, estava todo barbado e com a calça suja de barro depois de horas dentro do ônibus.

      Quando menos espero duas viaturas cercaram a viela e mandaram todo mundo encostar na parede (eu e um monte de caras, uns quarenta/cinquenta) quando fui revistado o PM bateu na mochila e sentiu o revólver (que estava desmuniciado conforme manda o procedimento de transporte) e chamou o Tenente. Foi uma abordagem rude como deve ser esse tipo de coisa mas, nada de bater nem tratar com desrespeito.

      Bem devagar conforme solicitado e ainda de cara na parede tirei os documentos e deixei na mão, do que me revistara.

      O Tenente mandou que me virasse e aí vi que tudo que havia na mochila estava espalhado, inclusive um uniforme marrom todo sujo de lama.

      Falei de onde vinha, mostrei a passagem, o porte de arma, a documentação da arma e acabamos dando algumas risadas.

      O papo com eles foi tão legal que me botaram dentro da viatura e me deram uma carona até o IF na Cantareira.

      HRP, taí o que eu acho da PM de Sampa e a indignação com o comentário desse infeliz da rádio Bandeirantes.

      🙂

       
  22. Patriarca da Paciência

    dezembro 3, 2011 at 9:48 am

    Surf,

    nesta versão:

    http://www.historianet.com.br/conteudo/default.aspx?codigo=552,

    fala em “vergonhas cerradinhas”.

    Acontece que as palavras em português (não só em português como em qualquer língua) mudam de sentido com o passar do tempo.

    Tem também o problema da caligrafia. As pessoas podem interpretar os sinais ora como certa letra ora como outra.

    Já vi também versões como “vergonhas saradinhas”. Eu também gosto mais da versão, “vergonhas saradinhas”.

    Se o Gajo pretendia ober algumas vantagens com seu relato? É quase certo, a observar como termina a carta:

    “E pois que, Senhor, é certo que, assim neste cargo que levo, como em outra qualquer coisa que de vosso serviço for, Vossa Alteza há de ser de mim muito bem servida, a Ela peço que, por me fazer singular mercê, mande vir da ilha de São Tomé a Jorge de Osório, meu genro – o que dáEla receberei em muita mercê.
    Beijo as mãos de Vossa Alteza.
    Deste Porto Seguro, da Vossa Ilha de Vera Cruz, hoje, sexta-feira, primeiro dia de maio de 1500”

    FDA,

    Puxa! Então quer dizer que o Michel Foucault morreu ainda no século passado?

    Coitado!

    Olha FDA, eu não tenho o menor problema em dizer que não entendo nada de Michel Foucault .

    Sei apenas que foi um filósofo francês que uns admiram e outros não acham grande coisa.

    Eu gosto mais do Darcy Ribeiro e, antes que você diga que o Darcy não era bem um filósofo, eu também sei disso.

    Mas o Darcy filosofava muito bem e, para mim, é melhor queo Michel Foucault .

     
    • HRP LOVE AND MUSIC

      dezembro 3, 2011 at 10:14 am

      Quando leio Darcy Ribeiro vejo a palavra esperança!
      Que esteja entre os anjos!

       
  23. FDA

    dezembro 3, 2011 at 9:35 am

    Surfista,

    Acho que vc esta equivocado..Mas isso não tem a menor importância..

    Se vc poder fazer algo por vc e vc mesmo, lhe peço na boa, procure um especialista em doenças relacionadas com distúrbios psicoafetivos e dependencias com novas tecnologias.. Ai no Brasil tem excelentes especialistas..

    Não vale a pena me responder!

    Pense apenas: se existe uma probabilidade mínima que vc esteja equivocado então essa probabilidade existe..

    bye

     
    • surfando na jaca

      dezembro 3, 2011 at 11:11 am

      Então é assim que me respondes, FDA????
      Está bem, vejo-lhe como um filósofo amargurado, gemebundo e raivoso.
      Estou bem de saúde, inclusive mental. Sou de esquerda também, como todos sabem. Espero que isso não aborreça ao velho udenista.

       
  24. FDA

    dezembro 3, 2011 at 9:28 am

    Patriarca,

    O que vc acha ou não do “escriba português” é um direito individual seu… Até a prova do contrario o Brasil é um pais de Direito e seria até contraditório não reconhecer esse seu direito constitucional..

    O mesmo tenho a dizer de suas observações ou dos tema da “infância da humanidade”!

    O mesmo de suas considerações comparativas entre um e o outro Michel Foucault..

    Afinal, afirmar que Michel Foucault “nunca teve qualquer experiência direta sobre a questão” é uma pretensão sua: vc o conhecia pessoalmente? Vc conhece o trabalho acadêmico do autor? O que te faz dizer que “tudo que o filósofo francês disser”? “Disser”, vc esta usando o tempo presente..

    Ora, o Autor é morto no seculo passado, portanto o que ele disse é talvez “pura especulação”..Cabe a vc de escrever um trabalho sobre o isso..

    Va a luta.. Acho que vamos para por aqui com essa discussão vitual, ela começa a torna-se sem interesse!

    Ok, respeitei os teus direitos, agora lhe peço para respeitar os meus.. Capito!

    Bye

     
  25. surfando na jaca

    dezembro 3, 2011 at 9:03 am

    Ah, sim… É claro, um bom dia a todos.

     
    • Proftel

      dezembro 3, 2011 at 11:42 am

      Surf:

      Bom dia/Boa tarde:

      A patroa quer porque quer um microondas (por aqui há um “forninho” elétrico que é supimpa pra esquentar aquelas torradas e pedaços de pizza da noite anterior) mas ela tá afim mesmo d’um microondas.

      Posso parecer um cara d’outro mundo por até hoje não ter um microondas em casa mas, vou explicar a razão:

      Tudo quanto é salgadinho que tracei na rua esquentados em microondas ficam sem gosto, quentes por fora e frios por dentro (principalmente as batatas das cochinhas e pastéis de carne), o troço gasta “uma baba” de energia, “puxa” como um chuveiro ligado e, é cheio de tecnologia carente de assistência técnica. Esses motivos sempre me deixaram cabreiro com a coisa incluindo a radiação emanada.

      O “forninho” elétrico Arno é o terceiro nesses dezenove anos de casamento e sempre foi um troço prático com aquelas resistências de cerâmica por fora (que gastam a mesma coisa que um microondas mas a comida fica com “cheiro e gosto”).

      Te juro, questiono não só a você mas a outros Confrades e Confreiras, vale a pena adquirir um forno de microondas?

      🙂

       
  26. Patriarca da Paciência

    dezembro 3, 2011 at 9:02 am

    FDA,

    já eu acho o gajo, mui afamado e célebre escriba português, um cara realmente fantástico e merecedor da fama póstuma que desfruta.

    Veja como ele não tem o mínimo praeconceito com as nativas: “quatro moças, bem moças e bem gentis”.

    A observação de que os nativos estavam na “infância da humanidade” eu considero algo realmente muito bem observado.

    O gajo era bom!

    Muito mais instrutivo e esclarecedor sobre o assunto do que Michel Foucault, o qual nunca teve qualquer experiência direta sobre a questão.

    Tudo que o filósofo francês disser é pura especulação.

     
    • surfando na jaca

      dezembro 3, 2011 at 9:12 am

      Patriarca, tu sabes tutu que Caminha não fora o único responsável por relatar a descoberta na esquadra de Cabral. Mas foi minucioso e demonstrou um grande empenho nisso. Suspeitam que esperasse receber algum reconhecimento real por sua dedicada narrativa dos eventos. As passagens citadas parecem incentivar a ocupação, ou ressaltar a sua possibilidade, com a presença de gentios saudáveis. É o olhar do explorador. Aliás, toda expedição tinha como procedimento discorrer fartamente sobre as potencialidades do território descoberto e deixar marcos indicando a presença da Coroa.

       
  27. surfando na jaca

    dezembro 3, 2011 at 8:57 am

    Caro Patriarca e FDA,

    a vida para mim não é um martírio cristão-judáico, tampouco sofro de me levar a sério ou ao FDA. Uma doença comum a nós, mortais. Essa passagem de Caminha era muito lembrada por Darcy Ribeiro, pessoa que ouvi diversas vezes, ávido por viver e falar sem parar. A versão correta é com suas vergonhas saradinhas e não cerradinhas. Ora, era de maravilhar tais observadores que vinham de longo tempo ao mar. De certo, estavam os índios em melhores condições de higiene que aqueles fedorentos marujos lusitanos. Na continuidade (reli esse documento fundador muitos anos atrás e cito tudo de memória, embora tenha isso em minha biblioteca de família com mais de 10 mil volumes), Caminha faria uma comparação com as portuguesas pesadamente vestidas e sem a graça das aborígenes. A carta era um dos documentos descritivos sobre as potencialidades de um território descoberto. Ainda que o escriba exaltasse tudo à volta, Portugal pouco se interessou nessa exploração inicialmente, servindo nosso litoral apenas como feitoria para o caminho das Índias, nesse caso o comércio e não a mulherada.

    Pois bem, hoje possuo tempo para travar qualquer diálogo mais detido com quem quer que seja. Repito tudo que disse ao FDA, embora saiba que se dedicou a um dos ramos auxiliares da História, a genealogia. A genealogia é um registro de linhagens que sempre encantou os seres humanos desde priscas eras, desde Adão e Eva. A bíblia é exemplo dessa forma básica de registrarmos nossa história pessoal. Pois bem, eis ao que se dedicou tão nobre e despojado pesquisador-filósofo FDA com muito afinco. Como era de se prever, foi atrás da árvore genealógica (ou ginecológica) dos Doria, publicando o belo resultado obtido. Certamente, a genealogia não é um ramo que goze de muitos admiradores, mas reconheço que foi um bom tabalho. Mas percebo também que é fruto de um orgulho mesquinho de afirmar as raízes ilustres da casa dos Dorianas. O FDA sofre desse problema mal-resolvido. Um marrano nos trópicos.

    Certa vez, no Pedroca, fizemos uma longa digressão sobre o assunto de sua pesquisa, na qual recorri até a amigos acadêmicos desse campo de saber, a História. Meus amigos consultados consideram uma coisa menor a genealogia, embora afirmassem que é fundamental para os estudos sobre o poder e a sociedade colonial brasileira. Nunca imaginei que o FDA ficasse tão amargurado pelos meus comentários trocistas. O Darcy Ribeiro me dizia sempre que essa amargura nos era dada pela tradição judáica-cristã, e que os índios possuíam uma grande felicidade em viver, sem dramas e com as preocupações bem objetivas da sobrevivência.

    Infelizmente, FDA, a vida não foi feita a sua imagem e semelhança. Aprenda um conceito que os intelectuais franceses fazem uso na atualidade com muita constância,o de alteridade. E saia de seu egocentrismo dilacerante, que lhe impulsiona sempre para o papel de fiscal de quarteirão, termo oriundo dos tempos do Império, ou seja, aquele que era responsável odioso pela fiscalização da ordem em seu quarteirão.

     
    • Proftel

      dezembro 3, 2011 at 3:39 pm

      HUmmmmmmm,

      Pra mim vergonhas saradinhas ou cerradinhas corretas ou não, desque que desavergonhadas sejam é o que há!

      hehe.

       
  28. FDA

    dezembro 3, 2011 at 8:13 am

    Ia esquecendo a « HISTOIRE DE LA SEXUALITE. – Tome 1, La volonté de savoir »
    é de Michel Foucault

     
  29. FDA

    dezembro 3, 2011 at 8:11 am

    Patriarca,

    Você que saber se acho si “os portugueses ficaram muito interessados nas “vergonhas” das nativas e “as muito bem olhavam”, visto que eram , “altas, cerradinhas e limpas de cabeleirastal”…

    Por que não! A fato ou um acontecimento singular, interesse singular, não?

    A questão é de saber o que os portugueses entendiam por “Vergonha”? Por que eles se interessaram “nas nativas” visto que fixaram o lhar a algo de bem preciso “as muito bem olhavam”? Como eles souberam que os que percebiam eram “altas, cerradinhas” e “limpas de cabeleirastal”?

    A meu ver, questões antropológicas, respostas antropológicas.. Visto que não sou antropólogo lhe sugiro de lançar um debate aqui no blog sobre tais questões..

    Quanto a sabe se tal observação “era realmente algo de muito inédito na vida de duas civilizações”. Se fosse historiador de civilizações a resposta seria não. Não posso argumentar o que é principio de “Vergonha”, nem sobre o interesse europeu pelos nativos, muito menos sobre a questão da sexualidade na vida europeia..

    Lhe sugiro a leitura de « HISTOIRE DE LA SEXUALITE. – Tome 1, La volonté de savoir »

    Respondi a sua questão !

    Quanto a observação do robertão: “quem não gosta de uma vergonha saradinha, bom sujeito não é”, não entendo nada, e olhe que o nada jà é muito a meu ver pela irrelevancia de seu comentario.. Passamos..Bye

     
  30. robertão

    dezembro 3, 2011 at 7:52 am

    quem não gosta de uma vergonha saradinha, bom sujeito não é…

     
    • Proftel

      dezembro 3, 2011 at 12:47 pm

      Robertão:

      KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

       
  31. Patriarca da Paciência

    dezembro 3, 2011 at 7:20 am

    Tá bom, FDA, vou ser bem específico, tipo código civil.

    Em primeiro lugar, fiz apenas uma paródia, uma brincadeira com a carta do mui ilustre e afamado escriba português.

    O trecho original é assim:

    “Ali andavam entre eles três ou quatro moças, bem moças e bem gentis, com cabelos muito pretos, compridos pelas espáduas, e
    suas vergonhas tão altas, tão cerradinhas e tão limpas das cabeleiras que, de as muito bem olharmos, não tínhamos nenhuma vergonha.”

    Duas observações interessantes:

    1 – Pelo jeito os portugueses ficaram muito interessados nas “vergonhas” das nativas e “as muito bem olhavam”, visto que eram , “altas, cerradinhas e limpas de cabeleiras”.

    2 – As nativas de Pindorama não tinha a menor vergonha de serem observadas “em suas verbonhas” de modo tão atencioso.

    Você não acha tal fato um acontecimento bastante singular?

    Era realmente algo de muito inédito na vida de duas civilizações.

     
  32. FDA

    dezembro 3, 2011 at 6:55 am

    Patriarca,

    Gostaria muito que vc me explicasse sobre o que estas a me perguntar:

    “E aí, FDA, procede tal observação?” O que vc quer saber?

    Vc quer que eu faça uma observação sobre “as bobagens ginecológicas que publicou sobre os ramos ilustres dos tupinambás pernambucanos”.

    Se for o caso vc errou de interlocutor. Pergunte para aquele ou aquela que conhece tal publicação, que a leu, e, que estima que tal publicação é “bobagens ginecológicas”…

    Sobre o conhecimento de “uma portentosa obra de mui acuro intelectual e perda de tempo”?

    Pergunte aquele ou aquela que enuncia tal afirmação. A única observação que faria é que questão é de saber: o que é uma obra que nos faz ganhar o tempo ou a obra que nos faz perder o tempo?

    Vc sabe? Eu não, visto que tudo que leio sempre me fez ganhar alguma coisa…

    Exemplo. Me faz ganhar un saber sobre os seus centros de interesses. É o que diz “Pero Vaz de Caminha (o qual foi um dos primeiros europeus a caminhar por nossas terras) que as nativas “tem órgão sexual tão bem feito e saradinho que faria inveja a todas as moçoillas do continente europeu”.

    Me faz ganhar un conheciment sobre o seu interesse sobre “órgão sexual”. Sobre sua curiosidade em saber se eles são “tão bem feito e saradinho”. Seu interesse de saber se eles “faria inveja a todas as moçoillas do continente europeu” !

    Esses seus centros de interesses dizem respeitos a vc, e não a mim…

    Portanto não tenho não observação é fazer, a não ser constatar que talvez vc errou de interlocutor…Respondi a sua questão ou não?

     
  33. FDA

    dezembro 3, 2011 at 6:32 am

    Já que o “open é do FDA”,

    Gostaria de compartilhar com os leitores progressistas da esquerda, Francófonos um excelente estudo divulgado essa semana na França. Trata-se de um estudo sobre “L’imposture, dix années de politique de sécurité de Nicolas Sarkozy’ (dez anos de impostura da politica securitária de Nicolas).

    Vou logo advertindo: o progressismo de esquerda não faz parte de minhas convicções politicam.

    Mas não é por que não sou que não posso achar um estudo muito bom e mesmo excelente.

    O prefácio é de Robert Badinter, do meu ponto de vista, um dos maiores juristas que a humanidade conhece, sua luta contra a pena de morte na França marcou o seculo XX, essa luta é apenas um dos aspectos da grandeza humana do homem. O relatoria analisa e denuncia o principio de “sucesso” politico e tenta demonstrar o que seria um exercício de auto-satisfação politica.. Confiram aqui:

    http://www.tnova.fr/note/pr-face-de-robert-badinter-limposture

    Outro estudo importante que encontrei nas minhas bisbilhotagem do Net é sobre as “emoções no discurso da mídia imprensa” brasileira de Adriana Crisanto Monteiro! Muito interessante..Confiram aqui:

    http://www.bocc.ubi.pt/pag/monteiro-adriana-emocao-discurso.pdf

    Boa leitura…

     
  34. Patriarca da Paciência

    dezembro 3, 2011 at 5:41 am

    “Eu, particularmente, sempre tive o FDA em grande estima, pois conheço até as bobagens ginecológicas que publicou sobre os ramos ilustres dos tupinambás pernambucanos.
    Uma portentosa obra de mui acuro intelectual e perda de tempo.”

    Surf,

    como um profundo intelectual que é, talvez não tenha passada desapercebida a observação que o mui ilustre e da mais merecida fama escriba português, o autor da certidão de nascimento do Brasil , faz sobre as nativas das terras de Pindorama. Diz Pero Vaz de Caminha (o qual foi um dos primeiros europeus a caminhar por nossas terras) que as nativas “tem órgão sexual tão bem feito e saradinho que faria inveja a todas as moçoillas do continente europeu”.

    E aí, FDA, procede tal observação?

    Como um grande especialista no assunto, qual a sua opinião abalaizada?

     
  35. FDA

    dezembro 3, 2011 at 4:30 am

    Caro Proftel e comentaristas,

    É surpreendente ver um post “open ao FDA”..Deveria agradecer, mais no fundo me questiono qual seria o interesse de tal post?

    Me explico. Em que me diz respeito ignoro tudo do que seja “o blog do Firula” ou “no Nominimo”.

    E como afirmei antes, o interesse de um post vem do fato que os temas e comentarios sobre o tema são como “tijolos”. A questão é então de saber o que podemos fazer com esse “tijolos” de posts? Que tipo de construção ou de paredão podemos fazer?

    Como o referencial “Firula” ou “no Nominimo vos falam, à mim não me diz nada, mais nada mesmo…Venhamos a um referencial comum.

    O tipo de discurso, ou seja, o comentário epódico que diz que o “FDA está cada vez mais gagá”, o FDA é “anseios do trufento e champanheiro”, “arrogante”, “pretencioso”, “nojento”, “rabugento”, o “FDA, como era previsto, vc. nada escreveu de aproveitável”, que o FDA esta a procura de “elogios” ou “anda carente”, cobranças do tipo o FDA “deve desculpas pelas aleivosias e cretinices escritas contra mim”; saber quem é o FDA, ou se o FDA “ficou curtindo sua aposentadoria em Petrópolis ou na piscina de Ramos, esbravejando e reclamando de tudo e de todos” é sem interesse…

    Esse tipo de discurso é sem interesse por que esse tipo de comentário é aqui no blog uma pratica habitual. A estratégia comunicativa é a mesma: despreciar um outro para valoriza-se se mesmo..Se tal discurso tem sua importância dentro do meio psiquiátrico, é que o que chamamos o discurso delirante que caracteriza os que sofrem de delírios de persecução, os nevróticos narcísicos, psicóticos, etc, etc, não vamos entrar nos detalhes, aqui não é o contexto, o que quero ressaltar e que se Freud explica, ele não justifica..

    A meu ver, esse tipo de discurso publico, se ele é legal (direito da livre expressão individual), a questão é de saber o que constrói esse tipo de “tijolo” ? Qual é a legitimidade de tal discurso? Sera que estamos aqui para fazer a linha auto-satisfação virtual ou para outra coisa? Se é para outra coisa, qual seria essa outra coisa?

    A meu ver, uma explicação textual é muito mais interessante. É interessante de saber como vc “ tenta “mostrar as dificuldades que um correntista percebe nas práticas adotadas por um e outro Banco” . Ou é interessante de questionar quem é o Alex e de obter uma resposta : o “Alex é o Proftel”.

    Tai um dos tipos de discurso “tijolo” interessantes aqui no blog, interessante por que eles permitem de “construir” um saber sobre a vida pratica brasileira, sobre um alguém, etc. etc. ou o que podemos contruir juntos, mesmo sendo a favor que cada comentarista guarde sua independencia, sua autonomia, seu livre pensar…

    Como vc conhece “até as bobagens ginecológicas” que escrevo, creia-me ou não se vc quer saber quem é o FDA! Ele é ao mesmo tempo um pouco de tudo e muito tempo do nada de passagem nesta existência…

    Mais Isso ninguém é obrigando de acreditar…

    Fuiiiiii, até a proxima!

     
    • Proftel

      dezembro 3, 2011 at 10:10 am

      FDA:

      Qualquer comentarista sempre tem uma opinião. Por mais doida que seja considero, vale a pena refletir, empatia faz bem.

      O Surf é um tremendo sarrista, sério nos comentários da área onde atua mas no geral tem aquele senso de humor carioca (por vezes pega meio pesado), é um Confrade de boa índole.

      Você é um cara legal e sensato, por vezes nem sei como começar uma resposta a algum questionamento/comentário seu as vezes por não dominar o assunto outras por falta de tempo mesmo.

      Creio que articulado e versado como é outros comentaristas como o HRP, o Patriarca da Paciência dentre outros nunca deixaram de trocar boas idéias como tenho percebido.

      De minha parte, fazer um “Open do FDA” é sim uma homenagem pelo apreço e consideração que lhe tenho. Pretendo fazer outros Opens dedicados aos demais Confrades sempre nos fins de semana.

      🙂

       
  36. surfando na jaca

    dezembro 3, 2011 at 12:52 am

    KKKKKK. É uma homenagem ao maior reclamão do blog. Cara zureta e ranzinza! Que papo é esse de bronca com carioca? Sempre isso, cariocas x paulistas e vice-versa. Sampa deixou de ser a terra da garoa e virou a terra perdida da tucanagem. Acho que nisso vcs. estão perdendopara os cariocas, que também não têm nada a se orgulhar.

     
    • Proftel

      dezembro 3, 2011 at 9:51 am

      Surf:

      Foi uma brincadeira, você sabe que havia essa rixa nas décadas de 60/70, hoje não mais aliás, sou paulista e não consigo ficar em Sampa mais que cinco dias, detesto a cidade. Depois de quase quinze anos virei goiano.

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs :- ))))))))))))))))))))))))))))))

       
  37. Proftel

    dezembro 2, 2011 at 6:48 pm

    Aliás, FDA, não sou nenhum rancoroso e o espaço não se presta a isso, fiquei na dúvida entre abrir um Open para o Colafina ou para o Robertão, optei abrir um espaço a um ente mais velho que nós três, espero que o Colafina e Robertão se me compreendam.

    Bração aí.

    🙂

     
  38. Proftel

    dezembro 2, 2011 at 6:43 pm

    FDA:

    “… FDA. Quem sabe vc. não consiga cura nesse blog?”

    Fonte:

    https://vo1cefa2la.wordpress.com/2011/11/30/banco-publico-x-banco-privado/#comment-4344

    Grato FDA (por comparecer aqui e de vez em quando), não te chamo de “querido” como o HRP por conta de você não ser Santista lá da Baixada (diante do exposto acima você é carioca “da gema” e sou mais novo que o HRP, a minha geração de São Vicente ainda tem muita história pra contar… ; … muitas broncas com cariocas kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk).

    De boa.

    O Open é seu, divirta-se!

    🙂

     
  39. Proftel

    dezembro 2, 2011 at 5:24 pm

    Surf:

    Agora é com o cara, a “janela” tá aberta.

    🙂

     

Obrigado pelo seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: