RSS

Manifesto do Surf:

18 fev

Depois de muito ler sobre a nossa sociedade, o capitalismo, cheguei à conclusão de que precisamos criar uma ética de classe, com valores opostos ao da elite.

Nos anos do “anticonsumismo” hippie as elites econômicas se tornaram pessoas escrotas, com parâmetros morais e de valores totalmente opostos aos da massa jovem da rebeldia.

Por isso criaram os ”yuppies”, os “almofadinhas” trabalhadores para o dinheiro e manutenção dos valores consumistas das elites.

Essas elites querem aparecer, precisam do povo para estabelecer sua situação de status, caso contrário seriam vistos como entidades desconectadas da vida.

Exemplo disso é o Justus comprando uma escola de samba em SP só para aparecer, ser homenageado, mostrar ao povo sua riqueza e poder.

Se o povo lhe vira as costas, seria um mico incrível!

Precisamos nos sentir enojados com os hábitos da elite ao invés de invejá-los.

A ótica da acumulação de renda só faz sentido com a transformação disso em símbolos de poder e que externem essa riqueza desigual.

Precisamos de uma nova conduta de valores baseada no “anticonsumismo”, o desprezo a esses novos bezerros de ouro de nossas elites que são suas mercadorias exclusivas e excêntricas e, a defesa de uma moral preservacionista.

Precisamos de uma nova rebeldia da juventude que seja socialista, “anticonsumista” e ecológica.

Almofadinhas “riquinhos” enfiem suas “Ferraris” no fiofó, egocêntricos de merda que são pois não criam valores humanos dignos mas perpetuam o que há de mais simiesco na natureza humana: a vontade de ser o macaco alfa.

Almofadinhas bundões!

 
113 Comentários

Publicado por em fevereiro 18, 2012 em Uncategorized

 

113 Respostas para “Manifesto do Surf:

  1. Patriarca da Paciência

    fevereiro 22, 2012 at 10:11 am

    Lógica capitalista – reciclar não é bom negócio:

    “O que, segundo ele, é natural, pois seguindo a lei da oferta e da procura, esse aumento na coleta fez os preços dos materiais despencarem.

    — Se os compradores antes pagavam R$ 0,50 pelo quilo do papelão, em dezembro e janeiro o valor caiu para R$ 0,14 —, diz supervisor do setor de limpeza pública da Seinfra, Fábio Elling. Uma queda que vem afetando também as ações de cooperativas.

    Segundo a presidente da Associação Ecológica dos Catadores e Recicladores de Joinville (Assecrejo), Joelma Reges Costa, a queda nos preços fez com que os associados tivessem de trabalhar dobrado para conseguir a mesma renda no fim do mês. O que tem tornado a rotina ainda mais desgastante para os trabalhadores, que muitas vezes acabam optando por outra atividade.”

    http://www.clicrbs.com.br/anoticia/jsp/default.jsp?uf=2&local=18&section=Geral&newsID=a3671853.xml

     
    • surfando na jaca

      fevereiro 22, 2012 at 10:22 am

      Ou seja, está aumentando o lixo do consumismo brasileiro.

       
    • Brancaleone, Broncão para os chegados...

      fevereiro 22, 2012 at 11:24 am

      Detalhe –
      Reciclar paga os mesmos impostos que produzir à partir de matérias primas virgens
      Produtos produzidos à partir de reciclados pagam os mesmos impostos que produtos baseados em matérias primas virgens ou seja, reciclar não é um bom negócio. Nem o Governo esta interessado em ampliar a reciclagem.

      Um exemplo simples de boa lei – idéia minha é claro – Todo e qualquer tipo de impresso a ser distribuido e/ou afixado em via pública deve ser em papel reciclado – isso inclui santinhos de políticos, propaganda de vidente e anuncios imobiliários. Já que 95% destes papéis vão para o lixo uns 10 segundos depois de entregues ao público, que sejam de papel reciclado…

       
      • surfando na jaca

        fevereiro 22, 2012 at 2:08 pm

        Idéia boa, Broncão.

         
      • Proftel

        fevereiro 23, 2012 at 8:26 pm

        Bela idéia, devia virar Lei!

        🙂

         
  2. Patriarca da Paciência

    fevereiro 21, 2012 at 3:59 pm

    Parece que um famoso cientista norte-americano não anda muito contente com os rumos da ciência nos Estados Unidos.

     
    • surfando na jaca

      fevereiro 21, 2012 at 6:53 pm

      Patriarca, o Sagan morreu em 1996. Antes nos avisou incessantemente sobre a necessidade de popularizar a ciência. Bela entrevista. Respeitar as religiões e a ciência. Dar à ciência o que é da ciência e à religião o que é da religião.

       
  3. Patriarca da Paciência

    fevereiro 21, 2012 at 3:49 pm

    Aprenda a espancar corretamente sua esposa:

     
    • surfando na jaca

      fevereiro 21, 2012 at 8:01 pm

      Sem comentários…

       
  4. Patriarca da Paciência

    fevereiro 21, 2012 at 11:47 am

    Surf,

    vou repetir aqui o comentário que fiz abaixo:

    eu sempre tenho falado que os Estados Unidos não vão acabar, nem mesmo diminuir, simplesmente vão perder a hegemonia. Ou seja, os Estados Unidos não vão acabar, mas o “Império” vai.

    Tenho visto em várias pulbicações que a China hoje em dia registra mais patentes que os Estados Unidos.

    E milhões e milhões de doutores, bem treinados e bem preparados, não irão simplesmente aplicar tecnologia – tem todas as condições para desenvolverem tecnologia.

    Aliás, muitas das grandes invenções que revolucionaram o mundo são chinesas.

     
    • surfando na jaca

      fevereiro 21, 2012 at 12:13 pm

      Sem dúvida, Patriarca. É um grande povo e que foi capaz de fazer uma revolução socialista para fugir da fome. O problema do investimento em ciência e tecnologia é que ele é muito caro e se ampara num monopólio nacional e desigualdade de recursos. Veja que a China ainda não conseguiu obter o domínio da tecnologia de transmissão de imagens por satélites. E assim vai. A ex-URSS, que investira incrivelmente na corrida armamentista e em alta tecnologia foi vencida pelos EUA e abriu o bico. O setor mais evidente desse monopólio é a informática. Basta localizar no mapa os centros de produção dessa frente de alta tecnologia: os EUA!
      Vai levar muito tempo para os chineses inventarem a pólvora,o sorvete e o macarrão novamente.

       
  5. Jose Mario HRP

    fevereiro 21, 2012 at 10:45 am

    Dinheiro é bom, mas viver para ganhar é babaquice.
    Depois nós vamos pra cucuia e ele fica aí para os outros!
    Curtam, ajudem e vivam!

     
    • surfando na jaca

      fevereiro 21, 2012 at 11:42 am

      HRP é menos um aloprado do capitalismo. Siga o exemplo dele, Broncão.

       
    • BRANCALEONE

      fevereiro 21, 2012 at 10:42 pm

      Prezado HRP…
      Quando eu “for para a cucuia”, quero que minha esposa e filhos sigam o cortejo chorando (ainda que falsamente) e a bordo dum belo carro e não um “onibus da prefeitura”.
      Dinheiro pode não trazer felicidade, mas nunca encontrei um miserável feliz…

       
  6. BRANCALEONE

    fevereiro 20, 2012 at 11:58 pm

    Surf.
    O que pregas em seu manifesto é o surgimento do homo sapiens 2 – Versão mais nova e voluída do modelo já obsoleto que somos nós…
    Num dá. Para que existam seres como os que voce pretende nós teremos que nos extinguir -e de fato estamos a caminho disso –
    Acumular bens, poder e riquezas e atirar isso na cara dos demais é a síntese dos humanos. Foram essas virtudes que nos tiraram das cavernas e colocaram alguns em Alphaville – e todo o resto nas periferias…
    É meio nojento e francamente imoral mas é humano e é o que mantem a economia mundial funcionando nos últimos 5 ou 10.000 anos.
    Admito que a ‘nova era’ proposta em seu texto é bunitinha, um mimo de candura e excelente para motivar mais alguns a montarem barracas nos ‘ocupem a p… de tal lugar qualquer’ mas fica nisso.
    O homo sapiens não chegará a este ponto nunca – e se chegar, que seja muito tempo depois da morte do meu trisneto – não quero nenhum herdeiro meu testemunhando o fim da minha espécie…

     
    • Patriarca da Paciência

      fevereiro 21, 2012 at 6:24 am

      As pessoas não trabalham e se esforçam apenas para acumularem dinheiro e sim pelos benefícios que o dinheiro proporciona.

      Ou seja, o que as pessoas procuram mesmo é serem aceitas como são e, recompensa das recompensas, serem amadas.

      Pessoas que são bem aceitas e amadas nunca são arrogantes.

      Ser temidas é um subproduto de ser amada.

      Geralmente uma pessoa que é temida pensa assim; já que não consigo ser amada, pelo menos posso ser temida.

       
      • surfando na jaca

        fevereiro 21, 2012 at 10:22 am

        Patriarca, o dinheiro é uma função social de poder e status, não tem um fim nele próprio, já nos dizia um antropólogo economista genial, Polanyi.

         
    • surfando na jaca

      fevereiro 21, 2012 at 10:20 am

      Tem que dar, Broncão, senão vc. não terá mesmo trisnetos e nem bisnetos para testemunhar coisa alguma. A crise do modelo energético se aproxima e a nossa sociedade industrial é energia, como dizia Lenin.

       
  7. Proftel

    fevereiro 20, 2012 at 11:32 pm

    Pessoal, vou nessa.

    ::

     
  8. surfando na jaca

    fevereiro 20, 2012 at 6:24 pm

    Proftel,
    acho mesmo que um ataque “cirúrgico” poderia ser uma opção para os EUA contra o Irã. Uma coisa é verdade, os EUA não poderão admitir um país islâmico independente e com armas nucleares. Inutilizaria toda a política ianque com Israel para controle do Oriente Médio. Por outro lado, Um conflito aberto e demorado no Irã seria uma cartada muito arriscada, comprometendo a economia e arriscando um conflito generalizado na região.
    Por que vc. se acha tão convicto dessa catástrofe armada?

     
    • Proftel

      fevereiro 20, 2012 at 11:16 pm

      Surf:

      A coisa vai acontecer, só não se sabe quando direito, provavelmente em março.

      🙂

       
      • surfando na jaca

        fevereiro 20, 2012 at 11:23 pm

        Uau, já tem data marcada?

         
        • Proftel

          fevereiro 20, 2012 at 11:35 pm

          Surf:

          Pouco antes ou depois mas, tá marcada.

          :-/

           
    • Patriarca da Paciência

      fevereiro 21, 2012 at 6:29 am

      Surf,

      “cirurgia” no Irã é tiro pela culatra.

      Espero que os Israel e Estados Unidos não se metam em tamanho vespeiro.

      Os iranianos são muito mais determinados e bem preparados que os vietnamitas.

      Se Israel se meter a bombardear o Irã será uma calamidadae imensa e também um suicídio.

       
  9. Proftel

    fevereiro 20, 2012 at 5:02 pm

    Estava procurando no Google um texto meu perdido (Portugal vira Estado brasileiro Proftel) quando se me deparei nisso lá no japa:

    FDA disse:
    14/08/2011 às 6:45

    “La folie à deux” ou loucura virtual?

    O Saka tem razão: “quem vê pela TV o quebra-quebra” a Londres pensa logo no “vandalismo” urbano. Mas será que é isso que o Saka chama “Democracia”?

    No post anterior, li que face à dificuldade imposta pelos “filtros” do blog, o comentarista Verme propõem a criação de “um blog paralelo a este”.

    Coincidência ou não, esta semana participei a criação de novo blog. Uma discussão atirou minha atenção. O comentarista “Jesus era Comunista” afirma ao Surfando: “este blog realmente foi uma ideia minha”.

    Não vale a pena se focalizar na confusão mental evidente existente entre o “Eu” e o “meu”. A significação é evidente: se a “ideia” é “minha”, a criação “foi minha”, logo no “meu” ou na “minha” tem um “Eu” virtual.

    A questão é então de saber: quem é este “Eu” virtual? Do “Fred”? Do “Alfalante”? Do “Jesus era comunista” , etc ? A essa questão o internauta responde: “houve a necessidade de se introduzir o personagem Alfalante”.

    Ou melhor, como diz o saber popular brasileiro: “a necessidade faz o ladrão”. Necessidade de Ser, de existir serve aqui de pretexto a explicar tudo: o roubo, a mal honestidade, a perversidade, o desejo de poder, o vandalismo urbano, mediático, a democracia, etc.

    “Para” o “eu poder”, ou seja, para existir como Ser de Poder, foi necessário que o Eu do comentarista se multiplique: “separar o Fred – Jesus era Comunista – participante do blog, do implementador do blog”.

    Mas existe um risco para esse tipo de multiplicação da personalidade virtual: “As vezes no ardor da batalha, digo, no entusiasmo do debate esqueço de mudar de um para o outro, mas é de imediato corrigido”!

    Mas se Isso explica o aquilo, o leitor Surfando tem toda razão de perguntar se o “ardor da batalha”, o “entusiasmo”, o “esquecimento”, etc, não seriam sintomas de “Delírios persecutórios”ou “Paranoia braba”!

    Pena que o leitor esqueceu de colocar a questão fundamental: a de saber se par o internauta “normal”, ou seja aquele que não apresenta características de distúrbio comportamental aparente, não existiria um risco do que o francês chama “la Folie à deux (“Loucura a dois”).

    Continua…
    Responder

    FDA disse:
    14/08/2011 às 6:47

    Ou seja, que uma sintomatologia psicopatológica na qual sintomas psicóticos, como distúrbio da personalidade virtual , seriam compartilhados por duas ou mais pessoas virtuais?

    Quando Sartre diz que o inferno é sempre o outro, Lacan replica: o inferno é o fantasma do outro que cada um transporta dentro de se mesmo. No fundo, a questão é então de saber se nessas visões “Infernais” urbanas, “fantasmagóricas”, “Egocêntricas”, “Altruístas” não seriam simples “transposição”, invenções filosóficas, psiquiátricas ou jornalísticas, da nossa “realidade” quotidiana.

    Justamente aquelas que fogem da compreensão.

    Na Grecia Antiga a distinção entre “Democracia” e “Barbaria” era muito simples: o primeiro era o poder (Kratos) do povo da Demos, enquanto o segundo era o poder da Força e da Violência…

    Mas serà que hoje em dia essas distinções ainda fazem sentido?”

    Juro prôceis, caiu o queixo, não tinha lido isso antes de hoje.

    De qualquer forma, cada um no seu quadrado:

    hehe.

     
    • Proftel

      fevereiro 20, 2012 at 5:30 pm

      Infelizmente o imbecil do FDA não deve ter lido como o Alfalante começou.

      Eu estava conversando com o Fred no Messenger, ele lá no Rio Grande no Norte e eu aqui em Anápolis, eram umas onze da noite.

      Estava conversando com ele sobre a saudade do Weblog, a bosta que tava o pindorama etc. e, sugeri a ele criar um espaço no que, ele prontamente criou (o cara é fera, podem crer) antes da uma da manhã.

      Daí pra frente eu catei minha lista de contatos e saí distribuindo e-mail’s, fazendo propaganda do novo espaço.

      Foi assim que começou essa bagaça chamada “Alfalante”.

      De minha parte só de vez em quando ia no Sakamoto, o FDA esquece que quando vir “Proftel” em comentários sou eu mesmo, não troco nem a páu meu nick, isso já lá se vão quase vinte anos.

      Confrades como o HRP, o Surf, a Alba, a Gwyn, Nat, até o Pax dentre outros são respeitados na Rede, é gente que com propriedade fala e conversa a anos. O blog do Sakamoto, com todo respeito, é restrito, tacanhamente restrito aos que lá comentam sobre pequenos problemas locais, não tem uma visão de Geopolítica como esse aqui apresenta.

      Não há o que comparar e, não há como fazer diferente, não foi a partir de lá que surgiu o Alfalante, ele surgiu da necessidade de alguns sujeitos metidos a intelectual externarem seus pensamentos sem bloqueios assistindo seus comentários serem publicados sem “captchas” ou “esperando moderação”.

      Quem pensa rápido quer soluções rápidas, isso na maioria dos blogs não se encontra.

      Nunca tive nada contra o FDA até hoje mas, depois do postado acima, deu um gostinho muito bão o alcunhar de imbecil com letras minúsculas (todo cara metido a francês sabe o que isso significa).

      Não gostei do que escrevi acima mas, é o que estou sentindo, estou p. da vida com o que li da parte do FDA, podem crer.

      Ele que apareça aqui com outra “corrente” para soltar jornalista francês detido nos quintos pra ver.

      Tô nem aí se o FDA é velho e pai de jornalista famoso ou ainda tem livro escrito, está comentando na Rede é como eu, a coisa fica de igual pra igual.

      :-/

       
    • surfando na jaca

      fevereiro 20, 2012 at 5:52 pm

      O FDA era assim,cafundia tudo num mesmo parágrafo, mas tinha grandes sacadas. Era um egocêntrico de carteirinha expedida pela ordem em que é presidente. De qualquer forma, Proftel, o velho udenista merece um crédito de paciência. Claro que está já completamente gagá e ainda arrasta essa cruz de ser pai do foca do Estadão. Não me chateio com as barbaridades que escreveu contra mim, às vezes até me pareciam ótimos conselhos. O chato é ele achar que deve ser a malévola consciência dos outros a todo instante. Ou seja, é o próprio inferno dos outros.

       
    • surfando na jaca

      fevereiro 20, 2012 at 8:44 pm

      Isso dá até dor de cabeça: ário, ário,ário, putz que los pariu.

       
  10. Proftel

    fevereiro 20, 2012 at 4:17 pm

    Pessoal, eu sempre procuro vídeos feitos pela molecada de colégio, eles captam a essência da coisa.

    Os oficiais na maioria das vezes tem muita propaganda e são chatos bacarai.

    🙂

     
  11. Proftel

    fevereiro 20, 2012 at 3:08 pm

    HRP, Surf, Patriarca da Paciência, Compadre Brancaleone, Colafina, demais Confrades e Confreiras:

    🙂

     
    • Patriarca da Paciência

      fevereiro 20, 2012 at 3:30 pm

      Muito bom, Proftel,

      muito bom mesmo.

      Gostei pacas.

      O Juca Chaves é sempre surpreendente.

       
      • Proftel

        fevereiro 20, 2012 at 4:18 pm

        Patriarca da Paciência:

        Grato!

        🙂

         
    • surfando na jaca

      fevereiro 20, 2012 at 6:17 pm

      Caraco, que eu e a Memento estamos fazendo nesse clip?

       
  12. Proftel

    fevereiro 20, 2012 at 2:23 pm

    Melô fo fim do mundo:

    hehe

     
    • surfando na jaca

      fevereiro 20, 2012 at 8:32 pm

      Lesgalzinho. Esse Dinho Ouro Preto é um tanto cabeçudo. Mas o que esperar de um cantor de rock? Juventude de rock não ouvir coisa muito elaborada porque perde a espontaneidade do rock.

       
      • surfando na jaca

        fevereiro 20, 2012 at 8:33 pm

        não consegue ouvir.
        Putz, fiz uma frase de Juruna.

         
  13. Proftel

    fevereiro 20, 2012 at 12:44 pm

    Pessoal, os gringos sempre pagaram preço de banana na gasolina, agora o fiofó tá ardendo.

    Na década de 70, aqui no Brasil o governo militar proibiu os postos de gasolina de abrirem sábados e domingos, alguém lembra quando pequeno ter viajado com galão de 10 litros entre as pernas com aquele puta cheiro de gasolina dentro do carro mesmo com vidros abertos?

    Depois veio a era do alcool.

    O preço da bagaça por lá (nos EUA) tá subindo e o consumo diminuindo, os caras estão ficando apavorados, confiram:

    http://translate.google.com/translate?hl=pt-BR&prev=/search%3Fq%3Dendoftheamericandream%26hl%3Dpt-BR%26biw%3D1262%26bih%3D865%26prmd%3Dimvns&rurl=translate.google.com.br&sl=en&u=http://theeconomiccollapseblog.com/

    🙂

     
    • Proftel

      fevereiro 20, 2012 at 1:13 pm

      Escrevi isso num blog gringo, tá aguardando moderação, traduzi no Google tradutor e postei:

      “No Estreito de Ormuz passa de 30% a 40% do petróleo mundial (não 20% – leia mais a Wikipédia – quem diz “20 %” são os senhores da Guerra).
      Numa largura de 20Km e profundidade máxima de 60 metros é facilmente fechado com ajuda de minas ou mini-submarinos.
      Como disse um general Iraniano, fechar o Estreito de Ormuz é como tomar um copo d’água.
      China importa 30% do petróleo que utiliza do Irã (não é pouco, faz muita diferença).
      Irã e Síria são aliados, se um for atacado o outro sairá na defesa, Rússia não quer saber de mais um aliado perdido no sudoeste, China não irá ficar sem seu petróleo Iraniano.
      Isso tudo nos levará à Terceira Guerra Mundial.
      Russia desenvolveu um míssel especialmente para afundar Porta-aviões, vendeu alguns para a China que aprimoraram a coisa, Síria e Irã tem esses mísseis antinavio também (que chegam a mach 4 na aproximação, você não o vê, só sabe que afundou quando a água lhe bate na bunda).
      Israel está brincando com fogo, tomara que os EUA não entrem na conversa israelense porque daí vem o caos.
      Oriente Médio hoje está um barril de pólvora.
      O pior é que o pavio foi aceso.

      :-/

       
  14. Colafina

    fevereiro 20, 2012 at 12:39 pm

    Proftel,
    Esse também é um clássico da minha infância!

     
    • Proftel

      fevereiro 20, 2012 at 2:03 pm

      Colafina:

      Eu e minha irmã, quando a gente ia nas “Pernambucanas” lá em São Vicente na década de “60” (eu com uns seis anos e ela com cinco) éra-mos vigiados atentamente pelos vendedores.

      Fizemos muitos estragos por lá.

      Naquela época as “Pernambucanas” vendia só rolos de tecido, em cada rolo havia um fiozinho com etiqueta.

      Eu e minha irmã passava mos pelos corredores “catando” aquelas etiquetas, era só fazer “tchum”, puxar o papelzinho pra baixo e ir guardando como se fossem cartas d’um baralho.

      Hoje suponho que era o controle dos caras kkkkkk. De certa feita minha mãe deu uma baita surra em nós dois por conta do preju.

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk…

      :- )))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

       
  15. Patriarca da Paciência

    fevereiro 20, 2012 at 10:05 am

    O que você acha, Surf?

    segundo consta, os Estados Unidos devem três trilhões de dólares para a China.

    Segunda consta também, pelo poder de compra, conforme cartilha publicada pela CIA, o PIB da China já é igual ao PIB dos Estados Unidos.

    E, segundo consta também, a China tem cinco vezes mais soldados que os Estados Unidos.

    E, segundo consta também, os universitários chineses são bem mais preparados que os universitários norte-americanos.

    E, segundo consta também, é totalmente invevitável que a China supere os Estados Unidos em tudo.

     
    • Proftel

      fevereiro 20, 2012 at 10:45 am

      Patriarca da Paciência:

      Não sou o Surf mas vou meter a colher no comentário.

      Li um tempo atrás sobre os Engenheiros Chineses, o artigo dizia que eles se formam na China, vão para os EUA fazer alguma especialização e na volta passam por um teste de proficiência, muitos são reprovados porque não atingem os “padrões de excelência” chineses.

      O artigo era sobre Educação na China, também falava sobre a disciplina dos alunos (comparada ao dos estudantes japoneses) e o respeito aos professores.

      Bom, é isso.

      🙂

       
    • surfando na jaca

      fevereiro 20, 2012 at 1:47 pm

      Vou-lhe responde, Patriarca, novamente com os mesmos argumentos. Todos esses dados são conhecidos, inclusive a projeção do pib da China vir a superar o dos EUA. Mas me responda: Para onde vão os chineses buscar uma boa formação universitária? Onde os chineses investem em papelório do governo? A China precisará superar a questão tecnológica, que é hoje o grande gargalo para a quarta etapa do capitalismo, a do domínio tecnológico. Não basta se industrializar, mas alcançar a situação de produtor de tecnologia e ciência. Uma indicação de leitura: Francisco de Oliveira, O Ornitorrinco.

       
      • Patriarca da Paciência

        fevereiro 20, 2012 at 6:53 pm

        Surf,

        a Coreia do Sul é hoje uma potência tecnológica. O Japão é uma potência tecnológica. Com seus milhões de universitários, e olha que são muitos milhões mesmo, bem preparados e muito aplicados, a China não terá grandes problemas para desenvolver tecnologia de ponta.

         
        • surfando na jaca

          fevereiro 20, 2012 at 11:21 pm

          Caríssimo Patriarca, falo de desenvolvimento de novas tecnologias e não de aplicação. Só vc. olhar para a classificação das universidades, as três maiores do mundo são dos EUA (Harvard, Mit, Stanford). Alguém já imaginou um brasileiro querendo se pós-graduar na Coréia do Sul? Sim, o Japão é um país de Primeiro Mundo, mas que japonês já ganhou o Premio Nobel? Acho que vc. se lembra da década de 90, quando o mundo parecia que iria ser comprado pelo Japão, falava-se que o Japão havia ganho a guerra na paz, subordinando os EUA ao seu ínio. Ninguém mais fala disso pelos mesmos motivos que a China não dominará os EUA, mas vai afundar com eles, se um dia afundarem. Mas vc. é livre para pensar como quiser, mas não convenço dessas teorias mirabolantes do fim do Império.

           
          • Patriarca da Paciência

            fevereiro 21, 2012 at 6:19 am

            Surf,

            eu sempre tenho falado que os Estados Unidos não vão acabar, nem mesmo diminuir, simplesmente vão perder a hegemonia. Ou seja, os Estados Unidos não vão acabar, mas o “Império” vai.

            Tenho visto em várias pulbicações que a China hoje em dia registra mais patentes que os Estados Unidos.

            E milhões e milhões de doutores, bem treinados e bem preparados, não irão simplesmente aplicar tecnologia – tem todas as condições para desenvolverem tecnologia.

            Aliás, muitas das grandes invenções que revolucionaram o mundo são chinesas.

             
  16. Jose Mario HRP

    fevereiro 20, 2012 at 7:29 am

    Nat paxiana andou mal?
    Não sabia não…….
    Bom dia, Irã corta petroleo de França e Reino Unido.
    Tio Sam e demais comparsas “clamam” a Israel para que ele não ataque i Irã!
    Segundo um chegado meu o Irã recebeu finalmente “na surdina” os misseis antiaereos que haviam comprado da Rússia e esta relutava em entregar por pressão do v elho de barbicha!
    Se isso aconteceu fica mais dificl a Israel tentar um ataque cirurgico no Irã!
    Portugal vai acabar dando o cano e deffault vem aí!
    Grécia entre a faca e o fuzil!
    Esse ocidente que inventou o carnaval e o diabo está uma decadencia só!
    Eu, gripado, gosto de remédio na boca e 04 dias stand by aqui em casa, sem poder ir a baixada, e com medo do que os técnicos possam aprontar na fábrica!
    Carnaval já não serve pra nada, a mulher está tritinha, e ainda mais gripado!
    Bom dia!

     
    • Proftel

      fevereiro 20, 2012 at 10:38 am

      HRP:

      Por aqui a gripe grassa também.

      Pelo menos você me dá razão nas preocupações sobre uma III Guerra Mundial.

      Não esquente com os Técnicos da Fábrica, se estão lá e foram treinados por você são competentes.

      🙂

       
  17. Proftel

    fevereiro 20, 2012 at 1:41 am

    Pessoal, aqui está um vento geladinho legal, ainda há uma skór na geladeira que vou usar quando acordar até que o “disk-cerveja” vier pra abastecer a bagaça de novo.

    Vou nessa pensando nisso:

    Té manhã.

    🙂

     
  18. Proftel

    fevereiro 20, 2012 at 1:09 am

    A patroa dormiu mas deixou o note dela no quarto tocando a Alfa FM.

    Recomendo, é uma programação prá lá de excelente!

    Tanto ela quanto a Duda passaram sábado e domingo acordando cinco da manhã e catando buzum seis e meia para Goiânia pra assistir Congresso das Testemunhas de Jeová da Congregação delas (a patroa é “TJ” desde os 14 anos de idade).

    A cada seis meses isso acontece. Elas vão rezar e eu faço jejum, fico só nas Skór acordando dez da manhã e varando as madrugadas.

    A maioria dos vizinhos estão na “Serra da Mesa”, “Pirenópolis”, “Três Ranchos”, “Goiandira” ou em alguma fazenda. O bairro inteiro está silencioso que dá pra ouvir só o barulho do cooler do computador e um zunido nos ouvidos (comprovei isso agora pouco quando fui buscar outra Skór lá na “conzinha” que fica no andar de baixo, o zunido no tímpano aumentou de tanto silêncio.

    Aqui do escritório ouço o note da patroa tocando a rádio e só.

    “Trem bão sô!”

    hehe.

     
  19. Proftel

    fevereiro 20, 2012 at 12:52 am

    Surf:

    As libertárias tão dormindo (menos a Quequel, ela tá on-line no Messenger mas não responde, conexão ruim pacas – tomara que desenvolvam tecnologia pra passar cabo óptico no leito do Amazonas) kkkkk.

    As libertinas, é só ligar a TV que você saca onde estão kkkkkkk.

    🙂

     
  20. Proftel

    fevereiro 20, 2012 at 12:31 am

    Pelo jeito os caras que trabalham com clima na Europa estão como os economistas, dizendo que a coisa irá melhorar na semana que vem kkkk, putz, humor negro na veia da testa!

    Dêem uma olhada nessa imagem de agora pouco:

    :-/

     
    • surfando na jaca

      fevereiro 20, 2012 at 12:42 am

      Libertários e libertárias (cadê as libertárias????),
      uma boa madrugada aos residentes desse blog livre e democrático.
      Uma lastimável fatalidade carnavalesca, mas é menos um cantor histérico de breganejo nas paradas enchendo meu saco com seus trêmulos de voz qual uma saracura do brejo.

       
      • Proftel

        fevereiro 20, 2012 at 12:49 am

        Uai Surf!

        Não acabou a garrafa de wisky ainda?

        De minha parte ainda tenho duas Skór na geladeir e metade d’uma aqui do lado kkkkkk!

        🙂

         
      • Proftel

        fevereiro 20, 2012 at 1:22 am

        Aqui no Centro Oeste se diz “voz de taquara rachada”.

        Dá na mesma, não deixa de ser um porre.

        Sua conexão permitiu assistir “Admirável Mundo Novo” que linkei abaixo?

        🙂

         
    • Proftel

      fevereiro 20, 2012 at 12:42 am

      Outra coisa, procurem a Corrente do Golfo aqui:

      http://www.ssec.wisc.edu/data/sst/

      Acharam?

      Nem eu!

      hehe.

       
      • Proftel

        fevereiro 20, 2012 at 1:17 am

        Esse calor excessivo na linha do Equador com a de Greenwich “0 com 0” (zero com zero) no Atlântico pode significar furacões insanos nos EUA a partir de outubro.

        Dado a conferir.

        hehe.

         
  21. Proftel

    fevereiro 20, 2012 at 12:14 am

    Tá lá no G1:

    “Cantor sertanejo morre no RS ao levar choque em baile de carnaval”

    Com todo respeito a dor da família, não dá pra saber se foi fatalidade.

    É como subir o Everest.

     
  22. Proftel

    fevereiro 20, 2012 at 12:02 am

    A patroa antes de “apagar” confidenciou que passou por aqui e ficou assustada. Segundo ela no Bostebook no máximo umas três linhas em cada comentário, no máximo cinco ou seis pessoas comentam.

    Infelizmente a patroa não acompanhou a evolução da coisa.

    Naquele tempo de antigamente havia um cara chamado “Barba Negra”, um outro chamado “Tropeiro Oculto” e mais uma pá de gente boa.

    No tempo do acesso discado em Catalão (uns meses antes em Sampa também) a página levava um bom tempo pra carregar, era um sufoco só pra ler a bagaça ou ouvir reconectar com aquele barulhinho assim:

    Naqueles tempos também havia uma brigaiada lascada sobe qual navegador seria mais rápido (Internet Explorer ou Netscape) no Win 95!

    Bom, parece que o povo está voltando às origens ao escrever pouco, não sacam usar os recursos de hoje onde conseguimos soltar uns “tijolos”, soltar o verbo, a coisa tá regredindo.

    Pena que naquele tempo a gente não tinha banda larga, a veiaria intelectual tá morrendo, a nova geração mal sabe interpretar um texto, produzir um então, nem se fale, só copiando e colando.

    :-/

     
  23. Proftel

    fevereiro 19, 2012 at 11:21 pm

    Pessoal, já fui chefe chato pacas daqueles que gostavam das coisas nos “míiinimos detalhes”. Chefe detalhista, justo sem ser pedante.

    Desde que tomei aquele tiro na barriga numa terça de carnaval fico em casa enclausurado e pensando assim: “quanta merda garrando, quanta gente morrendo, inda bem que levei aquele pipoco…” .

    hehe.

     
  24. Jose Mario HRP

    fevereiro 19, 2012 at 8:25 pm

    A prima do Surf, continua solitária…………….

     
    • surfando na jaca

      fevereiro 19, 2012 at 9:03 pm

      Ué, cadê a minha prima Nat, HRP? Ainda não arrumou um otário? Nem aquele Natura verdureba do guru Pax? O que é a vida…

       
      • Proftel

        fevereiro 19, 2012 at 10:03 pm

        HRP & Surf:

        Segundo a patroa a Nat ainda tá viva lá no Facebook até uns meses atrás.

        Andou postando coisas estranhas e pelo jeito o contato se perdeu.

        🙂

         
        • Colafina

          fevereiro 19, 2012 at 10:46 pm

          Proftel,
          A Nat está viva e ativa até hoje, desde sempre… 🙂

           
          • surfando na jaca

            fevereiro 19, 2012 at 11:44 pm

            Está aí um motivo para não se gostar de carnaval: pipoco na barriga.
            A prima Nat está vivíssima do Facebook, segundo o coroné Colafina. Ora bolotas, como uma prima de parte do poetinha entraria nessa de solidão: até o amor que não compensa é melhor que a solidão…Soube até que ela estava se cuidando e frequentando um spa e coisa e tal. Tava dando bom dia até para o Araribóia ao embarcar para o Rio.

             
      • Proftel

        fevereiro 19, 2012 at 10:16 pm

        Surf:

        “… Ainda não arrumou um otário?” .

        Fiquei aqui pensando com meus botões….

        Regras de proporcionalidade são difíceis de concatenar na vida real… .

        :-/

         
  25. Patriarca da Paciência

    fevereiro 19, 2012 at 7:33 pm

    Profte e Surfl,

    vou repetir um comentário que fiz abaixo, para não deixá-lo “perdido”.

    Essas visões pessimistas do mundo, de que viraremos algo como robôs biológicos, é muito perturbador mas não acredito em tais teorias calamitosas.

    O ser humano sempre será um ser humano.

    Ainda poucos dias vi um documentário sobre os kamikases, talvez o tipo humano mais parecido com um robô biológico que os “políticos” já conseguiram. O sentimento que movia os pilotos suicidas era bem humano, muito humano mesmo.

    Eles eram “treinados” ouvindo que eram a única salvação do Japão, que o Japão estava nas mãos deles, assim como todas as mulheres, crianças idosos etc. E sentiam muito medo ao caminhar para o sacrifício, simplesmente não podiam recuar. O recuo era totalmente desenroso, tornando impossível qualquer possibilidade de vida digna.

    Ou seja, os caras se sentiam como verdadeiros heróis… ou santos.

    É bem por aí. Os nazistas usavam dos mesmos artifícios.

    Mas um dia a realidade é mais forte, o castelo de cartas desmorona e a vida real retoma seu curso.

    Proftel,

    vários estudiosos comprovaram que os indígenas eram bem mais tolerantes que os brancos.

    Nunca espancavam crianças ou mulheres.

    Não brigavam por disputa passional.

    Tinham grande respeito pelos idosos.

    Estas coisas é que encantaram vários estudiosos, como o Darcy e o Paulo Freire.

     
    • Proftel

      fevereiro 19, 2012 at 10:11 pm

      Patriarca da Paciência:

      A bugrada não espanca mulheres porque vivem trocando, tem respeito por idosos porque carne velha é dura pacas, Darcy, Paulo e uns outros irmãos por aí deixaram uma herança genética entre as tribos que você nem imagina kkkkk.

      O dia que alguém pegar prá capar e pesquisar sobre o que esses caras mais os jesuítas fizeram com a bugrada em matéria de genética, sai debaixo.

      hehe.

       
      • Patriarca da Paciência

        fevereiro 20, 2012 at 10:28 am

        Proftel,

        os idosos tem carne dura e pouca, como diria o joão Cabral de Melo Neto.

        Mas você viu o tanto de realizações do Darcy Ribeiro?

        O Cara parecia trabalhar 24 horas por dia.

        Já pensou em ter capacidade para convencer governos a criar universidades, fundações, museus, bibliotecas, rede de escolas etc.

        E participava do planejamento e da execução.

        Sinceramente, acho que o cara era muito bom.

         
  26. Proftel

    fevereiro 19, 2012 at 7:10 pm

    Isso é Carnaval.

    A moça mandou bem:

    🙂

     
    • surfando na jaca

      fevereiro 19, 2012 at 9:20 pm

      Putz, tão bonitinha e revoltada com o carnaval. Bobagem querer reduzir o carnaval a essa lamúria toda. A festa pagã é mais antiga do que a jornalista pensa. Já o carnaval carioca, como a gente conhece, com as grandes escolas de samba, é coisa bem mais recente, do colonial entrudo oas desfiles das sociedades carnavalescas do início do século XX. Mas a bela tem razão. É uma zona, pois a população carnavalesca se tronou espantosa,aliás, comentário do Jânio de Freitas na Folha. Prefiro curtir minha água de coco gelada no ar-condicionado, vendo o desfile.

       
      • Patriarca da Paciência

        fevereiro 19, 2012 at 9:46 pm

        Eu também não sou de pular carnaval, mas reconheço o grande valor cultural da festa popular.

        Inclusive, pelo que diz o antropólogos, todas as artes tiveram origem nas festas pagãs, bem anteriores a qualquer civilização e que sempre tiveram relação com sexo e fertilidade.

        É algo que está profundamente entranhado no inconsciente humano.

        Demonizar ou desdenhar do carnaval é pura perda de tempo.

        É algo profundamente humano.

         
  27. surfando na jaca

    fevereiro 19, 2012 at 7:03 pm

    Sei lá, meu comentário desapareceu. Escrevia que no Sakamouco, tem minhas lombas direitobas molengas e despreparadas, então tive que descer-lhes a borduna da razão. Pois bem, escrevia ao colega Patriarca, que nunca levei o Darcy totalmente a sério, muita coisa do que dizia era delírio logorréico. Era um intelectual às vezes confuso teoricamente falando,mas criativo. Não tinha vergonha de criar conceitos novos, sem importá-los de algum grande intelectual. Acho o de índio genérico ótimo para o processo de aculturação de nossos indígenas. Mas só entendo esse discurso do Brasil predestinado pela lógica ideológica do nacionalismo do Darcy. Engraçado, é que esse fora o discurso conservador desde o conde Afonso Celso até o Brasil-Potência dos generais.

     
    • Proftel

      fevereiro 19, 2012 at 10:28 pm

      Surf:

      Havia um comentário seu como “spam”, quando você falou “desapareceu” fui direto como administrador da bagaça, achei e, tá aí embaixo liberado de boa.

      Aqui a regra é liberar até “spam” (desde que seja comentário, os “spam” mesmo a gente exclui – e tem aparecido muito, sinal que estamos incomodando kkkk).

      🙂

       
  28. surfando na jaca

    fevereiro 19, 2012 at 6:56 pm

    O blog do Japa tem uns direitobas fraquinhos, daqueles que gostam de apanhar na lomba molenga. Tive que distribuir uns cascudos por lá, obrigatoriamente senão perco a prática.

    Caro Patriarca, o que me espantava no Darcy era o verbo solto, a prosa desbragada. Sempre considerei que metade do que dizia era delírio logorréico. Respeito a obra do Darcy e reverencio sua memória, mas teoricamente era confuso. Criativo, sem dúvida. E um dos poucos intelectuais que possuía a empáfia de criar conceitos ao invés de importá-los. O de índio genérico é ótimo instrumental para a realidade da aculturação indígena no Brasil. Entendia bem a função ideológica de seu discurso, a de criar o mito do país predestinado. Engraçado, esse sempre foi um discurso dos conservadores, do Conde Afonso Celso ao Brasil-Potência dos generais.

     
  29. Patriarca da Paciência

    fevereiro 19, 2012 at 6:39 pm

    Surf,

    voltando ao assunto do Darcy Ribeiro, em uma das suas últimas entrevistas, ele dizia que tinha pena de morrer antes que o Brasil alcançasse o grande destino a que está destinado, ou seja, ser umas das grandes civilizações do mundo. E dizia que o Brasil não só está destinado a ser, como vai ser, e dizia isso com toda a certeza e colocava na mão das próximas gerações a realização de tal tarefa.

    E citava os motivos porque o Brasil inexoravelmente será uma grande civilização: herdou a capacidade de convivência e tolerância dos indígenas, a alegria e musicalidade dos africanos e a ciência dos europeus.

    Acho que são diretrizes fantásticas.

    Sobre tais diretrizes pode-se construir todo um movimento.

    Sobre o fato do Darcy ser mulherengo, já dizia o direitão Nelson Rodrigues.

    “Em suas relações com as mulheres” (coloco em aspas por ser acréscimo meu) há dois tipos de homens – os cafajestes e os santos.

    Os cafajestes simplesmente as comem e não prometem nada. Os santos, não as comem e ficam querendo transar com a alma da mulher.

    Resultado é que os cafajestes deixam as mulheres felizes e os santos deixam as mulheres infelizes.

    E olha que o Nelson Rodrigues, em relação às mulheres, tinha tudo para ser do tipo “santo”.

     
    • surfando na jaca

      fevereiro 19, 2012 at 6:45 pm

      Acho que ele estava falando de um dilema próprio, de como agir com as mulheres. Teve um fato muito engraçado, ele levou a amante para um bispo abençoá-la. Coisas de Nelson Rodrigues, que apanhava da mulher.

       
      • surfando na jaca

        fevereiro 19, 2012 at 6:46 pm

        Se é que tinha amante de fato. Sempre foi uma pessoa caquética.

         
    • Proftel

      fevereiro 19, 2012 at 6:59 pm

      Patriarca da Paciência:

      Realmente, a população hoje está com a “a capacidade de convivência e tolerância dos indígenas”, a maioria só tem borduna (ou tacapes) para se defender.

      Você não pode ter uma espingarda calibre 28 dois canos hoje na sua casa pra se defender, se tiver (mesmo documentada) e usar, vai preso.

      Esse também é um dos motivos de não voltar para a “civilização”, ando de saco cheio do “politicamente correto” que rola aí no Sudeste.

      hehe.

       
  30. Proftel

    fevereiro 19, 2012 at 6:36 pm

    HRP:

    Soltei um tijolo no “Tijolaço” que você indicou ontem ou antiontem.

    Liberaram a babaça agora pouco, tá aqui ó:

    “Proftel says:
    18 de February de 2012 at 22:36
    Uai!
    Vejo aqui muitas opiniões e “achismos”, a maioria do povo provavelmente tem entre vinte e trinta anos de idade.
    Algum de vocês já se perguntou como o Franco Montoro montou o governo dele? Desde já lhes adianto que foi uma baita colcha de retalhos e, dalí saiu o PSDB.
    Trabalhei entre 1985 e 1995 para o Estado de São Paulo no “meio ambiente”, sou paulista e nascido em São Vicente e já lá se vão quatorze anos que resido em Goiás (saí daí por conta d’um tiro na barriga que levei num assalto).
    Lembro bem que a gente tinha uma rede de contatos espalhados pela SUDELPA ao longo do Litoral Sul e, para o “norte” do litoral outra rede com acesso só pelo Rio de Janeiro. No interior de Sampa havia uma turma grande pacas, a maioria ligados à igreja.
    Em 87 com o Quercia a coisa meio que dengringolou, a turma “rachou” por conta de metade ser mais à esquerda que o PMDB.
    O Fleury deixou como tava, o Covas também no primeiro mandato daí, a coisa desandou.
    Tudo que foi conquistado em matéria de Meio Ambiente na época do Montoro desandou (hoje a EE Juréia Itatins está mapeada, pronta para descarte – completamente fora do que se entende por Estação Ecológica.
    As ações d’um grupo juridicamente ativo contestando ações desapropriatórias como as de Sete Barras (Fazenda Valformoso – se bem que essa o Governo Federal meteu as caras ainda na época do Montoro) e Grilo Roncatti (na Juréia) dentre outras como a grilagem de terra em Ubatuba feita pelo Alexandre Radovitch pararam de vez e, até onde eu sei, o governo do Estado de São Paulo pagará uma baba aos grileiros.
    Disse até agora 0,0001% do que rolou nos dez anos. Naquele tempo Fernando Henrique era um professor de bosta metido a francês, Serra um cara economista tacanho (cansei de ouvir isso em conversas particulares de gente graúda do tempo do Montoro e Covas).
    Pois bem, é isso que vocês paulistas tem aí (eu já me considero goiano e gosto muito de ouvir esses caras aqui:

    :-)”

    🙂

     
  31. Colafina

    fevereiro 19, 2012 at 5:27 pm

    Lá no CF&CG tem mais um episódio d’ “A Saga do Cajuru”. http://colafinaecascagrossa.blogspot.com/2012/02/11-o-coronel-e-as-certezas-da-vida.html

    Carnaval enfurnado em casa dá nisso…

     
    • Proftel

      fevereiro 19, 2012 at 6:44 pm

      Colafina:

      Se me desculpe a ignorância, não entendi porra nenhuma.

      Talvez por conta das Skór.

      🙂

       
      • Colafina

        fevereiro 19, 2012 at 10:32 pm

        Proftel,
        Tá desculpado… escrevi imerso em Bohemia!! 😀

         
        • Proftel

          fevereiro 20, 2012 at 1:34 am

          Colafina:

          Dê aí cê tá nas Bohemia e eu cá nas Skór kkkkkkk.

          Tem base não, o texto é “nervoso” (como se diz por aqui – antigamente usavam “custoso”) kkkkkk.

          De boa.

          🙂

           
  32. El Torero

    fevereiro 19, 2012 at 3:35 pm

    Boa tarde pessoal, saudade de vocês, volta e meia passo e leio mas nem cumprimento. Baita falta de educação.
    Volto mais tarde ou amanhã pra dar uma espécie de testemunho nesta parada de trabalho/dinheiro/futuro/familia recém composta(casei faz pouco com uma guria linda inteligente trabalhadeira).
    Beijo a todos..

     
    • surfando na jaca

      fevereiro 19, 2012 at 3:52 pm

      Parabéns, Torero. A vida a dois é boa até as primeiras brigas. Quatro anos é o tempo que se alcança o auge e o declínio de uma relação amorosa. Que Deus lhe abençoe e nova consciência contra a barbárie do século XXI.

       
    • Proftel

      fevereiro 19, 2012 at 5:19 pm

      El Torero:

      Recém casado não manda “beijo” pra marmanjo!

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs :- )))))))))))))))))))))))

       
      • surfando na jaca

        fevereiro 19, 2012 at 5:40 pm

        Pombas, Proftel, o Carecão de Jesus mandava beijos para todo mundo. O problema todo foi aquele zoológico gay.

         
        • Proftel

          fevereiro 19, 2012 at 6:32 pm

          Surf:

          kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk,

          Pior que foi kkkkkkkk.

           
          • Proftel

            fevereiro 19, 2012 at 6:47 pm

            Surf:

            Outra coisa:

            Até fui delicado pacas, não perguntei se era o primeiro casamento, que o primeiro é assim mesmo, que casar é bão e estou no terceiro kkkkkkkkkk.

            kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs :- ))))))))))))))))))))))))))

             
    • Jose Mario HRP

      fevereiro 19, 2012 at 8:24 pm

      Torero, use trabalhadora, o trabalhadeira anda sendo confundido com mulher de ” vida fácil “, pelo resto do país”!
      Boa e gostosa Lua de mel e vida longa cara pálida!

       
  33. Proftel

    fevereiro 19, 2012 at 3:24 pm

    Admiravel Mundo Novo de Aldous Huxley é hoje.

    As classes estão definidas e há mais variedade que o “soma”.

    hehe.

     
    • Proftel

      fevereiro 19, 2012 at 3:30 pm

      Admiravel Mundo Novo aqui:

      🙂

       
      • Proftel

        fevereiro 19, 2012 at 4:32 pm

        A imagem não é lá essas coisas, legal é relembrar esse filme “perdido”.

        🙂

         
      • Patriarca da Paciência

        fevereiro 19, 2012 at 7:23 pm

        Proftel,

        Essas visões pessimistas do mundo, de que viraremos algo como robôs biológicos, é muito perturbador mas não acredito em tais teorias calamitosas.

        O ser humano sempre será um ser humano.

        Ainda poucos dias vi um documentário sobre os kamikases, talvez o tipo humano mais parecido com um robô biológico que os “políticos” já conseguiram. O sentimento que movia os pilotos suicidas era bem humano, muito humano mesmo.

        Eles eram “treinados” ouvindo que eram a única salvação do Japão, que o Japão estava nas mãos deles, assim como todas as mulheres, crianças idosos etc. E sentiam muito medo ao caminhar para o sacrifício, simplesmente não podiam recuar. O recuo era totalmente desenroso, tornando impossível qualquer possibilidade de vida digna.

        Ou seja, os caras se sentiam como verdadeiros heróis… ou santos.

        É bem por aí. Os nazistas usavam dos mesmos artifícios.

        Mas um dia a realidade é mais forte, o castelo de cartas desmorona e a vida real retoma seu curso.

         
        • Proftel

          fevereiro 20, 2012 at 1:28 am

          Patriarca da Paciência:

          Se você não leu o livro (na minha época era leitura obrigatória), tente ver o filme inteiro que vale a pena (se sua conexão permitir).

          Depois a gente conversa.

          🙂

           
          • Patriarca da Paciência

            fevereiro 20, 2012 at 11:51 am

            Caro Proftel,

            na verdade eu li este livro quando era ainda bem jovem e não gostei muito. Não gosto muito do filme também.

            O filme segue o mesmo esquema de milhares de outros filmes norte-americanos, ou seja, toda uma sociedade de bundões e um único casal “salvador da pátria”.

            É exatamente isso que falo, não acredito que a sociedade humana venha a se transormar em algo homogêneo.

            A religião foi proibida na Rússia durante setenta anos e não morreu.

            Dois filhos, criados do mesmo jeito e nas mesmas condições, tornam-se pessoas totalmente diferentes.

            Um “governo central” que controle a vida de todas as pessoas é algo totalmente irrealizável.

            Em suma, a história serve apenas como um bom exercício de imaginação.

             
  34. Proftel

    fevereiro 19, 2012 at 2:45 pm

     
  35. surfando na jaca

    fevereiro 19, 2012 at 2:36 pm

    Republico o comentário lá do Sakamoito:
    Prezados mocorongos e mocorongas,
    não estou pregando a ética franciscana e nem da miséria deliciosa, digo apenas que o consumismo e acumulação de bens é uma idiotice diante da finitude da vida. Que adianta vc. morrer num banco de uma Ferrari? A elite capitalista é composta por psicopatas e que emergem de nossa própria miséria humana. Projetam seus valores e psicopatias como se fosse um fim digno para a existência humana o consumismo. Claro que a conquista do conforto é necessário a todo animal bípede, mas não pode ser um fim em si mesma. Precisamos de uma ética de luta de classe, cujo objetivo verdadeiro da vida seja é o conhecimento científico, a melhoria espiritual e social. Não alimente o ego desses almofadinhas bundões, diga não ao consumismo desenfreado e aos valores bestiais dessa elite arcaica e seu fetichismo mercadológico. Os caras são tão anormais que se satisfazem em conviver com modelos burras, como colecionadores também de mulheres. Mas tudo isso precisa ser mostrado para os outros, como símbolos invejáveis de seu status. Ou seja, nós que lastreamos a loucura dessa canalha de nababos. Consciência para o novo século XXI: socialismo e preservacionismo contra a barbárie psicopata capitalista!!!!

     
    • Proftel

      fevereiro 19, 2012 at 2:38 pm

      Uai, ainda existe o japa?

      Juro que nem lembrava mais do cara!

      Putz!

       
  36. Proftel

    fevereiro 19, 2012 at 1:00 pm

    São duas da tarde, volto em uma hora, vou devolver um computador no vizinho.

    🙂

     
  37. Patriarca da Paciência

    fevereiro 19, 2012 at 11:18 am

    Biografia de Darcy Ribeiro:

    Darcy Ribeiro nasceu em 26 de outubro de 1922 em Montes Claros (MG), no Vale do São Francisco, entrada do sertão nordestino. Em 1946, forma-se em antropologia pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo e dedica seus primeiros anos de vida profissional ao estudo dos índios do Pantanal, do Brasil Central e da Amazônia (1946-1956). Neste período, cria o Museu do Índio e formula o projeto de criação do Parque Indígena do Xingu. Elabora para a Unesco um estudo sobre o impacto da civilização sobre grupos indígenas brasileiros no Século XX e em 1954 colabora com a Organização Internacional do Trabalho na preparação de um manual sobre os povos aborígenes de todo o mundo. Darcy deixou como legado uma vasta obra etnográfica e de defesa da causa indígena.

    Nos anos seguintes, dedica-se à educação primária e superior. Cria a Universidade de Brasília, a UnB, da qual foi o primeiro reitor, e posteriormente assume a pasta da Educação, no Gabinete Hermes Lima. Mais tarde, é chamado por João Goulart para ser ministro-chefe da Casa Civil e coordenava a implantação de reformas estruturais quando aconteceu o golpe militar de 1964, que o lançou no exílio, onde começa a escrever os romances Maíra e O Mulo.

    Em seu retorno ao Brasil, em 1976, volta a dedicar-se à educação e à política, tendo sido eleito vice-governador do estado Rio de Janeiro em 1982. Em 1983, assenta as bases do que viria a ser o Programa Especial de Educação, com o encargo de implantar 500 Cieps, escolas de horário integral para crianças e adolescentes.

    Entre as obras que idealizou, estão a Biblioteca Pública Estadual do Rio de Janeiro, a Casa França-Brasil, a Casa Laura Alvim, o Centro Infantil de Cultura de Ipanema e o Sambódromo, que inicialmente também funcionava como uma enorme escola primária com 200 salas de aula, além do Memorial da América Latina, edificado em São Paulo com projeto de Oscar Niemeyer. Darcy contribuiu ainda para o tombamento de 96 quilômetros de belíssimas praias e encostas do litoral fluminense, além de mais de mil casas do Rio Antigo.

    A propagação de suas ideias rompeu fronteiras. Darcy viveu em vários países da América Latina, onde conduziu programas de reforma universitária, com base nas ideias que defende no livro A Universidade Necessária. Foi assessor do presidente Salvador Allende, no Chile, e de Velasco Alvarado, no Peru. Neste período, escreve os cinco volumes de seus Estudos de Antropologia da Civilização (O Processo Civilizatório, As Américas e a Civilização, O Dilema da América Latina, Os Brasileiros: Teoria do Brasil e Os Índios e a Civilização), livros que atingiram mais de 90 edições em diversas traduções. Neles, Darcy propõe uma teoria explicativa das causas do desenvolvimento desigual dos povos americanos. Como reconhecimento de sua importância, Darcy foi agraciado com o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade de Paris IV – Sorbonne, Universidade de Copenhague, Universidade da República do Uruguai e Universidade Central da Venezuela.

    Elege-se senador da República pelo estado do Rio de Janeiro em 1991, tendo elaborado a Lei de de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB, sancionada pelo presidente Fernando Henrique Cardoso em 20 de dezembro de 1996 como Lei Darcy Ribeiro. Publica, pelo Senado, a revista Carta’, com 16 números (1991-1996), onde os principais problemas do Brasil e do mundo são analisados e discutidos em artigos, conferências e notícias.

    Entre 1991 e 1992, licenciado do Senado, assume a Secretaria Extraordinária de Programas Especiais do Rio de Janeiro. Completa a rede dos Cieps e cria os Ginásios Públicos, um novo padrão de ensino médio. Planeja e cria, em 1994, a Universidade Estadual do Norte Fluminense – UENF, sediada em Campos dos Goytcazes, no Rio de Janeiro, e destinada a ser a Universidade do Terceiro Milênio, na qual assume o cargo de chanceler. Durante a Conferência Mundial do Meio Ambiente – a ECO’92, realizada no Rio de Janeiro, em 1992 – implanta o Arboretum do Viveiro da Floresta Branca, dentro do Parque Floresta da Pedra Branca.

    Escreve dois livros: Utopia Selvagem e Migo. Publica Aos Trancos e Barrancos, um balanço crítico da história brasileira de 1900 a 1980; Sobre o Óbvio, uma coletânea de ensaios; e Testemunho, um balanço de sua vida intelectual. Edita, juntamente com Berta Ribeiro, a Suma Etnológica Brasileira. Em 1992 publica – pela Biblioteca Ayacucho, em espanhol, e pela Editora Vozes, em português – A Fundação do Brasil, um compêndio de textos históricos dos séculos XVI e XVII, comentados por Carlos de Araújo Moreira Neto e precedidos de um longo ensaio analítico sobre os primórdios do Brasil. Neste mesmo ano, é eleito membro da Academia Brasileira de Letras, onde viria a ocupar a cadeira 11 em abril de 1993.

    Em 1995, publica O Povo Brasileiro, livro que encerra a coleção de seus Estudos de Antropologia da Civilização, além de uma compilação de seus discursos e ensaios, intitulada O Brasil como Problema. Lança ainda um livro para adolescentes, Noções de Coisas, com ilustrações de Ziraldo, obra que em 1996 recebe da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil o Prêmio Malba Tahan de Melhor Livro Informativo.

    Em 1996 publica, pela editora Companhia das Letras, Diários Índios: os Urubu-Kaapor, que reproduz integralmente os diários de campo escritos em forma de cartas à Berta Ribeiro no período de 1949 a 1951, quando era etnólogo do Serviço de Proteção aos Índios. Nesse mesmo ano, seu primeiro romance, Maíra, recebe uma edição comemorativa de seus 20 anos, que traz resenhas e críticas de Antônio Candido, Alfredo Bosi, Moacir Werneck de Castro, Antônio Houaiss, Carmen Junqueira e outros especialistas em literatura e antropologia. Ainda em 1996, recebe o Prêmio Interamericano de Educação Andrés Bello, concedido pela OEA a eminentes educadores das Américas.

    Organizou a Fundação Darcy Ribeiro, instituída por ele em janeiro de 1996, com sede própria, localizada em sua antiga residência em Copacabana, com o objetivo de manter viva sua obra e elaborar projetos nas áreas educacional e cultural. Um de seus últimos projetos lançado publicamente foi o Projeto Caboclo, destinado à fixação do caboclo na floresta amazônica.

    Darcy Ribeiro falece em 17 de fevereiro de 1997. No seu último ano de vida, dedicou-se especialmente a organizar a Universidade Aberta do Brasil, com cursos de educação a distância, e a Escola Normal Superior, para a formação de professores de 1º grau.

    http://www.fundar.org.br/

     
  38. Patriarca da Paciência

    fevereiro 19, 2012 at 11:04 am

    Surf,

    eu estava vendo ontem um documentário sobre o Darcy Ribeiro.

    É incrível como o caro fez tanta coisa ainda jovem, antes dos 40 anos.

    Altos cargos políticos, criou universidades, escreveu livros importantes etc.

    É mesmo extraordinário o que o cara fez.

    Sempre aparecerão pessoas como o Darcy Ribeiro. A vida sempre se renova.

    Mais incrível ainda é que os dois últimos anos da sua vida foram os anos mais produtivos.

    Acho que poderíamos criar um movimento tendo como patrono o Darcy Ribeiro.

     
    • surfando na jaca

      fevereiro 19, 2012 at 12:30 pm

      Conheci pessoalmente, de cuspir perdigoto um no outro, o Darcy Ribeiro. Era um mulherengo tremendo e falava pelos cotovelos. Foi um grande brasileiro sem dúvida. Tinha um vontade de viver tremenda. Seu maior exemplo de vida foi ter escapado da sanha médica e ir morrer no litoral, acompanhado dos amigos e de uma vista maravilhosa para o mar. O mundo precisa de gente rebelde assim como o Darcy.

      Mas creio que alguns nababos almofadinhas irão me perguntar: mas o que eu faço com o meu dinheiro? Até mesmo os cínicos pseudocomunistas enricados, que imaginam que só depois da revolução alguma coisa poderá ser feita, para eles respondo como o Betinho: faça agora, que sempre existirá alguma coisa que o capital possa fazer de útil à humanidade, seja financiando a ciência, institutos de pesquisa, projetos sociais sérios, ao invés de coleções idiotas de bens materiais. Por exemplo, a Stanford foi criada com uma doação de família quase do tamanho de uma cidade.Infelizmente é uma universidade de fundação privada. Seria bem melhor se fosse uma universidade pública.Tem uns nababos que andam tão sem idéia do que fazer com o dinheiro que querem viajar para a Lua, Marte e, quem sabe, ser enrabado por um extraterrestre, só para dizer que é o único, que é o gorila alfa boiola. Sinceramente, seus inúteis almofadinhas…

       
  39. surfando na jaca

    fevereiro 19, 2012 at 10:18 am

    Prezado Proftel. Só reclamo a vírgula lá no fim: “…de merda, pois…”
    Tem mais, assino novamente o manifesto, agora sóbrio.

     
    • Proftel

      fevereiro 19, 2012 at 12:51 pm

      Surf:

      Tirei a vírgula.

      🙂

       
  40. Patriarca da Paciência

    fevereiro 19, 2012 at 9:45 am

    Meu caro Surf,

    Eu tenho bastante contato com jovens universitários e tenho notado que hoje em dia poucos se empolgam por idéias grandiosas.

    O pessoal está mesmo é focado em suas “carreiras”, é bastante realista, em sua grande maioria sabe que não é capaz de nenhuma “ideía salvadora do mundo” ou portador de uma grande inteligência etc. etc.

    Por incrível que pareça, acho que teu manifesto deve ser dirigido mais aos “coroas”.

    Seria muito engraçado, vamos fazer a “revolução dos coroas”.

     
    • surfando na jaca

      fevereiro 19, 2012 at 10:24 am

      Caro Patriarca, a juventude é que é revolucionária, assim pensava Lenin.

      A juventude é mais disposta a levar as mudanças até às últimas consequências. O negócio é que todo mundo está anestesiado na sociedade de consumo. O nosso país nem se fala. As classes populares descobriram o cartão de crédito e as casas Bahia em 20 prestações. Mas não quero dizer que não é preciso obter um conforto doméstico, mas reafirmo e isso deveria constar no texto do post, que não pode ser a meta de uma existência. A meta de uma existência deve ser o aprimoramento do ser de forma espiritual e social. Precisamos construir uma nova contracultura.

       
    • Proftel

      fevereiro 19, 2012 at 12:58 pm

      Patriarca da Paciência:

      Também sinto isso, vejo as estagiarias (os) no trampo.

      São individualistas, buscam o futuro pensando só neles (nem todos).

      Um detalhe interessante, a maioria é nacionalista pacas mas, não são afeitos à política (e olhe que 100 % lá são estudantes de Direito).

      Isso me faz lembrar o tanto que a Polícia Federal mudou de rumo depois que exigiu nos concursos nível universitário.

      Muita coisa está mudando no Brasil, pode crer.

      🙂

       
  41. Proftel

    fevereiro 18, 2012 at 11:56 pm

    Isso que o Surf falou se me fez lembrar do meu Tio Max (aquele cara que tinha um estaleiro no Bairro da Pedreira em Sampa, construía lanchas de fibra e madeira, reformava iates).

    Ele sempre dizia: “- Sobrinho, se um cara chega aqui numa sexta a noite de Taxi, de terno e gravata e pergunta “quanto é um barco”, esse é pobre.

    Se um cara chega num sábado de manhã, de chinelo num carro velho e com os filhos, pergunta: “-E aí Max, como tá o barco..” pode crer, esse tem grana de monte”.

    Já naquela época meu Tio mostrou o que é um “Yuppie” sem querer!

    Eles já existiam Surf!

    A merda é que eram poucos e vinculados à multinacionais ou ao “stablishment”, hoje são muitos, filhos de políticos ou funcionários de alto escalão principalmente.

    Pode crer que entre empresários sérios, a maioria não tem filhos desse naipe.

    =)

     
  42. Proftel

    fevereiro 18, 2012 at 11:31 pm

    O texto original está aqui:

    “Vou escrever um manifesto.

    Depois de muito ler sobre a nossa sociedade, o capitalismo, cheguei a conclusão de que precisamos criar uma ética de classe, com valores opostos ao da elite. Nos anos do anticonsumismo hippie as elites econômicas se tornaram pessoas escrotas, com parâmetros morais e de valores totalmente opostos aos da massa jovem, da rebeldia. Por isso criaram os yuppies,os almofadinhas trabalhadores para o dinheiro e manutenção dos valores consumistas das elites. Essas elites querem aparecer, precisam do povo para estabelecer sua situação de status, caso contrário seriam vistos como entidades desconectadas da vida. Exemplo disso é o Justus comprando uma escola de samba em SP só para aparecer, ser homenageado, mostrar ao povo sua riqueza e poder. Se o povo lhe vira as costas, seria um mico incrível. Precisamos nos sentir enojados com os hábitos da elite ao invés de invejá-los. A ótica da acumulação de renda só faz sentido com a transformação disso em símbolos de poder e que externem essa riqueza desigual. Precisamos de uma nova conduta de valores baseada no anticonsumismo, desprezo com esses novos bezerros de ouro de nossas elites que são suas mercadorias exclusivas e excêntricas, e a defesa de uma moral preservacionista. Precisamos de uma nova rebeldia da juventude que seja socialista, anticonsumista e ecológica. Almofadinhas viadinhos riquinhos enfiem suas Ferraris no rabo, seus bundões egocêntricos de merda, pois não criam valores humanos dignos desse nome, mas perpetuam o que há de mais simiesco na natureza humana: a vontade de ser o macaco alfa. Almofadinhas bundões!”

    Prá virar Post fiz algumas alterações, não suprimi nada, só alterei alguns trechos.

    Se o Surf achar que a coisa não tá boa, eu excluo o Post inteiro de boa.

    Deixo com vocês.*

    🙂

    *De minha parte, o cara escreve bem pacas, levei um tempão pra “azeitar” a coisa. kkkkk.

     

Obrigado pelo seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: